Van Gogh e café: fazenda quer ser tão boa quanto uma obra do pintor

Conheça a história da fazenda São Caetano, que colocou a bebida em uma exposição global por onde já passaram 10 milhões de pessoas

Erich Mafra
Compartilhe esta publicação:
Reprodução do Museu Kroller Muller da obra “O Terraço do Café na Place du Forum, Arles, à Noite”
Reprodução/Museu Kroller Muller

“O Terraço do Café na Place du Forum, Arles, à Noite” é apenas uma das obras de Van Gogh que possui alguma referência ao café

Acessibilidade


A imagem acima é uma obra de Vincent Van Gogh, pintada em 1888. Chama-se “O Terraço do Café na Place du Forum, Arles, à Noite” e está entre outras quase 300 obras da exposição “Beyond Van Gogh – Uma Experiência Imersiva”, projeto global que no Brasil acontece em São Paulo até 3 de julho e depois segue para Brasília. Seu público ao redor do mundo já chegou a 10 milhões de pessoas .

Em vez de tintas e telas, quem percorre o espaço de 2.200 metros quadrados das instalações montadas em um shopping da capital se vê em meio a imagens projetadas em 3D por 40 projetores. São 80 milhões de pixels para dar conta de uma outra roupagem às pinturas geniais do impressionista holandês que revolucionou uma época.

LEIA MAIS: Café brasileiro é exportado para o Japão com rastreabilidade blockchain pela primeira vez

A ideia de mostrar o que é o café de um modo diferente, assim como acontece para as obras de Van Gogh, também seduziu um produtor rural. É de uma fazenda no interior paulista que sai a bebida servida em uma cafeteria montada para a exposição, o Café Van Gogh, um projeto para mostrar que a produção desse grão também envolve arte, embora de uma outra natureza.

“A exposição promove o encontro dessas duas artes: uma experiência visual e outra sensorial”, conta Gabriel Mendes, 24 anos, um dos sócios da marca de café Vô Nino. De certa forma, para Mendes “a bebida servida também é artística, pois vem de grãos de café selecionados à mão, descansados em terreiros suspensos por 40 dias até chegar na tulha para então serem torrados.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Pai e filho passeando pela exposição imersiva em 3D
_Divulgação

Exposição imersiva já recebeu em todo o mundo um público de 10 milhões de pessoas

O café servido na exposição é produzido na fazenda São Caetano, de 350 hectares, em Tambaú, a 260 quilômetros da capital. O município nasceu como povoado em 1886, época em que Van Gogh ainda era vivo. São deste ano duas de suas obras memoráveis: “Caveira com Cigarro Aceso”, que quebrava padrões da época, e “Guinguette de Montmartre”, justamente um café e sua clientela.

A bebida servida na exposição imersiva, assim como ocorre com as obras de arte, vem com uma roupagem para seduzir o público da cidade. Vai de um simples drink, a cafés de preparações diversas e aulas teatralizadas que ocorrem justamente na cafeteria. A ideia é ligar esses dois mundos e construir uma ponte para as cidades afeitas a novas sensações e experiências.

A fazenda não está sozinha nesse movimento de aproximação com o público urbano. Os apreciadores de cafés especiais seguem uma tendência global para produtos premium, como ocorre para os vinhos, os azeites e as cachaças no país. E não são apenas as grandes fazendas e marcas que engrossam esse movimento: pequenas propriedades familiares também estão entrando nessa onda da sofisticação da bebida.

A marca Nino, nome dado à produção de grãos especiais da São Caetano, é um desses exemplos. A produção do grão da espécie arábica toma 60 hectares da propriedade. Por safra, são produzidas cerca de 2.000 sacas de 60 quilos. A avaliação da Vô Nino está em 82 pontos, de acordo com a SCA (Specialty Coffee Association), entidade global que começou a desenvolver nos anos 1970 uma metodologia de análise de café.

Explicando: em uma escala que vai de zero a 100, são considerados especiais os lotes de grãos avaliados em 11 atributos, entre eles doçura, acidez, aroma e sabor. Para ser um café especial ele deve receber notas totais acima de 80 pontos. Na exposição de São Paulo, Mendes colocou lotes avaliados em 84,5 pontos, beirando o reconhecimento como “excelente”.

Para Mendes e seu sócio Ricardo Isnard, 32 anos, o evento é uma oportunidade única na captura de um cliente fidelizado. “Queremos estabelecer essa importância de tomar o café especial, assim como vem se criando há 10 anos a importância de você tomar uma cerveja puro malte e artesanal”, pontua Isnard.

Como a soja salvou o café Vô Nino

Engenheiro mecânico com MBA em Agribusiness pela Esalq (Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”), Isnard criou a marca Vô Nino em 2015, após reestruturar a fazenda fundada por seu avô, Agostinho Deperon, na década de 1970. Naquela época, a área de café era de 380 hectares e rendia até 15.000 sacas de café por safra. Mas o espaço foi dividido entre herdeiros da propriedade após a morte de Deperon, em 2012.

“Depois da morte dele, a minha mãe, que não era uma pessoa da atividade – ela é dentista –, decidiu estruturar a gestão das atividades”, conta Isnard. Nessa época, Isnard trabalhava na multinacional Syngenta, uma das maiores da área de defensivos agrícolas. Ele conta que fez uma proposta à mãe: entrar no negócio. “Porque senão ela venderia a fazenda.”

Com uma área muito menor que a original, Isnard não teve dúvida em mudar o foco do negócio para cafés premium, em vez da produção em larga escala. Em meados de 2018, tomou duas decisões como estratégia de crescimento. E arriscou tudo por elas.

A primeira foi a adequação de 200 hectares da fazenda para a produção de grãos. “A escolha da soja não é à toa, pois ela é uma cultura que faz sinergia com o ambiente, inserindo nitrogênio no solo e melhorando a formação de palhada”, explica Isnard. Produzindo 13 mil sacas anualmente, o lucro com a venda da oleaginosa é todo revertido na melhoria da produção do café.

A integração entre os dois negócios tem funcionado bem, segundo o empresário. Um dos exemplos é que agora a fazenda investe na formação de mais 12 hectares para cafeicultura no solo melhorado pela soja.

O encontro de Vô Nino com Van Gogh

Ricardo Isnard e Gabriel Mendes, um ao lado do outro, os dois de bonés, um de camiseta branca e outro de vermelho
Divulgação

Primos, Ricardo Isnard e Gabriel Mendes se dividem para tocar as diferentes frentes do café Vô Nino

A segunda adequação do projeto de Isnard dependia de um fator externo: um sócio que fizesse a diferença no negócio. Mendes, primo de Isnard, foi o caminho natural, mas não pelo parentesco.

Na época, Mendes era da equipe de marketing de ruminantes da DSM, multinacional do setor de nutrição e saúde animal, dona de marcas fortes no mercado. Era o que Isnard queria: ter uma marca forte. “O café está inserido de forma natural no dia a dia das pessoas, não é um produto novo”, diz Mendes. “Então, a gente começou a idealizar uma forma diferente de trazer o café para o mercado, inovando um produto antigo.”

Café ainda é uma bebida identificada com um público mais maduro. Segundo a pesquisa Inteligência Setorial, do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), 40% dos consumidores de café no Brasil, o equivalente a cerca de 80 milhões de pessoas, possuem mais de 40 anos. Mas os cafés especiais e suas inúmeras possibilidades vêm atraindo outra clientela também: os jovens.

Leia mais: Café brasileiro é exportado para o Japão com rastreabilidade blockchain pela primeira vez

Mendes então arrumou as malas em 2020 e se mudou de Campinas (SP) para a capital, justamente para prospectar público para os grãos da fazenda São Caetano. É na cidade de São Paulo que está boa parte das melhores cafeterias do país. A tática foi fazer parcerias com influenciadores jovens e consumidores ligados ao mundo das artes e esportes. A participação na exposição sobre Van Gogh nasceu dessa estratégia.

Xícara de café em vidro transparente, apoiada em base de madeira como pires
Divulgação

Produtor verticalizou a produção e mostra a bebida para atrair uma clientela jovem

“Comecei a estudar o consumo de café nesses meios”, conta Mendes, que passou a explicar a quem cruzasse seu caminho as diferenças entre o grão convencional e os especiais. Em busca de jovens conectados à marca Vô Nino, Mendes e Isnard fizeram parcerias com o skatista curitibano Pietro Vieira, o grafiteiro Fábio Vitali, que também é de Campinas, e o chef de cozinha Pedro Henrique Mirabile, criador de pratos inusitados, como um risoto de funghi que leva café na receita.

Foi a partir dessa aproximação com um público mais jovem, entre 20 e 35 anos, que o nome da marca entrou na lista dos possíveis fornecedores oficiais do Café Van Gogh na exposição e levou a melhor. Em busca desse público, a marca já pode ser encontrada em endereços como a adega Emporium São Paulo.

Isnard e Mendes também não descartam a abertura de uma loja própria na cidade, mas por ora apostam em aumentar a visibilidade e a produção antes desse passo. “Estamos nessa fase em que precisamos ser vistos para concretizarmos todas as nossas ideias”, afirma Isnard.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: