Com a safra de Mato Grosso, Anec mantém exportação de milho do Brasil para 2021

Roberto Samora/Reuters
Roberto Samora/Reuters

O diretor-geral da associação, Sérgio Mendes, disse que suas estimativas desde o início da temporada já indicavam embarques menores na comparação com 2020

Apesar da seca, a Anec (Associação Nacional dos Exportadores de Cereais) não vê motivos ainda para reduzir sua expectativa de exportação de milho do Brasil em 2021, que segue em 32 milhões de toneladas, abaixo das 33,6 milhões do ano passado, uma queda anual mais em função de um atraso na safra.

O diretor-geral da associação, Sérgio Mendes, disse que suas estimativas desde o início da temporada já indicavam embarques menores na comparação com 2020, uma vez que o atraso do ciclo da soja e, consequentemente, do milho resulta em uma menor janela de tempo para a exportação.

LEIA MAIS: Anec confirma previsão de queda na exportação de soja em maio, depois do recorde de abril

Hoje (5), ele afirmou que “pelo cenário atual (da safra) ainda dá para manter os números (de exportação), mas de qualquer forma mais baixos (que 2020)”.

Analistas privados têm realizado cortes expressivos, de cerca de 5 milhões de toneladas na segunda safra de milho do Brasil, citando problemas da estiagem prolongada. Alguns já veem exportações menores do que o esperado anteriormente.

“Se tiver uma quebra muito grande, a ponto de reduzir significativamente a quantidade total, aí vou concordar com o pessoal, aí teríamos problemas sim para exportar”, comentou.

Segundo Mendes, a exportação brasileira poderia cair até 30 milhões de toneladas, mas considerando ainda a questão do atraso da safra, e não a seca.

“Por enquanto acho muito cedo para falar em uma quebra de tal monta que influenciaria as exportações, vai ter influência mais pela janela do que pela quebra de safra.”

Ele comentou ainda que a perda deve influenciar mais imediatamente o mercado interno, em referência a algumas áreas produtoras de aves e suínos que produzem pouco milho e têm que trazer de outros Estados ou países.

No caso do milho para exportação, ele ressaltou que o fato de a safra de Mato Grosso estar em melhores condições do que em outros Estados garante certa estabilidade nas projeções de vendas externas por enquanto.

Ele destacou que o Mato Grosso tem melhor logística para exportação, como ferrovia até o porto de Santos, além do corredor que leva até hidrovia no Pará, o que viabiliza a saída pelo Norte a valores logísticos também competitivos.

“No caso do milho, 50% do escoamento do milho sai por Santos. Por quê? Porque vem de Mato Grosso tudo por via férrea”, afirmou, apontando que no ano passado as exportações do cereal pelo porto paulista representaram 14,5 milhões de toneladas.

A safra de milho 2020/21 de Mato Grosso deverá atingir 34,6 milhões de toneladas, previu nesta semana o Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária), reduzindo apenas ligeiramente sua estimativa em relação ao mês anterior.

Mendes destacou ainda que o câmbio ainda garante competitividade do milho brasileiro, apesar de disparada dos preços no mercado interno.

RECORDE PARA SOJA?

Sobre a soja, cuja estimativa de produção tem sido revisada para cima após a finalização, ele disse que as condições estão propícias para o país bater um recorde.

“Quem sabe batemos”, afirmou ele, ao ser que questionado, dizendo que ainda é cedo para cravar um número.

Ele estimou, contudo, que a exportação em 2021 poderia ficar entre 82 milhões e 83 milhões de toneladas, versus 82,27 milhões de toneladas em 2020 e uma máxima histórica de 2018 de 82,88 milhões de toneladas, segundo dados da Anec. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).