Conab faz novo corte na safra de milho do Brasil e reduz exportações de soja

A estatal citou embarques menores de soja em julho para reduzir a projeção de exportação para o ano no país

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Roberto Samora
REUTERS/Roberto Samora

A estatal citou embarques menores de soja em julho para reduzir a projeção de exportação para o ano no país

Acessibilidade


O Brasil exportará menos milho e soja do que o esperado em 2020/21, estimou a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) hoje (10), ao reduzir mais uma vez a projeção de safra do cereal, atingido na temporada por seca e geadas.

No caso da soja, cuja colheita já foi encerrada, a Conab fez ligeira alta na projeção, apontando a produção em máxima histórica de 135,98 milhões de toneladas.

Mas a estatal citou embarques menores de soja em julho para reduzir a projeção de exportação para o ano no país, maior produtor e exportador da oleaginosa.

LEIA MAIS: São Martinho tem lucro líquido de R$ 190,1 milhões no 1º trimestre fiscal de 2021/22

Segundo a Conab, as exportações brasileiras de soja somaram aproximadamente 66,22 milhões de toneladas de janeiro a julho, volume 2,51 milhões de toneladas, inferior ao exportado no mesmo período de 2020.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Por este motivo as exportações (em 2021) anteriormente estimadas em 86,69 milhões de toneladas passam a ser de 83,42 milhões de toneladas, podendo ser ainda menores caso as exportações dos próximos cinco meses não apresentem um incremento”, disse a companhia.

A produção de soja do Brasil cresceu quase 9% em 2020/21 ante a temporada passada. No caso do milho, a produção foi atingida por intempéries, e a Conab reduziu novamente a projeção da segunda safra, a principal do país, que está sendo colhida ainda.

Com isso, a produção total de milho foi projetada em 87,7 milhões de toneladas, ante 93,38 milhões na previsão do mês anterior, com uma queda anual de 15,5%.

Já a segunda safra foi estimada em 60,3 milhões de toneladas, versus 66,97 milhões na previsão anterior e 75 milhões no ciclo anterior.

Com menor oferta, a Conab reduziu projeção de exportação de milho do Brasil no ciclo para 23,5 milhões de toneladas, ante 29,5 milhões na previsão anterior.

A projeção de importação de milho pelo país foi mantida em 2,3 milhões de toneladas, enquanto a previsão de estoque final foi reduzida mais um pouco, para 5,1 milhões de toneladas. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: