Carne de qualidade: À procura do tal do boi "carcaçudo"

Pecuaristas estão avaliando os animais que produzem para melhorar a entrega aos frigoríficos.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Embrapa/Divulgação
Embrapa/Divulgação

Produtores vão em busca de animais mais eficientes na produção de carne de qualidade

Acessibilidade


“Carcaçudo” é uma palavra que não existe no dicionário, mas todo pecuarista entende o seu significado: boi de qualidade. Carne de qualidade e macia é um produto com mercado garantido em qualquer parte do mundo e os frigoríficos correm atrás desse tipo de produto. Para medir as qualidades dos bovinos que vão para o abate, a Phibro Saúde Animal, da área de saúde e nutrição, a Minerva Foods, uma das maiores empresas frigoríficas do país, e a Biogénesis Bagó, da área farmacêutica e de especialidades biológicas, como vacinas, promovem o PEC (Programa de Eficiência de Carcaça). O projeto começou em 2018.

Nesta quinta (9), os promotores do PEC apresentaram os dados de 2021. Foram avaliados no abate 239.898 bovinos de 718 pecuaristas dos estados de São Paulo, Goiás, Tocantins, Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Nos últimos três anos, o PEC avaliou cerca de 577 mil bovinos abatidos. “Produzir alimentos de qualidade para suprir a crescente demanda mundial é de extrema responsabilidade. Os números do PEC, que crescem ano após ano, comprovam o comprometimento na melhoria constante dos indicadores de eficiência”, diz Mauricio Graziani, presidente da Phibro.

LEIA TAMBÉM: Lista Forbes Agro100: 10 maiores empresas faturam R$ 806,1 bi

Em cada estado onde os animais foram abatidos nas unidades da Minerva, os vencedores são classificados do primeiro ao terceiro lugar, com destaque de um entre todos eles. Neste ano, o grande prêmio ficou com o pecuarista Pedro Waldomiro Guarnieri, de Mogi Mirim (SP). Mais Geraldo Antônio de Rezende Sampaio, que abateu seus animais na unidade de Araguaína (TO); Lúcio Porto de Araújo, com animais entregues em Janaúba (MT); Luis Carlos da Silveira e Loreta Maria da Silveira, em José Bonifácio (SP), e Luiz Regis Galvão Filho, na unidade de Palmeira de Goiás (GO).

“Os mercados estão cada vez mais exigentes, com foco em animais jovens, bem-acabados e com pH menor que 5,79. Estas características contribuem para a produção de uma carne mais macia e suculenta e tornam o mercado bovino brasileiro um dos mais atrativos do mundo”, afirma Fabiano Tito Rosa, diretor de Originação e Eficiência Operacional da Minerva Foods. “Os participantes do PEC têm sido auxiliados a produzir com mais eficiência e qualidade, levando em conta fatores como acabamento de gordura, carcaça uniforme, bom peso de abate, padronização e pH da carne. Todo esse conjunto de melhores práticas na criação permite o acesso a mercados cada vez mais valorizados.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

 

Compartilhe esta publicação: