Próximas geadas levam mais riscos às já comprometidas safras de milho e trigo do Paraná

Eduard Korniyenko/Reuters
Eduard Korniyenko/Reuters

Piora na qualidade de milho e trigo é resultado de safra que sofreu com estiagem e geada na mesma temporada

As lavouras de milho segunda safra 2020/21 e trigo do Paraná tiveram piora na qualidade ao longo da última semana, em meio a problemas climáticos, e novas geadas previstas para esta semana impõem riscos para as áreas dos cereais que não estão em fase final de desenvolvimento, informou o Deral (Departamento de Economia Rural) hoje (27).

Mais da metade do milho “safrinha” (52%) do Paraná, segundo produtor de cereal no país, está em condições ruins, ante 46% na semana anterior. As lavouras consideradas boas passaram de 10% para 9% no comparativo semanal –o restante está em situação média.

LEIA TAMBÉM: Boi com blockchain é a nova aposta da Marfrig para monitorar a cadeia da carne

Segundo o analista do Deral Edmar Gervásio, a piora na qualidade do milho é decorrente das adversidades climáticas. A safra sofreu com estiagem e geada nesta temporada, especialmente o frio intenso do final do mês passado.

“As geadas do dia 30 de junho afetaram significativamente o milho segunda safra, se tivermos formação de geada nos próximos (dias) poderá gerar impactos, se gerar, muito pontualmente”, afirmou Gervásio, acrescentando que as geadas da semana passada não impactaram tanto o milho.

Para amanhã (28) e quinta-feira (29), novas geadas estão previstas para a maior parte do Paraná, segundo o Simepar (Sistema Meteorológico do Paraná).

Ainda estão suscetíveis a perdas pelo frio excessivo as lavouras que não chegaram à fase de maturação, sendo 16% em frutificação e 3% em floração, notou Gervásio.

A colheita de milho segunda safra atingiu 7% das áreas, aumento de 3 pontos percentuais na semana, mas 10 pontos atrás do registrado um ano antes, conforme o levantamento do órgão estadual. O avanço dos trabalhos ajuda a mostrar os reais impactos do clima.

TRIGO

Caso as geadas desta semana se confirmem, o prejuízo pode se tornar também significativo para o trigo –essa safra, por estar em fase inicial, sofreu menos até agora em função do frio.

No entanto, de acordo com o analista do Deral Carlos Hugo Godinho, mais de um quarto das lavouras do cereal de inverno no momento estão expostas a danos por geadas.

VEJA MAIS: Anec confirma previsão de exportações menores de soja e milho do Brasil em julho

Na quinta-feira (29), segundo o Simepar, a previsão é de geada forte na maior parte do Estado, o principal produtor de trigo do Brasil.

“Isso preocupa bastante se realmente for na abrangência que está se esperando essas geadas”, afirmou.

Ele acrescentou que uma pequena parte das áreas foi afetada pelo frio extremo da semana passada, algo que não deve ter impacto significativo para a produção neste momento, mas que pode se agravar caso as áreas atravessem novas geadas.

Neste cenário, 90% do trigo ainda é considerado bom pelo Deral, porém este percentual era de 95% uma semana antes. As áreas em condições médias passaram de 5% para 8%, e 2% das lavouras foram classificadas como ruins.

Na quinta-feira, o departamento deve divulgar um levantamento mais detalhado que indicará os efeitos das geadas para os cultivos do Paraná. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).