CMN aprovou medidas para estimular plantio de milho no Brasil, diz ministério

Propostas incluem oferta de mais crédito e mecanismos de apoio à comercialização para apoiar os agricultores no incremento da produção do cereal.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Lukas Fricke/Reuters
Lukas Fricke/Reuters

A oferta interna de milho está escassa antes da entrada da segunda safra, a maior do país, em junho

Acessibilidade


Medidas para estimular o plantio de milho na próxima safra (2021/2022) foram aprovadas na ontem (29) pelo CMN (Conselho Monetário Nacional), em momento em que o país lida com preços recordes do cereal que elevam custos da indústria de carnes, informou o Ministério da Agricultura.

As propostas, que incluem a oferta de mais crédito e mecanismos de apoio à comercialização para apoiar os agricultores no incremento da produção do milho e também do sorgo, foram encaminhadas ao ministério, segundo nota na noite de quinta-feira.

VEJA TAMBÉM: Milho fecha sem direção comum em Chicago, enquanto soja cai e trigo sobe

“As medidas são uma resposta à forte demanda mundial por alimentos e à desvalorização do real, que seguem dando impulso às exportações de grãos do país. Desta forma, reduziu a disponibilidade local de produtos básicos e insumos para ração animal”, disse o diretor de Crédito e Informação, da Secretaria de Política Agrícola do ministério, Wilson Vaz de Araújo.

As exportações têm sido relativamente fracas desde fevereiro, já que a oferta interna está escassa antes da entrada da segunda safra, a maior do país, em junho. Em geral, os embarques para o exterior são mais fortes no segundo semestre.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Diante disso e com a demanda interna firme, os preços estão renovando máximas históricas no mercado brasileiro. O indicador do milho da Esalq está perto de bater R$ 100 a saca.

Ainda segundo o ministério, o CMN decidiu aumentar o limite de financiamento de custeio, a partir de 1º de julho deste ano, de R$ 3 milhões para R$ 4 milhões por produtor, para a produção de milho e de sorgo.

Também a partir de 1° de julho, os médios produtores poderão ter acesso ao custeio para plantio dos dois cereais, no limite de R$ 1,75 milhão, versus R$ 1,5 milhão anteriormente.

Outra medida permite, excepcionalmente, no âmbito da fonte de recursos obrigatórios, o Financiamento para Garantia de Preços ao Produtor (FGPP) para a aquisição de milho e de sorgo, limitado a R$ 65 milhões por beneficiário, admitindo o preço de mercado como referência ao invés do preço mínimo, disse o ministério. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: