Startups da Ucrânia: conheça o ecossistema que já gerou um decacórnio

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:
Divulgação

A Tech Ukraine foi criada para fomentar o ecossistema do país e se inspirou no modelo de Amsterdã, na Holanda

Acessibilidade


Com quase 3 milhões de habitantes, Kiev, capital da Ucrânia, que vem sendo atacada pela Rússia há uma semana, possui vários méritos em relação a seu ecossistema de startups. De acordo com o StartupBlink Ecosystem, a cidade subiu, no ano passado, para a 34ª posição em um ranking de mil localidades de alto potencial em inovação, superando Helsinque, Munique e Dublin.

Dados da TechUkraine, hub de inovação criado para fomentar o desenvolvimento de startups no país, apontam que o setor de tecnologia ucraniano exporta US$ 4,5 bilhões em serviços e possui cerca de 160 mil profissionais atuando em mais de 4 mil empresas. Desde 2013, as empresas ucranianas de tecnologia já receberam mais de US$ 1 bi em investimentos, o que tornou o país um dos maiores destinos de financiamentos para startups do Leste Europeu. Criado pelo Ministério do Desenvolvimento Econômico e Comércio da Ucrânia, a TechUkraine, um dos principais hubs do país, foi inspirada no Startup Amsterdam, que levou o ecossistema holandês ao êxito da inovação.

O primeiro decacórnio ucraniano

Além das características de seu ecossistema, a Ucrânia foi berço de um decacórnio, ou seja, das startups avaliadas em mais de US$ 10 bilhões. Em novembro do ano passado, a Grammarly, empresa que desenvolveu um software homônimo, levantou US$ 200 milhões em investimentos e foi estimada, à época, em mais de US$ 13 bilhões. Fundada em 2009 por Maksym Lytvyn, Oleksiy Shevchenko e Dmytro Lider, a Grammarly possui mais de 600 colaboradores em Kiev, Nova York e São Francisco.

LEIA TAMBÉM: Guerra na Ucrânia: empresas e bilionários adotam postura ativista

Inspiração holandesa

Ruben Nieuwenhuis, consultor da TechUkraine, foi um dos responsáveis pelo desenvolvimento do Startup Amsterdam, centro de inovação que tornou-se referência na Europa. Com a sua chegada, a Ucrânia tinha, antes da guerra, as mesmas pretensões. “A Ucrânia pode se orgulhar de seu grande potencial tecnológico. Com a TechUkraine, isso prova que as partes interessadas em todo o país podem se unir para colaborar no crescimento de um centro tecnológico líder global”, disse Ruben em uma das apresentações do hub para investidores.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Divulgação

Em novembro de 2021, a Grammarly, que possui um software homônimo, levantou US$ 200 milhões em investimentos e foi estimada em mais de US$ 13 bi

“O ecossistema tecnológico ucraniano já alcançou resultados significativos. Mas, para chegar aos melhores, precisamos de uma abordagem estratégica e da cooperação dos principais atores do ecossistema. E é exatamente isso que planejamos iniciar na TechUkraine”, disse Nataly Veremeeva, diretora da TechUkraine, ao apresentar o projeto. No ano passado, Amazon, Apple e Glovo instalaram escritórios em Kiev com o objetivo de ampliar a cooperação tecnológica com o País. A presença dessas empresas, neste momento, é incerta.

Potencial ameaçado

Todo esse potencial, no entanto, está ameaçado. Em entrevista recente ao site Sitfed, Dominique Piotet, da Unit.City, outro hub de inovação que atua em Kiev, com cerca de 130 startups, afirmou que a instabilidade e a guerra, bem como as perdas de dinheiro da região colocam em xeque tudo que foi desenvolvido até aqui. Várias das startups que atuam no país estão com planos de contingência. Algumas realocando seus profissionais em outros países, por exemplo.

LEIA TAMBÉM: Sberbank, principal banco da Rússia, é alvo de sanções e deixa Europa

O site Seedtable listou as “91 startups ucranianas promissoras em 2021” e a lista reflete, inclusive, a diversidade de segmentos atuantes no país. Entre elas estão a healthtec Bookimed, uma espécie de Uber para hospitais. A foodtech Atlas que produz orgânicos. GameTree, uma gametech especializada em relacionamentos e a Alty, desenvolvedora de aplicativos móveis.

Compartilhe esta publicação: