Excedente mundial de cacau pode chegar a 165.000 toneladas em 2020/21

O maior produtor Ivory Coast deverá produzir um recorde de 2,225 milhões de toneladas.

Redação
Compartilhe esta publicação:
 Jeremy Horner/Getty Images
Jeremy Horner/Getty Images

A ICCO estimou que havia um superávit global marginal de cacau de 10.000 toneladas em 2019/20

Acessibilidade


A ICCO (Organização Internacional de Cacau, na sigla em inglês) – ao citar hoje (31) condições de produção favoráveis – prevê um excedente mundial de cacau de 165.000 toneladas na temporada 2020/21 (outubro/setembro), acima do previsto anteriormente de 102.000 toneladas.

O órgão intergovernamental, numa atualização trimestral, projetou um avanço na produção acima do previsto anteriormente de 6,3% na temporada, para 5,02 milhões de toneladas, enquanto as moagens estavam previstas para avançar 3% para 4,81 milhões.

LEIA MAIS: Brasileiro está comendo mais chocolates, enquanto a produção de cacau é insuficiente para o mercado

“A temporada 2020/21 tem testemunhado até agora condições de cultivo favoráveis, ​​que são um bom presságio para a produção de cacau. Como resultado, prevê-se uma produção recorde global”, disse a ICCO, com sede em Abidjan.

O maior produtor Ivory Coast deverá produzir um recorde de 2,225 milhões de toneladas, alta de 75.000 toneladas ante a expectativa anterior da ICCO, divulgada em fevereiro.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A ICCO disse que a demanda por cacau deve se recuperar na temporada 2020/21, à medida que os efeitos negativos da pandemia de Covid-19 começam a diminuir, mas provavelmente permanecerá abaixo dos níveis pré-pandêmicos.

A organização estimou que havia um superávit global marginal de cacau de 10.000 toneladas em 2019/20. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: