5 passos dos produtores de vinhos de Abruzzo para serem ultra premium

Conheça as vinícolas de uma das principais regiões da Itália que correm para valorizar seus terroirs e sair do mercado de bebidas baratas

Liz Thach
Compartilhe esta publicação:
DingaLT_Gettyimages
DingaLT_Gettyimages

Produtores vêm melhorando processos da colheita ao engarrafamento nas vinícolas

Acessibilidade


Se você gosta de comida e vinho italianos, provavelmente já pediu uma garrafa de Montepulciano de Abruzzo – o delicioso vinho frutado, macio e de cor escura da região de Abruzzo, na Itália. Também é muito provável que você o tenha encontrado no início da lista de vinhos a preços acessíveis. No entanto, muitos dos vinicultores de Abruzzo estão tentando mudar esse posicionamento de baixo preço para um mais ultra premium, e eles têm algumas razões muito persuasivas para que agora seja a hora de reconhecer o complexo terroir que pode ser encontrado em toda a região.

Isso não significa que Abruzzo deixará de oferecer alguns vinhos acessíveis de nível básico, mas a região evoluiu para um lugar onde há uma nova comunidade vinícola que deseja mostrar os impressionantes avanços que fizeram na viticultura e na vinificação. Recentemente, em uma chamada do Zoom, um grupo de dez vinícolas de Abruzzo explicou como e por que estão evoluindo sua estratégia de negócios de vinho.

LEIA TAMBÉM: 10 produtores de uvas de Brasília estão construindo uma vinícola para levar novos aromas à capital

“Abruzzo está em uma fase de sua evolução de reposicionamento”, explica Colin Proietto, proprietário da família e gerente de vendas da Agricosimo Winery. “Agora, estamos nos concentrando mais em propriedades familiares, adotando mais agricultura orgânica e mudando da mentalidade varietal para o terroir”.

Rodrigo Redmont, proprietário da família Talamonti Family Estates, acrescenta: “Nas décadas de 1970 e 80, Abruzzo era dominado por grandes vinícolas cooperativas. A maioria das famílias vendia suas uvas para as cooperativas, e as cooperativas produziam vinhos baratos e acessíveis. No entanto, nos últimos 20 anos, as propriedades familiares começaram a desenvolver e produzir seus próprios vinhos que mostram o terroir.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
DingaLT_Gettyimages
DingaLT_Gettyimages

Valorização do terroir agora está na agenda do dia

Dada esta atenção mais focada na produção do melhor vinho a partir de uma propriedade individual, aliada à agricultura biológica e técnicas de vinificação mais avançadas, muitas adegas de Abruzzo estão agora produzindo vinhos que são, de facto, mais complexos e refletem os atributos únicos da região.

A uva vermelha de assinatura de Abruzzo, a Montepulciano de Abruzzo (não deve ser confundida com o vinho Vino Nobile de Montepulciano da Toscana, onde o tinto de assinatura é Sangiovese), está liderando esse avanço. Segundo Stefano Zuchegna, diretor de vendas da Vinícola Tenuta Secolo, “Montepulciano de Abruzzo não é uma uva básica. Não é verdade! Pode competir com outras grandes uvas da Itália, como a Sangiovese.”

A região vinícola de Abruzzo – a duas horas de carro de Roma

A região vinícola de Abruzzo está situada no centro da Itália, a cerca de duas horas de carro a leste de Roma. Ela se estende por 130 quilômetros ao longo da costa do mar Adriático e tem muitas montanhas escarpadas, incluindo Gran Sasso, que é um dos picos mais altos da Itália, com 2.912 metros. Alguns dos melhores vinhedos estão em encostas com vista para o oceano, ao longe. Tem um clima mediterrânico com sol abundante ao longo da costa e uma precipitação média de 660 milímetros de chuvas por ano. No interior, nas montanhas dos Apeninos, o clima é mais continental com neve no inverno.

Abruzzo produz vinho desde o século VI antes de Cristo, com herança dos etruscos. Hoje, segundo o Consorzio Vini D’Abruzzo, possui cerca de 250 vinícolas, 35 cooperativas, 34 mil hectares de vinhedos e produz cerca de 1,2 milhão de garrafas de vinho por ano. Abruzzo exporta 65% de seu vinho e atinge receitas anuais de vendas de cerca de € 300 milhões (R$ 1,54 bilhão na cotação atual).

A principal uva vermelha é a Montepulciano de Abruzzo, que representa quase 80% de sua produção. No entanto, os produtores também cultivam Merlot, Cabernet Sauvignon e outras variedades vermelhas. A uva branca mais original chama-se Pecorino – semelhante ao queijo – e tem o nome da ovelha que costumava comer esta uva nas vinhas. Tem um aroma floral, com notas de limão, pêssego branco, especiarias, acidez crocante e um toque de mineralidade salgada. Outras uvas brancas regionais incluem a Trebianno e Cococciola.

As cinco principais maneiras pelas quais a região vinícola de Abruzzo está se diferenciando

Então, como a região vinícola de Abruzzo planeja se diferenciar e ir além de sua imagem de produzir apenas vinho tinto suave e barato? As dez vinícolas identificaram cinco maneiras principais pelas quais Abruzzo está evoluindo para permitir que implementem uma estratégia de negócios de vinho mais ultra-premium:

1) Fazendas familiares focadas na produção de vinhos de alta qualidade

Com o movimento nos últimos 20 anos para que as famílias parassem de vender todas as suas uvas para cooperativas e passassem a construir suas próprias vinícolas, houve um foco maior na qualidade. Com o nome da família no rótulo do vinho, há mais orgulho e artesanato na vinificação.

Andrea Bianco De Sipio, da Di Sipio Winery, explica: “Adicionamos muitas novas tecnologias às nossas adegas e estamos experimentando, nos vinhedos, como podemos reduzir cada vez mais as aplicações de cobre e enxofre”. Esses tipos de avanços estão produzindo vinhos de alta qualidade, e algumas vinícolas em Abruzzo, como Azienda Agricola Valentini e Emidio Pepe Winery, já passaram para a categoria de luxo de mais de US$ 100 (R$ 500) em suas garrafas de Montepulciano d’Abruzzo.

2) Maior ênfase no terroir

Se no passado a região era focada na produção em massa, agora as vinícolas estão tentando mostrar o terroir único (solo, clima, inclinação, filosofia de vinificação etc.) de seus vinhedos. Eles estão tentando mostrar como Montepulciano de Abruzzo pode ser diferente se produzido no DOCG de Montepulciano d’Abruzzo Colline Teramane, em comparação com outros DOCs, e até propriedades específicas dentro da mesma área. Diferentes técnicas de vinificação, como envelhecimento mais prolongado em carvalho, battonage sobre Pecorino, ou mesmo a fermentação do vinho em tanques de terracota em vez de inox, como é feito na vinícola Ciavolich, também ajudam a mostrar o terroir regional.

3) Crescimento em vinhedos orgânicos certificados

Por causa do clima favorável às uvas viníferas, Abruzzo abriga um grande número de vinhedos orgânicos, e muitas vinícolas da região incluirão o selo orgânico ou a palavra “bio” em seu rótulo. Muitos outros estão praticando agricultura orgânica, mas ainda não gastaram tempo ou dinheiro para obter a certificação oficial. Com este novo foco na agricultura orgânica, muitas vezes há sabores e texturas de frutas mais puras nos vinhos que aumentam sua distinção. A certificação orgânica também é atrativa para muitos consumidores.

4) As vinícolas estão buscando certificações muito exclusivas

Além de obter certificações orgânicas, existem várias vinícolas de Abruzzo que se tornaram Vegan Certified e exibem essa certificação com orgulho em seus sites e rótulos. Talamonti Family Estates tornou-se recentemente a primeira vinícola do mundo a ser certificada pela Igualdade, Diversidade e Inclusão. Esta é uma nova certificação oferecida pela Arborus.

DingaLT_Gettyimages
DingaLT_Gettyimages

Certificações exclusivas é um dos passos para garantir mercado premium

“A agricultura na Itália tem sido fortemente dominada pelos homens”, explica Rodrigo Redmont, membro da Família Talamonti. “Tenho duas meninas e quero deixar um lugar melhor para elas no futuro. Na Talamonti, decidimos utilizar a diversidade e a inclusão como um princípio orientador para nossas políticas e abordagem na vida, por isso participamos do processo de certificação.”

5) Maior foco no turismo e parques nacionais de Abruzzo

Abruzzo é abençoado não apenas com altas montanhas e praias ensolaradas, mas é composto por três parques nacionais e muitas reservas regionais, tornando-se a única região da Europa onde mais de 30% da território é protegido por parques. Isso atrai muitos turistas à região para desfrutar das atividades ao ar livre, mas também para se deliciar com a culinária regional, conhecida por seus frutos do mar frescos, massas, queijos e cordeiro. Um passatempo turístico único é a pesca de um trabocchi – uma grande estrutura de madeira com redes que se estende até o oceano.

De fato, provavelmente há muito poucas regiões no mundo onde uma vinícola possui vinhedos em um parque nacional, mas a vinícola Passetti cultiva vinhedos orgânicos há cinco gerações, com suas videiras dentro de um parque nacional. “Somos a única vinícola de Abruzzo a ter vinhedos no parque nacional”, afirma Annesa Vanarelli, gerente de exportação da Passetti. “Trabalhamos com muito cuidado com os funcionários do parque para garantir que o meio ambiente seja protegido e que tudo o que fazemos seja orgânico e ecologicamente correto”. Outra vinícola orgânica, Menicucci, combinou o enoturismo com sua propriedade, construindo um hotel boutique e um restaurante na propriedade.

A implementação da estratégia do vinho de Abruzzo leva tempo e paciência

Passar de uma estratégia de negócios de vinho de baixo custo para ultra-premium não é uma tarefa fácil. No entanto, a região de Abruzzo recebeu algum financiamento da União Europeia como parte da campanha “Charming Taste of Europe” para promover todas as mudanças positivas em sua região.

Uma série de lives destina-se a compradores de vinho e jornalistas, bem como press trips para sommeliers e escritores estrangeiros visitarem a região para provar os vinhos e ver as mudanças nas adegas e vinhas. Este é um bom começo, mas precisa ser expandido e enfatizado ao longo do tempo, para que consumidores e compradores de vinho em todo o mundo comecem a reconhecer todas as mudanças positivas que estão acontecendo na região vinícola de Abruzzo, na Itália.

*Liz Thach é colaboradora da Forbes EUA, professora e consultora de vinhos em Napa e Sonoma, Califórnia. Leciona no MBA em Vinhos da Sonoma State University e no curso de negócios de vinho na Stanford Continuing Education. É autora de nove livros, incluindo Call of the Vine, Best Practices in Global Wine Tourism e Luxury Wine Marketing.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: