Parag Agrawal: novo CEO do Twitter dá início a uma série de reestruturações

Com a saída de Jack Dorsey do comando, executivo começou as mudanças na alta gestão e nas áreas de design e engenharia .

Redação
Compartilhe esta publicação:

Parag ingressou no Twitter em 2011 após passagens pela Microsoft, AT&T e Yahoo, e atua como CTO da empresa desde outubro de 2017 (Crédito: Divulgação)

Acessibilidade


Com poucos dias após ter assumido o comando do Twitter no lugar do fundador Jack Dorsey, que renunciou ao cargo no dia 29 de novembro, Parag Agrawal iniciou um processo de reestruturação na última sexta-feira, 3. O executivo indicou mudanças envolvendo Kayvon Beykpour, Bruce Falck e Nick Caldwell. Beykpour será responsável por construir os recursos voltados para o consumidor, enquanto Falck e Caldwell, respectivamente, vão gerenciar as equipes de vendas e engenharia. O diretor de design Dantley Davis e Michael Montano, chefe de engenharia, deixarão a companhia.

Então diretor de tecnologia, Parag ingressou no Twitter em 2011, após passagens pela Microsoft, AT&T e Yahoo, e atuava como CTO da empresa desde outubro de 2017, onde era responsável pela estratégia técnica envolvendo aprendizado de máquina. Dorsey disse em sua carta de renúncia que Agrawal foi sua principal escolha, pois ele está “por trás de todas as decisões críticas que ajudaram a mudar a empresa”.

LEIA TAMBÉM: Seis momentos marcantes de Jack Dorsey no comando do Twitter

Agrawal é PhD em ciência da computação pela Universidade de Stanford e teve papel de relevância no crescimento da audiência de 2016 a 2017. Ele agora tem a tarefa de cumprir as metas agressivas do Twitter, incluindo dobrar a receita anual este ano e alcançar 315 milhões de usuários ativos diários monetizáveis até o final de 2023, relata a CNBC.

O Twitter parou de relatar seus usuários ativos mensais em 2019, pois os números estavam estagnados em torno de 300 milhões – na época, o Facebook relatou ter aproximadamente 2,5 bilhões de usuários mensais. O fundo Elliott Management tentou tirar Dorsey de sua posição em 2020 por causa do crescimento lento da empresa, de acordo com um relatório da Bloomberg. O grupo de gestão também pensou que, ao substituir Dorsey, que era CEO do Twitter e da Square na época, por um CEO em tempo integral, poderia ser uma forma de tornar o Twitter mais valioso em Wall Street.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Compartilhe esta publicação: