Como a visita de Elon Musk impacta os planos para a Amazônia Digital

Serviço de internet via satélite da Starlink permitirá o monitoramento ambiental da região amazônica

Redação
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

De acordo com estudo da Fundação Amazônia Sustentável (FAS), em parceria com o Banco Mundial, a conexão digital é fundamental para os habitantes da Amazônia Legal

Acessibilidade


O anúncio feito por Elon Musk, em suas redes sociais, ocorreu de forma simultânea à visita que o bilionário fez ao Brasil ontem (20). Reunido com o presidente Jair Bolsonaro e dezenas de empresários, o fundador da Tesla e SpaceX informou a provisão de conexão de internet para quase 20 mil escolas rurais brasileiras e um serviço de monitoramento ambiental da Amazônia por meio dos satélites da Starlink.

A Starlink é uma divisão da SpaceX especializada no uso de satélites para a provisão de serviços de internet. O projeto envolvendo a Amazônia ainda não é possível já que a Starlink não opera no Brasil, no entanto, desde o mês de janeiro, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) liberou a operação da empresa no país. Ao todo, a estrutura da Starlink é composta de mais de 4 mil satélites em órbita e cerca de 550 quilômetros.

Leia mais: Exclusivo: Edu Lyra tem pitch, roteiro e até funk caso Elon Musk aceite convite para ir à favela

No encontro com Musk, o presidente Jair Bolsonaro reforçou a importância de que a Amazônia ganhe projeção não só no Brasil, mas também no mundo. “Para o Brasil, mostrar o potencial dessa região ao mundo é algo muito importante”, disse o presidente. Já o ministro das Comunicações, Fabio Faria, publicou em suas redes sociais: “Trouxemos um dos maiores empresários do mundo para nos ajudar na missão de conectar a Amazônia.

De acordo com um estudo de 2021, da Fundação Amazônia Sustentável (FAS), em parceria com o Banco Mundial, a conexão digital é fundamental para os habitantes da Amazônia Legal. A área ocupa 59% do território brasileiro e tem mais de 5 milhões de metros quadrados. O levantamento também identificou os desafios da região e destacou que a conectividade na região pode substituir outras tecnologias como uso de fibra ótica e sistemas de rádio.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Compartilhe esta publicação: