Engajamento impulsiona potencial da indústria gamer no Brasil

Dados da Kantar IBOPE Media apontam o país como um dos maiores ecossistemas de jogos e com grande potencial para 2022.

Andressa Barbosa
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

Em média, os gamers brasileiros passam mais de duas horas jogando diariamente

Acessibilidade


O Brasil está na 13° posição dos países com o maior número de gamers do mundo. Em média, eles passam duas horas e meia jogando por dia, número que está ligeiramente acima da média global de duas horas e quatorze minutos. Os dados foram levantados pelo Target Group Index Global Quick View, ferramenta da Kantar IBOPE Media, divisão global da Kantar especializada em pesquisa de mídia. Construído a partir de uma amostra representativa com mais de 85 mil entrevistados, o estudo se propõe a entender o perfil de consumo dos gamers de 35 países.

LEIA TAMBÉM: O game brasileiro que recebeu investimento de banco e explodiu no TikTok

Ao redor do mundo, o setor de games está muito concentrado na China com 90%, na Arábia Saudita com 89%, nas Filipinas com 88% e na Indonésia com 88%. Já quando o assunto é média de tempo de consumo diário entre os jogadores, a Arábia Saudita fica com 3h01min, a Filipinas com 2h58min e os Estados Unidos lideram o ranking com 2h38min. A popularidade do setor de jogos eletrônicos promove uma disputa feroz, a prova disso é que três dos 10 maiores negócios da indústria de videogames foram fechados nos primeiros meses de 2022. A Microsoft passou a ocupar o topo deste ranking após adquirir a Activision Blizzard por US$68,7 bilhões em meados de janeiro.

A disseminação da rede 5G pode ajudar no crescimento do mercado gamer, permanecendo em alta no mercado, com a expansão de jogos via streaming, modelos por assinaturas e vida em ambientes virtuais – o famoso metaverso. A expectativa é que o setor movimente mais de US$200 bilhões até 2023. De acordo com o estudo Global Games Market Report, produzido pela Newzoo, a área faturou US$ 175,8 bilhões no último ano.

Cenário gamer em ascensão

Em entrevista recente à Forbes Brasil, Rodrigo Terra, presidente da Abragames e cofundador da ARVORE Immersive Experiences, destacou o potencial da indústria brasileira de games. No ano passado, as exportações de jogos desenvolvidos aqui cresceram 600% representadas por um total de 140 empresas participantes do projeto Brazil Games. A iniciativa é da APEX e da Abragames (Associação Brasileira das Desenvolvedoras de Jogos Eletrônicos). No total, a receita ultrapassou os R$ 10 bilhões (US$ 2 bilhões).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

LEIA TAMBÉM:  O que motiva o recorde nas exportações brasileiras de games?

Terra explica que a iniciativa visa capacitar empresas para exportar produtos de forma segura e inserir empresários brasileiros no cenário internacional de produção de jogos. “O mercado de games tem natureza 100% exportadora, seu formato digital tem potencial para que os serviços e produtos sejam facilmente distribuídos. Através de nossas ações e da qualidade da mão de obra brasileira, os produtos e serviços de games do Brasil estão presentes em 95% dos países de todo o mundo”, diz Terra.

Compartilhe esta publicação: