Preços da carne suína sobem na China com menor quantidade de animais para abate

Stringer/Reuters
Stringer/Reuters

Criação de suínos em Fuyang, na China

Os contratos futuros do suíno vivo negociados na China avançaram mais de 5% hoje (25), apoiados por preços mais altos no mercado “spot” e pela menor quantidade de animais pesados enviados para abate, disseram analistas.

Os preços do suíno vivo na bolsa de commodities de Dalian fecharam em alta de 5,3%, a 18.925 iuanes (US$ 2.932,84) por tonelada. Mais cedo, chegaram a atingir a marca de 18.940 iuanes, maior nível em uma semana.

LEIA TAMBÉM: Colheita de soja da Argentina é concluída com 43,5 milhões de toneladas, diz bolsa de cereais

“Parece que o número de grandes suínos para abate está diminuindo, então os preços do porco começaram a se recuperar nos últimos dias”, disse o diretor de pesquisas da China-America Commodity Data Analytics, Yuan Song.

Anúncios recentes realizados por entidades estatais chinesas também deram uma dose de confiança ao mercado, acrescentou Song.

Na semana passada, a agência estatal de planejamento da China pediu que produtores de suínos do país mantenham a capacidade de produção em níveis razoáveis, acrescentando que vai “monitorar de perto a produção de suínos e as tendências de preços no mercado” e “conduzir ajustes de reservas de forma apropriada”.

Após a publicação do comunicado da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC, na sigla em inglês), a associação da indústria de produção de animais do país – que possui apoio do governo – pediu que os suinocultores não entrem em pânico. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).