Bezos questiona se venda do Twitter para Musk sinaliza mudança na política de conteúdo

Bilionário afirma que o governo chinês "acabou de ganhar um pouco de influência".

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Paul Ellis/Pool/Reuters
Paul Ellis/Pool/Reuters

“O governo chinês acabou de ganhar um pouco de influência sobre a praça da cidade?”, escreveu Jeff Bezos no Twitter

Acessibilidade


O fundador da Amazon.com, Jeff Bezos, perguntou em sua conta no Twitter se a compra da rede social por Elon Musk dará à China “um pouco de influência sobre a praça da cidade”.

O Twitter está bloqueado na China, onde Musk, a pessoa mais rica do mundo, tem interesses comerciais importantes.

LEIA TAMBÉM: Elon Musk e Twitter: o que acontece agora?

Musk, que se autodenomina “absolutista da liberdade de expressão” e tem criticado a política de moderação de conteúdo do Twitter, chegou a um acordo ontem (26) para comprar a empresa por US$ 44 bilhões.

Ativistas políticos avaliam que o negócio significará menos moderação no Twitter e a reintegração de indivíduos banidos, incluindo o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Também há dúvidas sobre o que o acordo significará para a política de conteúdo do Twitter na China, já que a fabricante de veículos elétricos Tesla, de Musk, depende muito do país asiático para produção e vendas.

“O governo chinês acabou de ganhar um pouco de influência sobre a praça da cidade?”, escreveu Bezos no Twitter na noite de ontem (26).

“Minha própria resposta a essa pergunta é provavelmente não. O resultado mais provável a esse respeito é a complexidade na China para a Tesla, em vez de censura no Twitter”, escreveu Bezos mais tarde.

Musk disse em um tuíte ontem (26): “Espero que até meus piores críticos permaneçam no Twitter, porque é isso que significa liberdade de expressão.”

Em comunicado após o anúncio de compra do Twitter, Musk disse que “a liberdade de expressão é a base de uma democracia em funcionamento e que a rede social é a praça da cidade digital onde são debatidos assuntos vitais para o futuro da humanidade”.

O Ministério das Relações Exteriores da China disse hoje (26) que não havia base para especulações de que Pequim poderia tentar usar a influência sobre a Tesla para influenciar o conteúdo no Twitter.

Um porta-voz da Tesla disse que a empresa não vai comentar o assunto. O Twitter não se manifestou.

Compartilhe esta publicação: