Agricultores de Mato Grosso apostam em chuvas nas próximas semanas para antecipar plantio de soja

Segundo agrometeorologista, modelos indicam que neste ano a chuva chegará mais cedo do que nos anteriores.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Jorge Adorno/Reuters
Jorge Adorno/Reuters

Soja sendo descarregada em caminhão

Acessibilidade


Sojicultores de Mato Grosso, Estado responsável por um quarto de toda a produção brasileira da oleaginosa, planejam aproveitar as chuvas previstas para o final de setembro para dar início ao plantio mais cedo neste ano.

O “timing” do plantio de soja em Mato Grosso é particularmente importante pelo fato de o Estado produzir mais de metade da segunda safra de milho do Brasil – quanto mais tarde a semeadura da oleaginosa ocorre, menor a janela para o cultivo do cereal.

LEIA TAMBÉM: 40 bilionários das cadeias produtivas do agronegócio brasileiro

Segundo o agrometeorologista Marco Antonio dos Santos, modelos indicam que neste ano a chuva chegará mais cedo do que nos anteriores. Ele acrescentou que o mês de outubro trará precipitações regulares para os Estados do Centro-Oeste, mas abaixo da média para o Sul.

O tempo atipicamente seco no ano passado atrasou o plantio de soja em várias semanas, comprometendo a “safrinha” de milho.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Como as chuvas atrasaram em 2020, os produtores tiveram de semear cerca de metade da safra de soja do Estado –o equivalente a cerca de 5 milhões de hectares– nos primeiros 20 dias de novembro, segundo o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Isso significa que os agricultores perderam a janela ideal para a semeadura da segunda safra de milho nos dois primeiros meses de 2021 –uma situação que esperam evitar neste ano, diante da forte demanda por milho para ração animal.

“Se em setembro molhar bem a terra, a gente está com vontade de plantar mais cedo para garantir uma boa safrinha de milho”, disse à “Reuters” o produtor Marcos da Rosa.

A segunda safra de milho do Brasil representa cerca de 70% da produção do cereal no país, mas o atraso de plantio causado pela seca e as geadas subsequentes derrubaram a produção em 2021, elevando os preços internos, aumentando a necessidade de importações e encorajando agricultores a plantar mais no novo ciclo de 2021/22.

O produtor José Soares afirmou que chuvas antecipadas neste ano podem permitir que a semeadura tenha início em 20 de setembro em partes de sua fazenda.

VEJA MAIS: Ministério da Agricultura investiga caso suspeito de vaca louca no Brasil

“A janela ideal para plantio do milho vai de 15 de janeiro a 20 de fevereiro, podendo estender até final de fevereiro”, disse ele. “Por isso a importância de plantarmos a soja cedo, para liberação da área para o plantio do milho segunda safra.”

Todos os anos, o agricultor Cayron Giacomelli se prepara para iniciar o plantio de soja por volta do dia 15 de setembro, quando a temporada começa de maneira oficial, embora isso não tenha sido possível no ano passado.

“Estamos bem otimistas com esta antecipação de chuvas. Isso deixa a gente bem tranquilo para safrinha se realizar com força total”, disse Giacomelli. (Com Reuters)

 

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: