CEO do Twitter defende contagem de bots após críticas de Musk

Parag Agrawal afirmou que as estimativas internas de contas de spam ficaram "bem abaixo de 5%", respondendo às críticas de Elon Musk sobre o gerenciamento de bots no Twitter

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Stephen Lam/Reuters
Stephen Lam/Reuters

Atualmente, o Twitter não exige que os usuários se registrem usando identidades reais, e perfis automatizados, paródias e pseudônimos são permitidos no serviço

Acessibilidade


O CEO do Twitter, Parag Agrawal, afirmou hoje (16) que as estimativas internas de contas de spam na plataforma de mídia social nos últimos quatro trimestres ficaram “bem abaixo de 5%”, respondendo às críticas de Elon Musk sobre o gerenciamento de contas falsas pela empresa.

Agrawal disse que a estimativa do Twitter, que permanece a mesma desde 2013, não pode ser reproduzida externamente, dada a necessidade de usar informações públicas e privadas para determinar se uma conta é spam.

Musk, que na sexta-feira disse que seu acordo de US$ 44 bilhões para comprar o Twitter estava “temporariamente suspenso”, aguardando informações sobre contas de spam, respondeu à defesa de Agrawal da metodologia da empresa com um emoji de cocô.

“Então, como os anunciantes sabem o que estão ganhando com seu dinheiro? Isso é fundamental para a saúde financeira do Twitter”, escreveu Musk.

Logo após seus tuítes, Musk disse em uma conferência privada em Miami que suspeita que bots – ou contas automatizadas – representem cerca de 20% a 25% dos usuários do Twitter, de acordo com tuítes de participantes.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Musk pediu testes de amostras aleatórias de usuários do Twitter para identificar bots e disse que ainda não viu “nenhuma” análise que mostre contas de spam representando menos de 5% da base de usuários.

O bilionário disse ontem (15) que “há alguma chance de ser mais de 90% dos usuários ativos diários”, enquanto pesquisadores independentes estimam que 9% a 15% dos milhões de perfis do Twitter são bots.

Atualmente, o Twitter não exige que os usuários se registrem usando identidades reais, e perfis automatizados, paródias e pseudônimos são permitidos no serviço.

A rede social proíbe falsificação de identidade e spam e penaliza contas quando a empresa determina que seu objetivo é “enganar ou manipular outras pessoas” envolvendo-se em golpes, coordenando campanhas de abuso ou inflando artificialmente o engajamento.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: