Dez anos depois do 30 Under 30, fundador do Spotify acumula US$ 4,4 bi

Em 2020, os serviços de streaming movimentaram US$ 13,4 bilhões, somente o Spotify pagou US$ 5 bilhões em direitos autorais .

Steven Bertoni
Compartilhe esta publicação:

Daniel Ek foi eleito 30 Under 30 em 2012, na ocasião, sua fortuna estava estimada em US$ 300 milhões (Crédito: Getty Images)

Acessibilidade


Há dez anos, Daniel Ek convenceu gravadoras e artistas a transmitirem suas músicas no Spotify revivendo uma indústria em declínio. Agora, depois de acumular uma fortuna de US$ 4,4 bilhões, ele vive uma fase rumo ao domínio de tudo aquilo que é áudio. No final de outubro, em uma das primeiras reuniões da diretoria do Spotify presenciais após um período de isolamento, Ek, um engenheiro introvertido de 38 anos que raramente dá entrevistas, teve um dia atípico sob os holofotes.

O sueco de fala mansa, que tem a cabeça raspada e barba, estava em trânsito desde as 5 da manhã, recebendo ligações com analistas financeiros, assistindo a algumas entrevistas e liderando 200 funcionários de olho na repercussão dos resultados trimestrais. “Foi uma loucura, já que é o primeiro encontro pessoal que fizemos aqui em dois anos”, disse Ek, vestindo jeans preto, casaco de camurça preto e tênis de couro envernizado. “Teve uma vibração ótima e calorosa. Todos estavam se abraçando e aplaudindo.”

Eram bilhões de motivos para comemorar. No início daquele dia, o Spotify apresentou números trimestrais recordes, fazendo um barulho que reverberou pelos mundos de Wall Street e na indústria do entretenimento. A receita atingiu US$ 2,9 bilhões, um salto de 27% em relação ao mesmo trimestre do ano passado. As vendas de anúncios aumentaram 75%, para quase US$ 375 milhões. O número de ouvintes ativos cresceu 20% em relação ao mesmo período do ano anterior, para mais de 380 milhões. O mesmo vale para assinantes pagos, que agora chegam a 170 milhões. Suas ações, paralisadas durante a maior parte de 2021, dispararam 10%, agregando US$ 5 bilhões em valor e empurrando a capitalização de mercado do Spotify acima de US$ 50 bilhões pela primeira vez desde o verão.

A empresa já percorreu um longo caminho desde que Ek relutantemente vestiu terno e gravata para posar para a capa da primeira edição do 30 Under 30 da Forbes, dez anos atrás. Naquela época, em janeiro de 2012, o Spotify tinha apenas 500 funcionários, US$ 300 milhões em vendas e uma avaliação de US$ 2 bilhões. O serviço estava disponível na América há apenas seis meses. Hoje, a plataforma atua em 184 países, tem 7,4 mil funcionários e US$ 9,7 bilhões em vendas anuais. O Spotify abriu o capital em 2018, e Ek – que, em 2012, tinha uma fortuna de US$ 300 milhões, agora tem US$ 4,4 bilhões.

LEIA TAMBÉM: Spotify lança ‘Netflix Hub’ em seu aplicativo para atrair fãs

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Quando o Spotify chegou aos Estados Unidos, em 2011, o streaming era um negócio de US$ 600 milhões, respondendo por 4% da receita global anual da indústria fonográfica. Em 2020, os serviços de streaming registraram US$ 13,4 bilhões em vendas, representando 62% da receita da indústria. No ano passado, o serviço sueco pagou US$ 5 bilhões aos detentores dos direitos, principalmente as grandes gravadoras, que repassaram cerca de US$ 500 milhões aos artistas.

Quando o Spotify estourou na cena americana, em 2011, a indústria da música estava uma bagunça. Atrasada para a transição digital e sangrado pela pirataria e sites de compartilhamento de arquivos como o Napster. Nessa época, o streaming de música era apenas um negócio global de US$ 600 milhões. As vendas e downloads de álbuns físicos totalizavam US$ 14,4 bilhões naquele ano. Avance para 2020, quando a indústria da música apresentou seu melhor desempenho em 18 anos, com a receita saltando 54%, para US$ 21,6 bilhões. O streaming responde por US $ 13,4 bilhões disso, ou seja, 62% da receita.

Os podcasts, há muito dominados pela Apple, pareciam prontos para uma mudança. “Ainda era baseado em download. Você não conseguia reproduzir o podcast facilmente em seu carro ou em seus alto-falantes inteligentes ”, diz Ek. “Percebemos que tudo o que construímos para música poderia ser adaptado para podcasts.” Esse segmento começou pequeno e foi inicialmente um fracasso. A maioria das pessoas via o Spotify estritamente como uma empresa de música. “Eu disse à nossa equipe que estávamos comprometendo publicamente US$ 1 bilhão em podcast. Eles me disseram que o mercado inteiro não vale um bilhão”, diz Ek com uma risada. “O número era significativo o suficiente para nos assustar, o que é importante. Eu não estava apostando a empresa inteira nisso, mas foi significativo o suficiente para que todos, incluindo nós, levassem a sério. ”

Compartilhe esta publicação: