Líderes devem agir rápido para mitigar crise global de alimentos

Nos próximos dias, o G7 se reunirá em sua cúpula anual na Alemanha e até agora os números da insegurança contam uma história alarmante

Gayle Smith
Compartilhe esta publicação:
Daniel Day_Getty
Daniel Day_Getty

Invasão da Ucrânia pela Rússia pode ser o fósforo que acendeu o fogo, mas a crise de alimentos está latente há algum tempo

Acessibilidade


A ONU (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) e o Programa Mundial de Alimentos estimam que 49 milhões de pessoas estão passando fome nos Estados Unidos. O Índice de Preços ao Consumidor está registrando o maior aumento nos preços dos alimentos nos EUA desde 1979; o custo do óleo de girassol e palma duplicou; e o trigo e o milho custam o dobro do que custavam há alguns meses. [No mundo são mais de 800 milhões de pessoas. No Brasil, 33,1 milhões de pessoas que não têm o que comer, de acordo com o 2º Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19. E 125,2 milhões estão passando por algum nível de insegurança alimentar].

LEIA MAIS: Escalada urgente para uma safra recorde

Nesse cenário, o Banco Mundial projeta que a oferta global de trigo diminuirá em 2022-23 e, nos Estados Unidos, a produção de trigo de inverno caiu 8%. E ainda por cima, mais de 20 milhões de toneladas de grãos estão presos nos silos da Ucrânia. “Se você acha que temos o inferno na terra agora, prepare-se”, alertou recentemente David Beasley, diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos.

A invasão da Ucrânia pela Rússia pode ser o fósforo que acendeu o fogo, mas esta crise está latente há algum tempo. A pandemia continua a prejudicar as cadeias de produção e fornecimento e a restringir o fluxo de mercadorias. A mudança climática interrompeu o plantio e a colheita – o povo do Chifre da África, por exemplo, está lutando contra o ciclo de seca mais severo em 70 anos. Conflitos crônicos e dificuldades econômicas forçaram 100 milhões de pessoas a fugir de suas casas. E o crescimento do setor agrícola global desacelerou na última década.

Então, o que estamos olhando agora?

Primeiro, 49 milhões de pessoas estão à beira da fome nos EUA. Isso não é algo que pode acontecer, isso está a caminho de acontecer sem assistência imediata. Os profissionais medem o espectro da fome generalizada à fome usando o que é chamado de Classificação de Fase Integrada, e essas 49 milhões de pessoas estão gradualmente passando da Categoria 4, ou status de emergência, para a categoria final – fome.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em segundo lugar, os mercados já perturbados pela pandemia estão sendo ainda mais desestabilizados. Todos os países do mundo importam alimentos – 15% do suprimento de alimentos dos EUA. A maioria dos países do mundo também exporta produtos ou insumos alimentícios. Já chocada com a pandemia e agora com aumentos nos custos de combustível, a rede de rotas marítimas, estradas e ferrovias que sustenta o sistema alimentar global está sendo ainda mais restringida pelas medidas de curto prazo, mas imprudentes, que os países costumam adotar para proteger seus próprios suprimentos.

As restrições de exportação impostas por 27 países desde o final de fevereiro significam que 17% do total de calorias normalmente comercializadas no mercado global foram retiradas do mercado. E depois há os efeitos em cascata da invasão da Ucrânia pela Rússia, que provocou escassez e aumentos de preços, mas também está criando incerteza sobre a disponibilidade de 30% do trigo mundial fornecido pela Ucrânia e pela Rússia.

Terceiro, as projeções da produção atual e futura estão em queda, inclusive nos Estados Unidos. E os fertilizantes – o multiplicador de força da agricultura – estão subitamente escassos e mais caros, em parte porque uma parcela significativa dos insumos críticos vem do que hoje é uma zona de guerra na Europa.

Finalmente, o setor agrícola não é suficientemente resiliente. Não pode resistir a múltiplos choques, nem a agricultura pode crescer em um ritmo compatível com as necessidades globais. É vulnerável a choques externos adicionais nos próximos meses e anos desencadeados por conflitos, guerras comerciais e mudanças climáticas.

Um aumento global nos preços mundiais de alimentos em 2007-08 estimulou uma ação decisiva, particularmente do que era então o Grupo das 8 nações industrializadas, que sinaliza o que pode ser feito em resposta à pior crise de hoje. Os países doadores, então, aumentaram a ajuda ao setor agrícola, criaram o Sistema de Informação de Marketing Agrícola para rastrear os preços das commodities e lançaram um mecanismo de financiamento no Banco Mundial para alavancar investimentos de capital multilateral e privado.

A Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional sob o governo Obama lançou o Feed the Future, uma iniciativa que desbloqueou mais de US$ 4 bilhões em financiamento agrícola e foi codificada em lei em 2016 com apoio bipartidário por meio da Lei de Segurança Alimentar Global. Também levou à criação de uma aliança de empresas do setor privado dispostas a investir na agricultura e a inovações em escala, incluindo o fornecimento de micronutrientes por meio de alimentos terapêuticos prontos para uso. O Departamento do Tesouro assumiu a liderança, com outros países, na criação e capitalização do GAFSP (Programa Global de Agricultura e Segurança Alimentar) no Banco Mundial que, apesar de ter uma sigla terrível, continua a fornecer capital multilateral e privado para países de baixa renda.

Nos próximos dias (de 26 a 28 de junho), o G7 se reunirá em sua cúpula anual, desta vez na Alemanha, onde um dos muitos assuntos da agenda será a discussão da Aliança Global para Segurança Alimentar, lançada pelo G7 e pelo Banco Mundial no mês passado. Esperamos que essas deliberações incluam um acordo sobre ações tangíveis.

Os líderes do G7 poderiam, por exemplo, pedir e apoiar financeiramente o financiamento total para o Programa Mundial de Alimentos e para a implantação de micronutrientes em escala.

Eles poderiam tirar uma lição de uma resposta menos bem-sucedida à pandemia global e pedir cooperação e coordenação para impedir a disseminação de restrições à exportação e garantir que os países de baixa e média renda não sejam excluídos do mercado de fertilizantes e mercados de insumos de fertilizantes, como eram com as vacinas.

Os líderes podem decidir agir agora para realocar os Direitos Especiais de Saque recebidos através da alocação geral do FMI de agosto de 2021 e sobre o financiamento das mudanças climáticas, acelerando a entrega do capital necessário para a importação de alimentos e os investimentos necessários para reduzir a vulnerabilidade dos setores agrícolas em países pobres países.

Eles também poderiam mobilizar o capital para prevenir uma catástrofe global, inclusive injetando novos recursos no GAFSP, tomando decisões sobre a reforma dos bancos multilaterais de desenvolvimento, otimizando o balanço do Banco Mundial e mobilizando suas instituições financeiras de desenvolvimento para colocar esse capital para trás uma estratégia de investimento agrícola de longo prazo.
Esta última crise mundial não passará rapidamente. Foram anos de construção. Mas é algo em que podemos nos adiantar – se começarmos agora.

* Gayle Smith é colaboradora da Forbes EUA e CEO da ONE Campaign, que combate pobreza extrema e doenças evitáveis. Foi consultora de alto nível em questões internacionais para três presidentes americanos e é uma das principais especialistas do mundo em desenvolvimento global e segurança global da saúde. Recentemente, assumiu como Coordenadora do Departamento de Estado dos EUA para Resposta Global à COVID e Segurança da Saúde. Anteriormente, atuou como administradora da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional, como assistente especial do presidente Obama e como diretora sênior de desenvolvimento e democracia no Conselho de Segurança Nacional.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

 

Compartilhe esta publicação: