Afinal, o que é investimento anjo?

Termo surgiu na década de 1920 nos teatros da Broadway, em Nova York, quando empresários apoiavam os altos custos de produção das peças.

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

Para que o investimento anjo seja potencializado, no entanto, é necessário recebê-lo em um momento específico da startup

Acessibilidade


Investidor-anjo, a expressão tão comum ao mundo das startups, guarda muito mais história e significado do que imaginamos. O termo surgiu na década de 1920 nos teatros da Broadway, em Nova York. Na época, empresários bancavam os altos custos das produções teatrais, apoiavam a execução da peça e participavam de seu retorno financeiro. Aos poucos, eles começaram a ser conhecidos como “anjos”.

Pietro Bonfiglioli, fundador da Fisher, Venture Building que conecta startups e empresas em busca de inovação, destaca que o conceito evoluiu e hoje é usado para definir pessoas físicas, normalmente profissionais ou empresários bem-sucedidos, que investem capital próprio em startups. “Esses investidores podem se associar também a grupos de anjos e fazer esses aportes em conjunto.”

De acordo com um levantamento feito por uma de investidores-anjo, a estimativa é de que, em 2021, esse tipo de aporte deve ter sido de R$ 80 milhões, considerando as principais redes de investidores-anjo do Brasil.

LEIA TAMBÉM: O que é MVP e qual o papel da prototipagem para as startups?

Por que esse perfil de investidor é importante?

“Apesar de não assumirem uma posição executiva na empresa, investidores-anjo aportam capital financeiro, fornecem também capital intelectual, apoiando o empreendedor com sua experiência, conhecimento e networking. Por isso, ficaram conhecidos como Smart-Money. Essa atuação aumenta muito as chances de sucesso da startup, além de acelerar o crescimento”, reforça Pietro.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em que fase de uma startup ele é fundamental?

Muito importante para startups, o investimento-anjo, deve ser direcionado a empresas em momentos específicos para que seja relevante. “Ele é fundamental nos estágios mais iniciais do ciclo de vida das startups, principalmente pelo componente do Smart-Money. Além do volume investido por pessoas físicas ser menor e fazer mais sentido nas fases iniciais”, finaliza Pietro.

Compartilhe esta publicação: