O que motiva o recorde nas exportações brasileiras de games?

Rodrigo Terra, presidente da Abragames e cofundador da ARVORE Immersive Experiences, explica a alta de 600% na oferta de projetos do Brasil para o mundo.

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


Divulgação

O brasileiro Pedro Caxa, desenvolvedor de Camp Wars, recebeu um apoio recente do Itaú para lançar seu jogo

A indústria brasileira de games vem registrando números recordes. No ano passado, as exportações de jogos desenvolvidos aqui cresceram 600% representadas por um total de 140 empresas participantes do projeto Brazil Games. A iniciativa é da APEX e da Abragames (Associação Brasileira das Desenvolvedoras de Jogos Eletrônicos). No total, a receita ultrapassou os R$ 10 bilhões (US$ 2 bilhões).

Rodrigo Terra, presidente da Abragames e cofundador da ARVORE Immersive Experiences, explica que a iniciativa visa capacitar empresas para exportar produtos de forma segura e inserir empresários brasileiros no cenário internacional de produção de jogos. “O mercado de games tem natureza 100% exportadora, seu formato digital tem potencial para que os serviços e produtos sejam facilmente distribuídos. Através de nossas ações e da qualidade da mão de obra brasileira, os produtos e serviços de games do Brasil estão presentes em 95% dos países de todo o mundo”, diz Terra.

LEIA TAMBÉM: Do Magazine Luiza ao Itaú: games brasileiros atraem prêmios e investimentos

“Games trabalham com criação de mundo. E o metaverso é a evolução disso, em que as ferramentas da tecnologia são usadas para se viver em outras realidades, que não sejam só esta física como conhecemos. Com o grande potencial que temos em nossos serviços de desenvolvimento de jogos, tenho certeza da competência e a tecnologia necessárias para tornar o Brasil um dos principais atores criativos do metaverso”, pontua Terra que, em entrevista, dá um contexto do crescimento e do atual momento do ecossistema de games do Brasil.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Rodrigo Terra, presidente da Abragames e cofundador da ARVORE Immersive Experiences

Forbes Brasil: A indústria brasileira de games já tinha esse histórico de organização?
Rodrigo Terra:  O programa tem quase 10 anos e ele ajuda na reorganização da indústria por meio de uma iniciativa da Apex e Abragames. Ele foi fundamental para fomentar o que temos hoje como setor e essencial para dar visibilidade ao mercado de desenvolvimento de jogos. Sobretudo no cenário internacional. Um grande desafio das desenvolvedoras brasileiras, no passado, era acessar a esse mercado lá fora, e o programa nasceu para resolver isso.

F: Como que esse programa contribuiu para a ascensão de empresas como a Wildlife, o primeiro unicórnio brasileiro de games?
RT: As desenvolvedoras brasileiras usaram e usam o programa para acessar mercados. Claro que a Wildlife teve sua trajetória, mas outros estúdios devem parte do sucesso a programas como esse. O mais importante é que essa iniciativa não é de momento, ela tem uma característica de continuidade e incentivo a criação de novos estúdios. Não só o meio da pirâmide, mas também a base.

LEIA TAMBÉM: Criptomoedas, games e blockchain movimentam parcerias no Brasil

F: De forma prática, o que o Brasil representa no mundo em relação ao tamanho e proporção dessa indústria?
RT: Nosso país ocupa a décima terceira posição em termos de desenvolvimento do mercado de jogos. Ainda existe muita estrada a ser trilhada em termos de ecossistema. O Brasil é o maior produtor de jogos da América Latina. Representa não só a região, mas a potência em entrega de jogos, tanto para entretenimento como para outras indústrias. Vale lembrar, inclusive, que games não representam apenas entretenimento. Existem outras aplicações como educação, treinamento e até mesmo saúde que, inclusive, faz com que sejamos o quinto país em consumo de jogos do mundo.

F: Qual o papel do ecossistema de games para a economia criativa?
RT: Uma indústria estratégica que posiciona o Brasil em trilha de inovação, ocupação de territórios culturais, como ativo de exportação, sem ser o clichê ou aquilo que estamos acostumados a ver em exportações. Os jogos brasileiros trazem uma outra ótica para o mercado global. Isso é muito importante não só no território cultural, mas em investimento na área de inovação e tecnologia.

F: Por que com todo esse potencial nós só temos, por enquanto, um unicórnio de games no Brasil?
RT: Apesar de todos esses contextos, a indústria é muito nova. Na década de 1980 ou 1990 não existia um incentivo para a formação de um ecossistema. Ele nasceu sozinho no Brasil, os empreendedores criavam os estúdios a despeito do momento da economia ou com fomento e apoio ou não, ou seja, ele cresceu de forma orgânica e se estruturou para seguir esse caminho. De fato, ter um unicórnio hoje ainda é muito pouco. Vale lembrar que esse unicórnio é único na América Latina também.

Compartilhe esta publicação: