Com produção local, Acer foca em tecnologia orientada ao ESG

Germano Couy, general manager para a América Latina da empresa, fala sobre a produção nacional de uma nova linha e os projetos em tecnologia sustentável

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:
Divulgação Acer

Germano Couy, gerente geral da Acer na América Latina

Acessibilidade


A Acer anunciou o início da produção nacional do Aspire Vero, notebook sustentável. Mais do que um lançamento, a linha, que conta com uma campanha global, marca uma nova fase da companhia do ponto de vista de sustentabilidade. A concepção do modelo veio da ideia de ser o primeiro device dentro da plataforma Earthion, missão da Acer para ajudar a enfrentar os desafios ambientais da atual geração por meio de soluções inovadoras e integradas.

Leia mais: Como a Acer quer dominar o mercado de notebooks gamers

“É uma satisfação imensa trazer a produção do Aspire Vero para o Brasil. No país, a versão importada do Vero já está disponível para compra, mas a produção local traz um novo momento da marca em território nacional, com o maior reforço de ações e posicionamentos sustentáveis da companhia”, afirma Germano Couy, Gerente Geral da Acer na América Latina. À Forbes Brasil, ele fala sobre a aceitação dos consumidores para linhas verdes na tecnologia e o que representa essa nova fase da empresa.

Forbes Brasil – O que esse lançamento representa para a companhia?
Germano Couy – O lançamento global representa uma visão amplificada de sustentabilidade, associado ao ESG que já tem sido promovido pela corporação e executado em todo o mundo. O início da fabricação nacional do device representa um novo momento para a Acer, que acredita no engajamento do mercado brasileiro nas práticas de sustentabilidade. Com a produção local, vamos conseguir custos mais acessíveis. Isso traz um marco nesse sentido, mostrando e reforçando os pilares da Acer e nossas ações para preservar o meio ambiente como a redução de carbono, conscientizando as gerações futuras, além de promover acesso à tecnologia sustentável.

FB – O quanto os consumidores da Acer (e do uso doméstico e home office no geral) estão demandando por produtos mais sustentáveis?
Couy – A mudança de comportamento do consumidor em relação a produtos sustentáveis tem sido uma crescente há algum tempo, assim como comprova um levantamento da Economist Intelligence Unit (EIU), que mostrou que a busca na internet por produtos “verdes” cresceu 71% nos últimos 5 anos. Para promover ações, concepção de produtos e posicionamentos, a Acer observa essas mudanças e dados e ouve seus clientes para direcionamentos mais assertivos. Além do comportamento do nosso público, consideramos dados globais sobre meio ambiente e sustentabilidade, que independente de companhia, empresa, indústria ou outros fatores, mostram a importância das ações necessárias, de cada um de nós.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Leia mais: Mineiro recoloca Acer nos trilhos com novo portfólio

FB – O que muda no processo de produção e comercialização de um produto como este?
Couy – O diferencial no processo de produção do Aspire Vero é que ele possui 30% do chassi feito por plástico reciclado pós-consumo (PCR). Essa ação fez com que a Acer reduzisse pelo menos 21% das emissões de CO2 durante a produção em outros países do mundo, o que também buscaremos no Brasil. A tela e teclado também seguem na mesma linha, sendo os materiais da tela mais de 99% recicláveis e o teclado retro iluminado por composto 50% de PCR. Além disso, outra vantagem do produto é a disposição de espaço extra e parafusos padrão, oferecendo mais facilidade na substituição de alguns componentes. A ideia é que a máquina tenha uma vida útil maior se comparada com outros notebooks, contribuindo, assim, para o menor descarte de lixo eletrônico. Outro destaque é a embalagem 100% reciclável, que inclusive oferece funcionalidades, como um suporte para que a máquina fique inclinada, proporcionando melhor posição para digitação, aumentando a ventilação e consequentemente, reduzindo o consumo de energia.

FB – Pode dar um panorama de como o consumo de equipamentos para uso doméstico e home office está se comportando? Se possível nos trazer alguns números?
Couy – No ano passado, vimos um aumento de 20% das vendas de notebooks e PCs, se comparado a 2020. Segundo o IDC e nossa experiência como fabricantes, esse aumento veio por conta do home office, com a necessidade de as empresas equiparem funcionários e colaboradores para a continuidade do trabalho, mesmo durante a pandemia de Covid-19 e do período mais restrito de isolamento domiciliar. Além disso, durante o período, vimos as pessoas se reinventarem e começarem a empreender, trazendo também a necessidade de um notebook para os negócios. Hoje, vemos uma diminuição nesse consumo, sendo este um movimento natural, mas também vemos que o notebook, por exemplo, retomou seu lugar de importância na vida cotidiana de trabalho, pois as pessoas viram que o celular, por exemplo, não é suficiente para se ter agilidade e precisão em várias tarefas, o que é oferecido pelo PC ou desktop.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: