Produção de suínos e de carne da China cairá em 2022, diz especialista do USDA

A produção de suínos no país deve declinar 5% devido a preços baixos e surtos de doenças este ano.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Stringer/Reuters
Stringer/Reuters

Criação de suínos em Huainan, China

Acessibilidade


A produção de suínos da China deve cair 5% em 2022, devido a preços baixos e surtos de doenças em 2021, que levaram a abates e atrasos na reconstrução do plantel, estimou especialista do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA , na sigla em inglês).

A produção de carne suína chinesa, por sua vez, deve diminuir 14% no próximo ano, à medida que menos suínos chegam ao mercado e as políticas aprovadas a limitar as flutuações de preço inadvertidamente afetam a expansão do setor.

LEIA TAMBÉM: Minerva anuncia compra de frigoríficos de ovinos na Austrália em JV com SALIC

A produção de carne suína na China, maior consumidor global do produto, está ligada à demanda por farelo de soja, podendo impactar as importações da oleaginosa, que tem no Brasil o maior exportador global.

Em julho, as importações de soja brasileira pela China caíram 3,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior, diante de dados alfandegários, à medida que margens de esmagamento fracas pesaram sobre a demanda da matéria-prima para ração.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A demanda do setor de proteína animal enfraqueceu-se recentemente, já que as margens dos suínos caíram para território negativo com a redução dos preços dos porcos.

Com uma menor produção de suínos na China, as importações de carne suína aumentarão para 5,1 milhões de toneladas métricas, uma vez que a demanda do consumidor pela proteína excede a produção doméstica, adicionada o representante do USDA.

A produção de bovinos e de carne bovina crescerá lentamente em 2022.

VEJA MAIS: Carvão e coque recuam em Dalian; minério de ferro registra ganhos na semana

“Os altos preços da carne bovina estimular os investimentos de grandes produtores. No entanto, pequenos produtores com genética de rebanho pobre e restrito de espaço continuarão a dominar a produção”, comentou.

As importações de gado ficarão estáveis, em 350 mil cabeças. Já as importações de carne bovina crescerão para chegar a 3,3 milhões de toneladas, mas a um ritmo mais lento, já que os altos preços da carne bovina são compensados ​​por mais fornecedores entrando no mercado. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: