AfroGames e Nuuvem lançam programa para empregar jovens periféricos

O Noob to Pro recruta pessoas para receberem treinamentos com desenvolvimento profissional baseado em formação relacionada à tecnologia.

Andressa Barbosa
Compartilhe esta publicação:
Divulgação

AfroGames é um projeto que utiliza a tecnologia para inclusão de jovens periféricos

Acessibilidade


O AfroGames e a Nuuvem desenvolveram parceria para lançar um novo projeto de empregabilidade, o Noob to Pro – Formando Talentos. O programa recruta jovens para receberem treinamento em plataformas e ferramentas, além de experiências profissionais que possibilitam o desenvolvimento desses talentos, geração de fonte de renda e contribuição na autoestima dos envolvidos.

Os selecionados também realizaram o desenvolvimento de habilidades técnicas e comportamentais (soft skills). O estágio será remunerado e terá diversos benefícios como vale refeição ou alimentação, plano de saúde e odontológico, além do Jogo do Mês, benefício oferecido a todos os funcionários da Nuuvem. A primeira selecionada para a ação é Renata Guimarães, aluna do curso de programação e moradora do bairro Vigário Geral, no Rio de Janeiro.

LEIA TAMBÉM: Favecoin: conheça a criptomoeda que pretende empoderar a periferia

Para Thiago Diniz, COO e cofundador da Nuuvem, o mais importante é oferecer oportunidade e incentivar o desenvolvimento democrático do setor de games. “Nosso objetivo é promover a empregabilidade, o desenvolvimento profissional e a geração de renda para jovens de comunidades de baixa renda que possuem interesse e aptidão para trabalhar no mundo dos games. […] Ao final do programa de estágio, com duração de até dois anos, os participantes do Noob to Pro – Formando Talentos, podem ser contratados pela Nuuvem, ou então conectados às oportunidades de trabalho em uma rede com mais de 250 empresas parceiras, entre publishers e desenvolvedoras de todo o mundo. Esperamos que a iniciativa sirva como uma porta de entrada sólida ao mercado de trabalho na indústria dos games e tecnologia “, afirma Diniz.

Compartilhe esta publicação: