Embrapa Roraima vê potencial em cultivares de trigo no Cerrado

Equipe avalia adaptabilidade do cereal às condições climáticas do bioma, que tem estações bem definidas.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Julio Albrecht/Embrapa
Julio Albrecht/Embrapa

A Embrapa Roraima estuda três cultivares de trigo para recomendar aos produtores do Cerrado

Acessibilidade


Em janeiro, a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) de Roraima iniciará no CEAB (Campo Experimental Água Boa) o plantio em larga escala de três cultivares de trigo no Cerrado.  O objetivo é avaliar a adaptabilidade das variedades às condições edafoclimáticas (de clima e solo) no bioma que possui parte em Roraima

Anteriormente, a estatal instalou uma unidade de observação em sua Vitrine Tecnológica, localizada em Boa Vista (RR), para testar o desenvolvimento das três cultivares de trigo no Cerrado, bioma caracterizado pela vegetação rasteira e clima com épocas de chuva e seca. Semeadas em dezembro, as variedades do cereal estão “superando as expectativas” dos pesquisadores da Embrapa Roraima e podem se tornar uma alternativa para os produtores de grãos no bioma realizarem a rotação de culturas.

LEIA TAMBÉM: Nova tecnologia da Embrapa vai alertar sobre doenças no algodão e na soja

Conforme a instituição, “as plantas estão com a cerca de 45 dias da germinação, encontram-se na fase de enchimento dos grãos e apresentam um bom potencial produtivo”, mas os testes ainda serão aprofundados através da nova plantação de trigo no CEAB. 

A estimativa é que em um prazo de dois anos a Embrapa Roraima esteja recomendando pelo menos uma cultivar de trigo adaptada às condições de Cerrado. Para atingir tal meta,  a unidade de Roraima trabalha na estruturação de uma rede de pesquisa com as unidades da Embrapa Cerrados e Embrapa Trigo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Recorde  mundial

Em 2021, um produtor de Goiás bateu o recorde de produtividade mundial para o trigo, chegando a média diária de 80,9 quilos por hectare. Segundo a Embrapa, o produtor Paulo Bonato utilizou a cultivar BRS 264, uma das três testadas na Vitrine Tecnológica de Roraima.

Após o feito do goiano, um dos grandes recordes para o agro em 2021,  a Embrapa matriz afirmou que as altas produtividades de trigo no Cerrado “podem levar o Brasil nos próximos anos a ser autossuficiente na produção do grão”.  Atualmente, a produção de trigo está concentrada no Paraná e é insuficiente para suprir a demanda do país, que importou cerca de 6,7 milhões de toneladas em 2021.

“Queremos que em dois anos a cultura avance mais 100 mil hectares no Cerrado — sendo 75 mil em sequeiro e 25 mil irrigado. Para a balança comercial brasileira significa mais 300 mil toneladas de trigo e menos 450 milhões de reais de despesas com importação de trigo”, afirmou Jorge Lemanski, chefe-geral da Embrapa Trigo, na ocasião.

Compartilhe esta publicação: