Brasil avança em processo para exportar farelo de soja à China

Segundo o minsitério da agricultura, "faltam ainda alguns procedimentos operacionais"

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Tingshu Wang/Reuters
Tingshu Wang/Reuters

Grãos de soja em supermercado em Pequim, China

Acessibilidade


O governo brasileiro avalia que a China abriu seu mercado ao farelo de soja do Brasil, mas ainda faltam alguns procedimentos para os embarques efetivamente ocorrerem, disse o Ministério da Agricultura, citando um avanço nas negociações para um comércio longamente esperado.

Ao comentar reportagem publicada antes pelo Estadão, o ministério brasileiro confirmou hoje (28) que o mercado de farelo de soja “foi aberto” pelos chineses, mas disse que “faltam ainda alguns procedimentos operacionais”, como registro de empresas, por exemplo.

Leia mais: Quando o preço do boi gordo voltará a subir?

A China é o maior comprador de soja do Brasil, que, por outro lado, sempre enfrentou dificuldades técnicas e burocráticas para entrar no mercado de farelo chinês. Historicamente, o maior comprador do derivado de soja brasileiro, usado na fabricação de ração, é a União Europeia.

Procurada, a associação que representa as tradings e processadoras de soja, a Abiove, não comentou o assunto imediatamente.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O ministério brasileiro citou um anúncio durante reunião da COSBAN (Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Coordenação), em 23 de maio, em que Brasil e China estavam “finalizando as negociações para exportações brasileiras de farelo de soja, proteína concentrada de soja, polpa cítrica e soro fetal bovino”.

Durante a cúpula da COSBAN já havia sido anunciada também a conclusão das negociações para exportações de milho e amendoim do Brasil.

Nesta semana, o ministro da Agricultura brasileiro, Marcos Montes, disse que o país está rediscutindo um protocolo sobre embarques de milho com o governo da China para permitir a entrada do cereal no país asiático já neste segundo semestre.

Segundo ele, o acordo inicial previa a exportação de milho brasileiro da próxima temporada, mas novas conversas podem permitir embarques da safra de 2022.

Compartilhe esta publicação: