Mercado halal de US$ 2 trilhões atrai investidor sul-coreano

Saiba como a gigante de alimentos SPC Group está planejando sua expansão, investindo US$ 30 bilhões em uma fábrica na Malásia

Ralph Jennings
Compartilhe esta publicação:
Staticnak1983_Guettyimages
Staticnak1983_Guettyimages

O mercado de alimentos halal está avaliado em USS$ 2 trilhões (R$ 10,8 trilhões).

Acessibilidade


A gigante de alimentos sul-coreana SPC Group planeja expandir suas atividades para a Malásia, para ter uma fatia do mercado global de alimentos halal, avaliado em US$ 2 trilhões (R$ 10,8 trilhões na cotação atual).

O SPC Group informou que planeja investir cerca de US$ 30 milhões (R$ 162,2 milhões) para construir uma fábrica com certificação halal em Johor, um estado da Malásia na fronteira com Cingapura. A imprensa sul-coreana informou que a localização, com um porto marítimo, dará à fábrica um canal para enviar mercadorias para todo o Sudeste Asiático e para o Oriente Médio.

O acordo é liderado por Hur Jin-soo, filho mais velho do presidente do SPC Group, Hur Young-in, conhecido como o “Rei das Franquias” na Coreia do Sul. Jin-soo foi nomeado presidente da Paris Croissant, uma subsidiária do SPC Group que administra a marca de franquias de padarias Paris Baguette, em dezembro.

O SPC Group também administra 1.800 lojas Dunkin’ Donuts e sorveterias Baskin Robbins, bem como Pascucci (café italiano), The World Vine (vinho), Jamba Juice (smoothies) e a hamburgueria nova-iorquina Shake Shack na Coréia.

A fábrica de Johor fará 100 tipos de pães, bolos e molhos – todos preparados de acordo com a lei islâmica. A construção está programada para ser concluída em junho do próximo ano. O SPC Group também estabeleceu uma joint venture com a Berjaya Food da Malásia, que opera as cafeterias Starbucks e as lojas de conveniência 7-Eleven na Malásia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“O hub Halal tem sido uma estratégia importante no setor de alimentos da Malásia”, diz Alizan Mahadi, diretor sênior de pesquisa do instituto de estudos estratégicos e internacionais da Malásia, com sede em Kuala Lumpur. “A Malásia tem alguns dos melhores padrões de certificação halal e, portanto, é [reconhecida] no mundo muçulmano.”

Autoridades em Kuala Lumpur trabalham para padronizar alimentos halal desde 1974, quando o braço de pesquisa do gabinete do primeiro-ministro começou a emitir cartas de certificação halal. O país do Sudeste Asiático lançou seus primeiros padrões halal em 2000, à frente de outras nações muçulmanas. Os padrões elevaram uma “indústria caseira” a uma “nova economia vibrante” com um valor de mercado estimado em US$ 2,3 trilhões (R$ 12,44 milhões), diz o Centro de Turismo Islâmico do governo da Malásia.

* Ralph Jennings é colaborador da Forbes EUA, repórter especializado nas tendências de tecnologia na China e também cobre assuntos ligados à Ásia

> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

 

Compartilhe esta publicação: