Vinhedos estão se moldando ao gosto de um consumidor cada vez mais orgânico

Conheça as modificações pelas quais está passando o Vale do Loire, na França, umas das regiões vinícolas mais famosas do mundo.

Michelle Williams
Compartilhe esta publicação:
Oliver Strewe_Getty
Oliver Strewe_Getty

Produtores do Vale do Loire estão mudando para atender consumidores das novas gerações

Acessibilidade


É uma manhã de final de outubro em Vouvray. O manto de neblina do rio Loire está recuando, revelando a luz do sol velada. O ar está fresco na França, e a temperatura é refrescante. Um curto passeio por uma ladeira íngreme e estreita, o suficiente para fazer o coração bater depois de um croissant e capuccino, nas adegas de cavernas de Clos de Nouys, me leva a um dos vinhedos mais antigos dessa denominação geográfica, datado de 1907, em uma propriedade que tem suas raízes fincadas ao século XV.

No topo da elevação, vejo um campo aberto ligeiramente ondulado, coberto de trepadeiras em ouro fiado, tecido com esmeralda desbotada, rubi flamejante e folhas de safira alaranjada ardente. Pequenos bosques de árvores pontilham a paisagem. O solo é exuberante, rico em gramíneas e ervas de outono. O solo escuro, úmido, vivo. Bem abaixo está a base de Vouvray: solo de tuffeau, um calcário rico em minerais do Cretáceo.

LEIA TAMBÉM: Almoço de Páscoa: como harmonizar vinhos com pratos típicos do feriado

Dentro de Clos de Nouys está Clos du Gaimont, uma pequena área de quatro hectares deste idílico terroir Vouvray. Produzindo vinhos que flertam entre doçura e vivacidade, esta vinha produz alguns dos melhores Chenin Blanc da denominação. Aproveitar esse terroir inigualável em cada taça é responsabilidade do enólogo.

Para homenagear esse terroir, a Domaine Chainier implementou extensas práticas sustentáveis ​​na década de 1990, produzindo vinhos sob a certificação francesa HVE (Haute Valeur Envionmentale) Nível Três. Por décadas a certificação HVE foi suficiente para significar para o consumidor sua filosofia e práticas sustentáveis.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

No entanto, hoje não é suficiente. A certificação orgânica formal é cada vez mais popular no Vale do Loire. Segundo o InterLoire, 62% das adegas e 65% das vinhas estão comprometidas com a certificação ambiental ou agricultura biológica, um aumento de 107% e 140%, respectivamente, desde 2019. Específicos para certificações biológicas, 25% dos domínios e 18% das vinhas em Nantes, Anjou-Saumur e Touraine já possuem certificados orgânicos.

Perguntei aos viticultores de Muscadet Sèvre et Maine a Pouilly-Fumé por que eles estavam se movendo para a certificação. A cada vez a resposta era a mesma: a demanda do consumidor.

Os consumidores americanos da bebida estão solicitando especificamente vinhos orgânicos certificados? Se sim, o que está por trás desse movimento?

A demanda por vinhos orgânicos continua a aumentar

Para entender melhor, conversei com Whitney Schubert, gerente de portfólio francês da Polaner Selections (importador do Domaine Henry Pellé no Loire). Ela disse que, embora os pedidos de vinhos orgânicos dos clientes da cidade de Nova York estejam estáveis ​​há mais de uma década, “a demanda e o interesse em várias interações de agricultura sustentável e vinificação de baixa intervenção só se intensificaram nos últimos anos”. Além disso, os pedidos se expandiram para além da cidade.

Schubert acredita que o movimento do vinho orgânico começou com viticultores ambientalmente conscientes compartilhando suas experiências de adotar práticas orgânicas, biodinâmicas e sustentáveis. À medida que o conhecimento e a qualidade do vinho aumentavam, também aumentavam os pedidos desse tipo de bebida.

Agora, é o aumento da demanda do consumidor que está incentivando mais viticultores a adaptar essas práticas agrícolas. O aumento é impulsionado pela consciência ambiental ou de saúde? “Definitivamente ambos. O que é melhor para a Mãe Terra é melhor para os seres humanos”, diz Schubert.

Os varejistas de vinho estão experimentando o aumento da demanda de vinhos orgânicos em tempo real. Em 2012, a Flatiron Wines and Spirits abriu sua primeira loja de varejo na cidade de Nova York. Desde o início, o cofundador Josh Cohen diz que os vinhos orgânicos têm sido uma parte importante do interesse de seus clientes.

“A Flatiron sempre defendeu pequenos produtores familiares, que abriram o caminho para a agricultura orgânica em muitas regiões. Eles vivem entre as videiras e não querem expor seus filhos e famílias a produtos químicos agressivos. Vinhos feitos com o tipo de atenção aos detalhes que os orgânicos exigem, geralmente estão entre os melhores vinhos de uma região”, afirma Cohen. “Quando os clientes descobrem isso, não há como voltar atrás.”

Com lojas também na costa leste e oeste dos EUA, Cohen tem visto um aumento constante de clientes solicitando especificamente vinhos orgânicos ao longo dos anos. Ele acredita que o consumidor médio entende que orgânico significa o uso de menos intervenção química no processo de vinificação.

LEIA TAMBÉM: Conheça o brasileiro que está dando lições sobre alimentos orgânicos nos EUA

Os consumidores estão escolhendo vinhos orgânicos como parte de um compromisso mais amplo de causar menos danos à terra, aos funcionários das vinícolas e à sua própria saúde.

Os profissionais da indústria vinícola entendem que a certificação orgânica não garante qualidade ou um vinho feito sem manipulação. Para Cohen, esse conhecimento amplia a importância da interface do profissional com os consumidores para orientá-los para vinhos que atendam aos seus valores e gostos.

Pesquisas recentes confirmam essas preferências. Um relatório da Wine Intelligence indica que as vendas de vinhos orgânicos estão em segundo lugar, atrás do vinho natural, em seu Índice de Oportunidade Global, e um relatório de março de 2021 mostra que o vinho orgânico tem uma grande oportunidade de crescimento como categoria entre os consumidores jovens.

Um segundo relatório, da Transparency Market Research, observa que “nos últimos anos, há um aumento na conscientização e popularidade entre os consumidores, especificamente millennials, sobre categorias de produtos de nicho, incluindo alimentos e bebidas naturais e orgânicos”. Seu relatório de setembro de 2021 também observou: “Espera-se que esse fator aumente a demanda por produtos do mercado de vinhos orgânicos nos próximos anos”.

Resposta dos produtores do Vale do Loire

Esta tendência claramente afeta os produtores do Loire. A família Brosseau produz vinhos Muscadet no Domaine de la Foliette, em Muscadet Sèvre-et-Maine, desde a década de 1920. Em 2000, a vinícola tornou-se Terra Vita Certified (outra designação sustentável francesa, semelhante às Regras Lodi da Califórnia, Certified Green ou Sustainability in Practice Certification). Por quase 20 anos, essa certificação foi suficiente para garantir aos bebedores de vinho o compromisso da vinícola com a sustentabilidade na viticultura, vinicultura e relacionamento com os funcionários.

Em 2019, devido à pressão dos exportadores, eles iniciaram os processos de três anos para se tornarem orgânicos certificados. No entanto, a Muscadet é uma uva sensível, e a certificação orgânica rigorosa apresenta desafios e aumenta os custos.

“As mudanças climáticas estão afetando todas as fases da viticultura – brotação precoce, colheita antecipada, mais pressões de doenças, pragas diferentes. Temos que lidar com isso com os meios financeiros que temos”, explica Valentin Denié, gerente de vendas internas e exportação da Domaine de la Foliette. “Terra Vitis é mais adaptável, e orgânico tem suas regras próprias. Se nossos preços subirem, a preferência de nossos clientes por orgânicos pode mudar, então mudaremos também.”

Chateau de la Soucherie em Anjou produz vinho desde o final do século XIX. Após décadas de práticas sustentáveis ​​de vinhedos, em 2019, o gerente da vinícola Vinney De Tastes implementou uma conversão para a agricultura orgânica. Em 2022 será o primeiro rótulo da vinícola sob a nova certificação.

Vindo de uma família de vinicultores de Bordeaux, De Tastes acredita que o vinho é feito no vinhedo e se concentra na viticultura. Utilizando as abelhas como forma de garantir a saúde da vinha e aumentar a biodiversidade da flora autóctone e dos insectos benéficos, e as ovelhas no inverno para limpar debaixo das vinhas, a De Tastes procura a “pureza” nos vinhos, acreditando que isso se consegue sem o uso de pesticidas e herbicidas.

“Colocamos 95% dos nossos esforços na vinha. Se tivermos que fazer mais de 5% na adega, não estamos fazendo algo certo na vinha”, afirma. Adicionando, “quanto menos fazemos na adega, melhor me sinto sobre o vinho”.

Domaine Henry Pellé é um negócio nas mãos da quarta geração, na singularidade da Morogues Village, centrada em Kimmeridgian, na denominação de Menetou-Salon. Assumindo a vinícola de seu pai em 2007, Paul-Henry Pellé transformou a vinha de baixa intervenção em práticas orgânicas. No entanto, ele só iniciou o processo formal de certificação para rotulagem há alguns anos, a pedido de importadores. Desde o ano passado, 25% de seus 40 hectares estão certificados, com o restante em processo.

Aumentar a demanda de vinho orgânico não é uma moda passageira

Dado o esforço para converter e gastar em certificação orgânica, esses viticultores do Loire estão apostando que isso não é apenas uma moda passageira.

Cohen, da Flatiron Wines, acha que a tendência veio para ficar. “Os amantes de vinho, americanos em todo o país, adotaram os vinhos orgânicos. Tenho certeza de que houve um tempo em que Nova York e São Francisco eram discrepantes na adoção desses vinhos, mas esses dias já passaram. Recebemos clientes de todo o país que nos procuram por causa dos vinhos orgânicos.”

Michelle Williams é colaboradora da Forbes EUA e uma premiada escritora de vinhos em publicações como Wine-Searcher, Wine Enthusiast Magazine, The Buyer, Wine Business Monthly, além do Michelin. Faz parte do Circle of Wine Writers e possui certificação avançada do Wine & Spirits Education Trust.

Compartilhe esta publicação: