Alto custo do milho faz Brasil olhar para trigo como substituto na ração animal

Nacho Doce/File Photo/Reuters
Nacho Doce/File Photo/Reuters

O trigo poderia substituir 100% do milho na alimentação de suínos e aves

Uma alta expressiva no preço do milho tem feito com que grandes frigoríficos brasileiros olhem para o trigo como um substituto do ingrediente na ração animal, de acordo com um representante da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal).

Francisco Turra, que preside o conselho consultivo da entidade, disse hoje (23) à Reuters na que a demanda das empresas de carne está levando a um aumento nas intenções de plantio de trigo no Rio Grande do Sul.

LEIA TAMBÉM: Importações de milho e trigo pela China têm nível recorde em 2020

O trigo poderia substituir 100% do milho na alimentação de suínos e aves, disse ele. A indústria de carne fornece ração para os criadores de animais integrados.

Citando dados da Farsul (Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul), Turra disse que a área a ser plantada com trigo e outras culturas de inverno em 2021, a partir do próximo mês, pode crescer de 1 milhão de hectares para 1,4 milhão de hectares no estado.

“A JBS e a BRF já anunciaram que vão comprar safras de inverno como trigo, triticale e cevada para usar como ração”, disse Turra. Ele afirmou que essas empresa já fizeram negócios para entrega futura.

A JBS e BRF não responderam a pedidos de comentários.

Os contratos futuros do milho nos EUA atingiram seu maior nível em quase oito anos esta semana na bolsa de Chicago, impulsionados por preocupações com a produção do milho de segunda safra no Brasil. O tempo frio nos EUA, que afeta a germinação da safra de 2021 do cereal, também ajudou a elevar os preços.

Os altos preços e os atrasos na segunda safra de milho do Brasil têm pressionado as margens dos frigoríficos, levando algumas empresas a buscar suprimentos no Paraguai e na Argentina enquanto a oferta está restrita no Brasil.

Esta semana, o governo suspendeu temporariamente tarifas de importação de soja e milho de países fora do Mercosul, o que significa que o Brasil também poderia importar milho de nações como EUA e Ucrânia.

No entanto, com a “paridade de importação” acima de US$ 30 por tonelada, comprar milho de fora do Mercosul ainda não faz sentido economicamente, disse um trader.

Usar o trigo como ração animal é comum no Canadá e na Rússia, que não produzem nem importam o milho, disse Turra, que foi Ministro da Agricultura entre 1998 e 1999.

Além de ser uma alternativa para frigoríficos nacionais, o trigo na ração poderia ainda alavancar o potencial produtivo das lavouras no Rio Grande do Sul, que produz apenas 1,09 safra de grãos por ano, enquanto alguns Estados brasileiros produzem três.

Segundo dados da Farsul, a área plantada com culturas de verão no Rio Grande do Sul monta a 6,6 milhões de hectares, cerca de seis vezes maior que a área destinada às culturas de inverno. (Com Reuters)



Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).