Como fazer marketing de alimentos para os millenials

Nascidos entre 1981 e 1996, a "geração Google" diz que empresas devem mostrar uma consciência social

Phil Lempert
Compartilhe esta publicação:
Mulher jovem e negra acessando um celular em frente a uma banca de vegetais de um supermercado
kali9_GettyImages

A maneira de se alimentar está mudando e no foco das novas gerações

Acessibilidade


Os millenials nasceram entre os anos de 1981 e 1996 e agora têm entre 26 e 41 anos – eles estão em segundo lugar, depois dos baby boomers. Nos EUA, millenials representam aproximadamente 72 milhões de pessoas (os millennials se encontram no topo da pirâmide econômica do planeta, somando 1,8 bilhão de pessoas; no Brasil eles representam 34% da população).

Nos EUA, o SNIPPResearch é uma plataforma de pesquisa que coleta e relata dados no ponto de compra e informa que o Food Institute prevê que 80% dos Millenials serão pais nos próximos 15 anos.

LEIA MAIS: Futuro do alimento: revolução dos principais fatores que moldam a produção já começou

À medida que os Boomers envelhecem, seus números cairão abaixo dos Millenials. O último relatório do Food Institute, “Alinhando com os pais da geração millenials”, acabou de ser publicado e entrevistou líderes do setor de varejo de alimentos para analisar qual seria a bola de cristal do marketing para essa geração.

Aqui está o que eles descobriram: para conquistar os pais millennials, as empresas de alimentos devem mostrar uma consciência social. De acordo com Incrementors Inbound Marketing, 37% dos millennials favorecem uma marca estritamente pelas causas que ela apoia. “Os millennials compram produtos por vários motivos, incluindo qualidade e sabor”, disse Shiv Gupta, CEO da Incrementors Inbound Marketing. “Muitas pessoas nesta geração são atraídas por marcas que apoiam preocupações sociais.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os consumidores millennials também exigem que as empresas estejam disponíveis online. Os millennials tendem a ser influenciados por avaliações online, bem como comentários vistos nas redes sociais.

Por isso, as empresas de alimentos devem envolver ativamente os pais por meios digitais para ajudar a formar impressões positivas de suas marcas. E seus sites devem ser o mais transparentes possível. “Os millennials são a geração do Google; eles querem encontrar respostas para suas perguntas com apenas alguns cliques”, disse Kristen Nauss, nutricionista registrada no Tennessee e fundadora da consultoria Buying School Food. “As empresas de alimentos precisam de um site com informações atualizadas sobre os produtos para se manterem competitivas.”

O Food Institute diz que também é imperativo que as empresas de alimentos se concentrem na qualidade e na salubridade em seus discursos de marketing e em suas embalagens. Ingredientes frescos são especialmente importantes para os millennials.

Outro dado é que, de acordo com a empresa de marketing Vericast, 35% dos millennials relatam que preparam mais refeições com alimentos frescos, em comparação com 29% da geração Z e 27% dos baby boomers.

* Phil Lempert é colunista da Forbes EUA e um dos um dos principais observadores e analistas de tendências de alimentos e consumidores dos EUA. Foi, por mais de 20 anos, editor de tendências alimentares e correspondente do programa Today da NBC News.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: