Importações de soja pela China aumentam 11% em abril com chegada de cargas atrasadas

Wenderson Araujo/Trilux/CNA
Wenderson Araujo/Trilux/CNA

Chuvas no Brasil atrasaram a colheita e exportação de sua soja para a China

As importações de soja pela China em abril aumentaram 11% em relação ao mesmo mês do ano anterior, impulsionadas pela chegada de algumas cargas brasileiras atrasadas, mostraram dados alfandegários de hoje (7).

A China, maior importador mundial de soja, desembarcou 7,45 milhões de toneladas da oleaginosa em abril, ante 6,71 milhões de toneladas um ano antes, segundo a Administração Geral de Alfândegas.

LEIA MAIS: Importações de minério pela China caem em abril ante março

“Foi um número bastante forte devido aos atrasos que vimos no Brasil este ano”, disse Darin Friedrichs, analista sênior da StoneX, após a divulgação dos dados.

“As importações de maio devem ser ainda mais fortes, já que o pico dos embarques do Brasil deve estar chegando agora.”

O Brasil exportou um volume mensal recorde de soja em abril, de mais de 17 milhões de toneladas, segundo dados do governo brasileiro.

Os processadores chineses aumentaram as compras de soja dos principais exportadores do Brasil e dos Estados Unidos nos primeiros meses de 2021, esperando uma demanda maior à medida que o rebanho suíno do país se recupera.

As chuvas no Brasil, no entanto, atrasaram a colheita e exportação de sua soja, resultando em uma queda acentuada nos embarques para a China em março. Os importadores se voltaram para os Estados Unidos para preencher a lacuna.

Os embarques brasileiros devem aumentar e dominar o mercado chinês de abril até o final do ano, disseram traders e analistas.

LEIA MAIS: Por causa da China, exportação de soja do Brasil deve cair em maio, prevê AgRural

“As importações de abril ficaram abaixo das expectativas do mercado, já que atrasos no Brasil ainda afetaram as chegadas no mês”, disse Zou Honglin, analista do site de comércio Myagric.com.

Nos primeiros quatro meses do ano, a China trouxe 28,63 milhões de toneladas de soja, um aumento de 17% em relação ao mesmo período do ano anterior, mostraram dados.

As margens de esmagamento da soja caíram para território negativo no final de março, quando um novo surto de peste suína africana e o aumento do uso de trigo na ração prejudicaram o apetite por farelo de soja.

As margens melhoraram nas últimas semanas, à medida que a demanda se recuperou, embora permaneçam contidas pelo aumento nos preços internacionais da soja.

“Esperava-se que a demanda (em abril) aumentasse em 10-15% em relação a março, principalmente da suinocultura”, disse um gerente de uma processadora no sul da China, falando antes da divulgação dos dados.

“Mas ainda estamos perdendo dinheiro (esmagando a soja)”, pois o preço da matéria-prima está muito alto, disse o gerente, que não quis ser identificado por não ter autorização para falar com a mídia.

LEIA MAIS: Datagro reduz projeção da safra de milho 2020/21 a 105,46 milhões de toneladas e eleva a safra de soja

A China também trouxe 3,8 milhões de toneladas de óleos vegetais durante o período janeiro-abril, um aumento de 47,4% em relação ao ano anterior, mostraram dados alfandegários. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).