A Web 3.0 é uma revolução de dados?

Existe uma ampla gama de jovens empresas empreendedoras nos EUA e em todo o mundo que estão trabalhando para tornar o conceito uma realidade

Daniel Araya
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Criada pela primeira vez em 2014 por Gavin Wood (co-fundador da blockchain Ethereum), a Web 3.0 é concebida como uma versão aberta e descentralizada da internet.

Acessibilidade


Os dados do usuário e as empresas de internet que monetizam esses dados estão transformando a economia global. Essa á observação de um artigo recente da Harvard Business Review, em vez de dominar setores únicos, empresas de plataforma como Facebook, Google e Twitter usam “gargalos competitivos” para agregar e coletar os dados pessoais de seus usuários. Ao operar como guardiões em vários setores, esses gigantes da internet agora tributam e mediam a criação de valor na economia digital.

Felizmente, a história da internet não termina aqui. Além dos gargalos de inovação impostos pelos monopólios de dados arraigados, novas ferramentas estão surgindo em torno da Web 3.0 que podem permitir que as pessoas possuam seus dados. Se a Web 1.0 introduziu uma nova plataforma global para consumo digital e a Web 2.0 permitiu redes sociais e feedback orientado pelo usuário, a Web 3.0 representa o surgimento de uma Web “inteligente” distribuída enraizada em tecnologias blockchain.

Leia mais:

Leia mais em: Entenda o que é Web3 e tudo o que é preciso saber sobre o conceito

Criada pela primeira vez em 2014 por Gavin Wood (co-fundador da blockchain Ethereum), a “Web 3.0” é concebida como uma versão aberta e descentralizada da internet. Os defensores da Web 3.0 geralmente a descrevem como uma internet “sem confiança” – livre da dominação de um punhado de grandes empresas. A esperança é que as tecnologias de contabilidade distribuída (DLTs) e o armazenamento no blockchain impulsionem uma revolução de dados.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Claro, nem todo mundo adora a ideia da Web 3.0. No ano passado, o fundador do Twitter, Jack Dorsey, criticou o entusiasmo em torno da Web 3.0, sugerindo que os verdadeiros corretores de poder no espaço são de fato empresas de capital de risco. Analistas do setor de tecnologia foram rápidos em responder que modelos de negócios de plataforma como Twitter e Facebook são precisamente os tipos de modelos de negócios que as empresas da Web 3.0 estão procurando substituir.

A maioria dos aplicativos de internet que usamos hoje são centralizados, ou seja, são de propriedade e monetizados por um número muito pequeno de empresas de plataforma. Por exemplo, quando usamos um serviço baseado em nuvem como o Google Docs, damos explicitamente permissão ao Google para acessar todas as informações em nossos documentos para monetizar essas informações. Para muitos críticos desse modelo, a Web 3.0 representa um tipo diferente de internet. Em vez de todos os usuários estarem conectados a uma rede central ou “servidor”, os dados podem ser armazenados e gerenciados localmente, em um ecossistema de dados altamente distribuído.

Assim como aplicativos de software como JavaScript e HTML5 permitiram a ascensão do Facebook, Amazon, Uber, Alibaba e Tencent, novas tecnologias e novas empresas de software podem tornar obsoletos muitos desses modelos de negócios centralizados. Em vez de depender de serviços de plataforma (Web 2.0), aplicativos blockchain distribuídos (Web 3.0) significaria que novos provedores poderiam alavancar dados legíveis por máquina e software de aprendizado de máquina para refazer o comércio eletrônico no nível da infraestrutura.

Uma empresa que ilustra os tipos de novas ferramentas que estão surgindo com a Web 3.0 é a InfStones, com sede nos Estados Unidos. Operando como uma ponte entre as tecnologias blockchain, o InfStones simplifica o processo de construção, dimensionamento e proteção de aplicativos da Web descentralizados (DApps). Ao fornecer um API Gateway e infraestrutura baseada em nós, a tecnologia InfStones suporta dezenas de milhares de nós em mais de 60 protocolos blockchain. Já trabalhando com nomes proeminentes da indústria como Binance, Polygon, Circle e Chainlink, a InfStones fechou recentemente uma rodada de financiamento de US$ 66 milhões (R$ 367 milhões) liderada pelo SoftBank Vision Fund 2 e GGV Capital.

Leia mais: Por que estão surgindo tantas empresas de Web3?

Na verdade, há uma ampla gama de jovens empresas empreendedoras nos Estados Unidos e em todo o mundo que estão trabalhando para tornar a Web 3.0 uma realidade. Liderando o esforço financeiro para construir essa nova indústria está a empresa de capital de risco Andreessen Horowitz (também conhecida como A16z). A VC com sede no Vale do Silício investiu bilhões em empresas de blockchain até o momento e planeja levantar US$ 3,5 bilhões (R$ 18,89 bilhões) para seu mais recente fundo de risco de criptomoedas. A empresa também está lançando um laboratório de pesquisa industrial que visa resolver grandes problemas no espaço da Web 3.0.

A Web 3.0 poderia permitir o surgimento de uma infraestrutura de dados altamente distribuída na qual os usuários possuem e controlam seus próprios dados? Muitos desenvolvedores de tecnologia parecem pensar assim. Mas as dúvidas permanecem. A cobertura da mídia sobre criptomoedas e o espaço blockchain como um todo azedou. Preocupações com a iminente recessão do consumidor estão tornando as empresas de tecnologia muito menos atraentes para os investidores. No entanto, as empresas de tecnologia ainda estão entre as empresas mais ricas do mundo. E muitos investidores em tecnologia continuam ansiosos para financiar novas inovações.

Além da Web 2.0, as mudanças virão. Unindo tecnologia e privacidade pessoal, uma internet verdadeiramente distribuída pode um dia permitir que os usuários gerenciem e monetizem seus dados pessoais, enquanto acessam um oceano de serviços digitais em blockchains públicos. Talvez essa terceira geração de serviços de internet seja o catalisador de uma nova internet, conectando tecnologias orientadas a dados, como inteligência artificial e aprendizado de máquina, a ecossistemas de dados completamente distribuídos.

Claro, há um longo caminho a percorrer para desenvolver uma internet verdadeiramente descentralizada. Os requisitos de arquitetura para a Web 3.0 sozinhos são muito mais complexos do que a arquitetura atual da Web 2.0. O grande número de nós envolvidos no desenvolvimento de uma infraestrutura Web 3.0 verdadeiramente descentralizada é difícil de avaliar completamente. No entanto, o financiamento de VC para startups de blockchain está se expandindo. Na verdade, o financiamento de risco no ano passado atingiu US$ 25,2 bilhões (R$ 136 bilhões), um aumento de 713% em relação aos US$ 3,1 bilhões (R$ 16,73 bilhões) em 2020. Essa é uma boa razão para ter esperança.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: