Qual a importância da agricultura regenerativa para a formação do mercado de carbono

Com a atual tempestade causada pela falta de fertilizantes em todo o mundo, melhorar o manejo do solo se tornou tarefa urgente nas propriedades rurais.

Alberto Acedo
Compartilhe esta publicação:
Alfribeiro_Gettyimages
Alfribeiro_Gettyimages

Manejo da terra pode trazer vantagens para a cadeia produtiva, como a soja

Acessibilidade


O solo foi, é e será a base de sustentação da vida e o motor econômico da atividade humana. No entanto, o conceito de sustentabilidade nem sempre foi aplicado para apoiar o crescimento econômico. A perda de um terço dos solos aráveis ​​do mundo e as mudanças climáticas são dois fatores-chave que contribuem para o movimento da agricultura sustentável, e o reconhecimento dessas questões é o primeiro passo para facilitar e promover a mudança.

Uma avaliação na agricultura global é necessária para girar em direção a alimentos produzidos de forma sustentável para alimentar nossa crescente população. Os conceitos existentes de gestão da terra como “orgânico” ou “biodinâmico” e seus processos de certificação são insuficientes para transformar completamente o agroecossistema, criando um pequeno grupo de elite de qualidade e produção sustentável de alimentos. Inovações tecnológicas que apresentem resultados claros e possam mensurar práticas sustentáveis ​​podem ser uma nova forma de facilitar essa mudança.

LEIA TAMBÉM: O negócio bilionário baseado em agricultura regenerativa da família Scheffer

A agricultura regenerativa tem uma longa história anterior à revolução verde e pode ser aplicada a todos os sistemas agrícolas. A indústria de alimentos e bebidas tem se intensificado para apoiá-lo. Empresas como Pepsi e McDonald’s estão entre as primeiras a anunciar contribuições, liderando a mudança e investindo no poder das agtechs para transformar o movimento da agricultura sustentável. Sem ter um plano claro de como medir exatamente o impacto das práticas regenerativas na saúde do solo, Kiss the Ground e Soil Heroes democratizou o conceito para consumidores e governos como a Comissão Europeia, centrando a saúde do solo como uma missão estratégica central.

Se a agricultura regenerativa é o hardware, os mercados de carbono agrícolas serão o sistema operacional para transformar as receitas dos agricultores rumo à sustentabilidade natural e econômica. Os créditos de carbono não são um conceito novo; por exemplo, eles estão sob regulamentação na indústria de carros elétricos e são um modelo de sucesso para empresas como a Tesla, onde os créditos de carbono representaram quase a totalidade dos lucros em seu primeiro trimestre de 2021.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Modelos começaram a ser testados com pioneiros como o Indigo, com muito interesse para os compradores e três vezes mais valor do que outros, como os créditos de carbono não regulamentados de reflorestamento. Ao usar o poder dos dados agrícolas e das novas tecnologias, empresas, produtores e outros membros da comunidade agrícola em breve poderão se beneficiar desses mercados em crescimento.

No entanto, a grande questão é: quando os governos encontrarão um modelo de crédito de carbono como alternativa às políticas como o PAC (Crédito Agrícola Primário, na tradução), que deixa a desejar quando leva em conta a biodiversidade, o clima, o solo, a degradação da terra e os desafios socioeconômicos? Como eles pretendem regular os impostos de um novo e enorme mercado na agricultura? Como o futuro da tecnologia se encaixa na equação?

Embora emocionante à primeira vista, vários fatores o transformam na tempestade perfeita para alcançar uma mudança rápida para a agricultura sustentável. Devido às interrupções no fornecimento por causa da Covid-19, os preços dos fertilizantes continuam a disparar. Além disso, as tarifas comerciais sobre os preços dos fertilizantes aumentam e a China – um fornecedor global de longa data – interrompe o fornecimento devido à demanda doméstica imediata e ao impacto nas altas emissões. Como resultado, o manejo sustentável da terra é a chave para problemas potenciais duradouros no sistema alimentar.

Quebrar a resistência tradicional à mudança é fundamental para posicionar soluções baseadas na natureza. Os produtores podem se beneficiar do uso das agtechs para obter melhores informações sobre suas práticas agrícolas, o microbioma do solo e a eficiência de seus insumos agrícolas. A agricultura sustentável pode oferecer uma oportunidade para todas as partes interessadas praticarem a precisão e fazerem uso de soluções inovadoras que incluam métodos positivos para a natureza e novas tecnologias. Se assim for, a agricultura tem o poder de transformar e reduzir o tão necessário uso de energia nas fazendas neste milênio.

Os produtores podem tomar várias medidas para explorar métodos positivos para a natureza e novas tecnologias. Primeiro, deve-se avaliar os recursos (por exemplo, mão de obra, equipamentos, construções, animais, colheitas). Em segundo lugar, realizar uma avaliação do local (por exemplo, clima, condições do solo e características físicas). Em seguida, identificar os usos atuais da terra. Depois, definir metas de gerenciamento da fazenda, mapear áreas para melhoria da propriedade e fazer uma avaliação do solo. Finalmente, adotar práticas de manejo sustentável com base na avaliação do solo (por exemplo, novos métodos e tecnologias positivas para a natureza).

_Embrapa
_Embrapa

Análise de solo é fundamental para conhecer suas qualidades e defeitos

Os métodos positivos para a natureza podem incluir práticas agrícolas que trabalham com o ecossistema para permitir que o solo, as colheitas e outros fatores ambientais apoiem os objetivos gerais de gestão da terra. As culturas de cobertura e o plantio direto ganharam muita atenção dos agricultores devido à sua capacidade de se adaptar rapidamente à paisagem e ao potencial de economizar custos de operação da fazenda (por exemplo, água, manejo de fertilizantes, desempenho da cultura e energia na fazenda), além de fornecer renda complementar. Além disso, os produtores podem fazer a transição de insumos convencionais de fertilizantes e explorar aplicações de produtos biológicos.

No entanto, é importante que os agricultores meçam a eficácia desses métodos à medida que fazem essas grandes transições. Já existem plataformas de agtechs que permitem que um proprietário de terras veja como o solo está respondendo a essas novas técnicas e desenvolva maneiras de apoiar seus objetivos agrícolas gerais. Cada fazenda apresenta seu próprio conjunto de desafios referentes ao uso da terra e ao histórico de cultivo, mas medir o impacto de novas práticas de manejo pode garantir que seus serviços ecossistêmicos sejam bem preservados para muitas colheitas futuras.

O solo deve ser devolvido à sua glória natural como a base da vida – impulsionando mudanças sustentáveis ​​na agricultura para sustentar a vida, a biodiversidade e os rendimentos e alimentando o crescimento econômico, enquanto faz parte da solução para as mudanças climáticas. O solo, por meio de sua biodiversidade e serviços ecossistêmicos, está nos fornecendo métricas reembolsáveis ​​para medir a melhoria e o impacto das práticas regenerativas. A agtecnologia forneceu novas perspectivas sobre o solo, serviços ecossistêmicos e todo o potencial que vive em nosso sistema alimentar atual. Solo melhor significa comida melhor e vida melhor.

* Alberto Acedo, cofundador e diretor científico da Biome Makers e convidado da Forbes EUA para a sessão “Forbes Technology Council”, comunidade formada por CIOs, CTOs e executivos de tecnologia de classe mundial.

Compartilhe esta publicação: