BRF e AES Brasil se juntam para construir parque eólico no Nordeste

A unidade terá capacidade instalada de 160 MWm, gerando 80 MWm a serem comercializados com a BRF

Redação
Compartilhe esta publicação:
Rodolfo Buhrer/Reuters
Rodolfo Buhrer/Reuters

O investimento estimado para o desenvolvimento do parque eólico da BRF e AES é de aproximadamente R$ 5,2 milhões por MW instalado

Acessibilidade


A AES Brasil Energia e a companhia de alimentos BRF anunciaram hoje (17) a formação de uma joint venture com controle compartilhado para a construção de um parque eólico para autogeração no Complexo Eólico Cajuína, Rio Grande do Norte.

A unidade terá capacidade instalada de 160 MWm, gerando 80 MWm a serem comercializados com a BRF por meio de contrato de compra e venda de energia de 15 anos.

LEIA TAMBÉM: IGP-10 acelera alta em julho com efeito de geadas e secas, diz FGV

O investimento estimado para o desenvolvimento do parque eólico é de aproximadamente R$ 5,2 milhões por MW instalado.

A BRF disse que investirá diretamente o valor aproximado de R$ 80 milhões, a ser desembolsado durante o desenvolvimento do projeto, com início das operações previsto para 2024.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“O projeto está em consonância com a Visão 2030, com a política de sustentabilidade da companhia e com compromisso de se tornar Net Zero em emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2040, tanto em suas operações como em sua cadeia produtiva”, disse a BRF.

Com a parceria, destacou a BRF, a companhia atenderá cerca de um terço de suas necessidades energéticas no Brasil, e evolui com sua meta de chegar a 2030 com mais de 50% da matriz energética proveniente de fontes renováveis, “além de mitigar riscos de escassez de abastecimento e operar com custos mais competitivos”.

Já a AES Brasil disse que o empreendimento reforça sua estratégia de crescimento e diversificação de portfólio por meio de desenvolvimento de “projetos de fontes complementares à hídrica e com contratos de longo prazo e com retornos consistentes”. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: