Controlador da Marfrig, Molina diz agora que poderá buscar um assento no conselho da BRF

Embora a Marfrig esteja dedicada à produção de carne bovina, a companhia já foi proprietária de fábricas de carnes suína e de frango.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

A produtora de carne bovina Marfrig Global Foods tentou adquirir o controle da rival Minerva

Acessibilidade


A produtora de carne bovina Marfrig Global Foods tentou adquirir o controle da rival Minerva antes de anunciar, na noite de sexta-feira (21), a aquisição de uma fatia na processadora de carnes suína e de frango BRF, disse hoje (24) à Reuters uma pessoa com conhecimento do assunto.

A fonte, que pediu para não ser identificada, afirmou que as negociações foram interrompidas na semana passada, após a Marfrig assumir a participação na BRF, por preocupações com possíveis problemas com o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

LEIA MAIS: Marfrig propôs compra do controle de rival Minerva

Ainda assim, as negociações entre Marfrig e Minerva – ambas focadas na produção de carne bovina – jogam nova luz sobre a insistência do executivo Marcos Molina, fundador da Marfrig, de que o negócio com a BRF é apenas uma estratégia passiva de investimento que visa a diversificação em seu portfólio de proteínas.

A Marfrig preferiu não comentar sobre as conversas com a Minerva. Já a Minerva não comentou imediatamente o assunto.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As negociações entre Marfrig e Minerva foram inicialmente reportadas hoje pelo site Brazil Journal. As ações da Minerva subiam 2% nesta sessão da B3.

A Marfrig revelou na sexta-feira ter adquirido uma participação de 24% na BRF, mas disse que a manterá como um investimento passivo pelo menos por este ano.

Em uma entrevista publicada hoje pelo jornal Valor Econômico, Molina – controlador da Marfrig – disse que poderá buscar um assento no conselho da BRF na assembleia de acionistas do ano que vem, mas que no momento não fará pressão por representação.

Molina também disse que sua intenção não é fundir as companhias, e que a aquisição da fatia de cerca de US$ 800 milhões na BRF será paga com a geração de caixa da Marfrig.

A Marfrig confirmou à Reuters as declarações de Molina ao jornal.

As ações ordinárias da Marfrig recuavam 3% no pregão de hoje na B3.

Embora atualmente a Marfrig esteja exclusivamente dedicada à produção de carne bovina, a companhia já foi proprietária de fábricas de carnes suína e de frango, comercializando produtos sob a marca Seara até 2013, quando vendeu a empresa à rival JBS para reduzir seu endividamento.

“Em nossas conversas com investidores, parte deles demonstrou ceticismo em relação ao investimento da Marfrig na BRF, dado seu histórico com a Seara”, disseram os analistas Victor Saragiotto e Felipe Vieira, do Credit Suisse, em nota enviada hoje a clientes.  (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: