Gigante dos chips ASML faz grandes apostas em um futuro minúsculo

A companhia agora está se preparando para lançar uma nova máquina que será capaz de produzir chips de próxima geração

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Ayar Labs/Handout/Reuters
Ayar Labs/Handout/Reuters

A ASML também está ligada ao futuro mais amplo da indústria cíclica de chips

Acessibilidade


A empresa de sistemas de litografia ASML está construindo máquinas do tamanho de ônibus de dois andares, que pesam mais de 200 toneladas, para produzir feixes de luz focada capazes de criar circuitos microscópicos em chips de computador que equipam desde celulares e carros a até sistemas de inteligência artificial.

A empresa desfrutou de uma década de crescimento, com suas ações saltando 1000% e elevando seu valor de mercado acima dos € 200 bilhões (R$ 1 trilhão), uma vez que sobrepujou a maior parte dos rivais mundiais para estes sistemas de litografia.

A companhia agora está se preparando para lançar uma nova máquina, orçada em US$ 400 milhões (R$ 1,9 bilhão), e que será capaz de produzir chips de próxima geração. A expectativa é que o novo equipamento seja seu carro-chefe no final desta década, mas por enquanto continua sendo um desafio de engenharia.

Executivos da empresa disseram à Reuters que um protótipo estava a caminho de ser concluído no primeiro semestre de 2023. Eles disseram que a companhia e o parceiro de pesquisa e desenvolvimento de longa data IMEC estão montando um laboratório de testes – o primeiro – para que os principais fabricantes de chips e seus fornecedores possam explorar as propriedades da máquina e se prepararem para utilizá-la em modelos de produção já em 2025.

No entanto, como os investidores esperam mais domínio e crescimento para justificar a avaliação de mercado da ASML em 35 vezes o lucro de 2021, há pouca margem de erro caso a empresa encontre problemas técnicos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O êxito do projeto também é importante para os negócios da ASML e para fabricantes de chips que correm para expandir produção em meio à escassez global de semicondutores. Os clientes incluem a norte-americana Intel, a sul-coreana Samsung e a taiuanesa TSMC, que fabrica chips para empresas como Apple, AMD e Nvidia.

O especialista do setor, Dan Hutcheson, da VLSI Research, que não está envolvido com o projeto ASML, disse que a nova tecnologia – conhecida como versão de “alta abertura numérica (High-NA)” do ultravioleta extremo – pode fornecer uma vantagem significativa para alguns fabricantes de chips.

“Então, ou a ASML faz acontecer ou eles não fazem acontecer”, acrescentou. “Mas se eles fizerem isso acontecer, e você não tiver encomendado e perder a chance, você imediatamente se tornará não competitivo.”

A escassez de máquinas da ASML, que custam até US$ 160 milhões (R$ 780 milhões) cada, é um gargalo para os fabricantes de chips, que planejam investir mais de US$ 100 bilhões (R$ 487 bilhões) nos próximos anos para construir novas fábricas que deem conta da demanda.

As máquinas High-NA serão cerca de 30% maiores que as antecessoras, que exigem três Boeing 747 para transportá-las em seções.

A ASML disse ter cinco pedidos de máquinas piloto, que devem ser entregues em 2024, e “mais de cinco” pedidos de cinco clientes diferentes para modelos de produção mais rápidos para entrega a partir de 2025.

A ASML também está ligada ao futuro mais amplo da indústria cíclica de chips, que alguns pesquisadores esperam que vai dobrar para mais de US$ 1 trilhão (R$ 1,8 trilhão) em vendas anuais nesta década.

Christophe Fouquet, chefe de programas de ultravioleta extremo na ASML se preocupa mais com questões da cadeia de suprimentos.

“Neste momento, e como em todos os outros produtos, vemos algum estresse na cadeia de suprimentos, e isso é, se você me perguntar hoje, provavelmente o maior desafio que temos com a High-NA.”]

Forbes abre inscrições para lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: