Elon Musk aposta em baterias de ferro e lítio para Tesla

A empresa deu um forte sinal de que as células à base de ferro estão finalmente começando a ganhar apelo global.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Aly Song/Reuters
Aly Song/Reuters

Essa foi a primeira vez que a Tesla divulgou tais detalhes sobre a composição de suas baterias

Acessibilidade


A Tesla revelou que quase metade dos veículos que produziu no primeiro trimestre foram equipados com baterias de LFP (fosfato de ferro e lítio) – um rival mais barato das células à base de níquel e cobalto que dominam no ocidente.

Essa foi a primeira vez que a Tesla divulgou tais detalhes sobre a composição de suas baterias.

A empresa deu um forte sinal de que as células à base de ferro estão finalmente começando a ganhar apelo global em um momento em que o fornecimento de níquel é prejudicado por preocupações com o fornecimento devido à guerra da Rússia na Ucrânia e o cobalto é contaminado por relatos de condições perigosas em minas artesanais na República Democrática do Congo.

“Acho que o fosfato de ferro e lítio tem uma nova vida”, disse Mujeeb Ijaz, fundador da startup de baterias norte-americana Our Next Energy, que diz estar explorando um local de produção nos Estados Unidos. “Tem uma vantagem clara e de longo prazo para a indústria de veículos elétricos.”

A LFP foi responsável por apenas 3% das baterias de veículos elétricos nos EUA e Canadá em 2022 e 6% na União Europeia, com células de NCM (níquel-cobalto-manganês) respondendo pelo restante, segundo dados da IMC (Benchmark Mineral Intelligence).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A corrida é muito mais acirrada na China, onde a LFP comanda 44% do mercado de veículos elétricos contra 56% da NCM.

Uma preocupação de curto prazo para essas empresas, de acordo com o diretor de dados da BMI, Caspar Rawles, é a dependência contínua de fornecedores chineses para materiais refinados. As células LFP também contêm mais lítio do que os rivais do NCM, e especialistas do setor levantam preocupações de que a vantagem histórica das baterias à base de ferro de serem mais baratas seja corroída pelo aumento dos custos do metal.

A Tesla usa baterias LFP em algumas versões de nível básico de seu Model 3 desde 2021, expandindo o uso da tecnologia para além da China, onde há cerca de dois anos começou a usar baterias LFP fabricadas pela CATL. Mas dado o domínio histórico das baterias à base de níquel e cobalto nos EUA, a escala do uso de células LFP pela Tesla no primeiro trimestre de 2022 – instalada em cerca de 150 mil carros produzidos – surpreendeu alguns analistas.

A Tesla não respondeu a um pedido de comentário.

“Pode ser que veremos LFP em uma parcela maior da frota no médio prazo”, disse o presidente-executivo da Audi, Markus Duesmann, em março. “Depois da guerra, uma nova situação surgirá; vamos nos adaptar a isso e escolher as tecnologias e especificações de bateria de acordo.”

Entre suas vantagens, as células LFP tendem a representar menos risco de incêndio do que as NCM e podem ser totalmente carregadas sem perder tanto desempenho durante a vida útil.

No entanto, os obstáculos para a adoção generalizada de células LFP incluem encontrar soluções para melhorar a densidade de energia – reduzindo assim o tamanho e o peso – e lidar com o aumento do custo do lítio.

Forbes abre inscrições para lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: