Desperdício de alimentos custa bilhões de dólares aos contribuintes dos EUA

Todos os anos, US$ 400 bilhões acabam em lixeiras e, como reduzem os lucros corporativos, as empresas podem tratá-los como dedutíveis de impostos.

Chloe Sorvino
Compartilhe esta publicação:
Mint Images_Guettyimages
Mint Images_Guettyimages

Alimentos perdidos nas gôndolas são dedutíveis nos impostos, nos EUA

Acessibilidade


Quando a Kroger, a maior rede de supermercados dos Estados Unidos, prometeu há quatro anos eliminar o desperdício de alimentos até 2025, o CEO da rede chamou a meta de “um tiro na lua”.

“Acreditamos que, trabalhando com as pessoas, podemos realmente fazer com que ninguém vá para a cama com fome”, disse o CEO da Kroger, Rodney McMullen.

A empresa está avançando em direção ao objetivo. Até 40% de toda a comida na América acaba sendo desperdiçada. São mais de 100 bilhões de libras, valendo mais de US$ 400 bilhões (RS$ 2,2 trilhões, na cotação atual), a cada ano. Não só é vergonhoso jogar comida fora quando 38 milhões de americanos, incluindo 12 milhões de crianças, passam fome, como também é um risco existencial para os supermercados [No Brasil são 33 milhões, dos quais 14 milhões entraram na estatística no último ano). Na Kroger, o desperdício de alimentos representa cerca de 4% dos quase US$ 140 bilhões (R$ 757 bilhões) em vendas anuais da rede de 2.800 lojas, ou cerca de US$ 5,6 bilhõe (R$ 30,28 bilhões). E isso é em uma empresa que está trabalhando ativamente para reduzi-lo. Algumas mercearias têm um nível anual de desperdício de alimentos, ou “encolhimento”, de 5% a 7%. Os que atingem dois dígitos normalmente só sobrevivem tempo suficiente para serem engolidos ou falirem.

LEIA MAIS: Cerveja com inovação: Grupo Petrópolis busca o lúpulo perfeito

Nos EUA há um poderoso desincentivo, no entanto, para superar e erradicar o problema. Desde que as perdas de alimentos passaram a não constar mais nos lucros das empresas, o Internal Revenue Service classifica-o como dedutível de impostos. Não está claro qual porcentagem de deduções está relacionada ao desperdício de alimentos ou quanto disso cabe aos grupos de supermercados, porque o número não é detalhado separadamente. Mas é assim que os contribuintes acabam pagando a conta da comida que acaba na lixeira.
“O governo contribui para o custo”, diz James McCann, ex-CEO das redes de supermercados Tesco, Carrefour e Ahold USA, que fundou a empresa de investimentos Food Retail Ventures. “Essencialmente, o custo do encolhimento é dedutível porque reduz os lucros independentemente da taxa marginal de tributação da empresa.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Alguns países ao redor do mundo tentaram encorajar os varejistas a reduzir o desperdício de alimentos, tornando partes da redução não dedutíveis de impostos, o que, como diz McCann, “se você é um varejista, isso tem um efeito enorme”

“A dor fica muito maior e, portanto, a necessidade de uma solução torna-se muito maior”, diz McCann. Estima-se que uma mercearia, ou médios supermercados EUA, destruam entre US$ 5.000 e US$ 10.000 (R$ 27.000 e R$ 55.000) em comida por semana.

Até recentemente, a maioria das mercearias e fornecedores de alimentos não sabia quanto estava jogando fora. Quaisquer que sejam as ineficiências que assolem o sistema, acabam sendo pagas pelos compradores que, segundo McCannm “é cobrado no preço que o consumidor paga”.

Os formulários fiscais não têm itens de linha para desperdício de alimentos. Do ponto de vista contábil, é contado como um impacto na demonstração de lucros e perdas de uma corporação. Os alimentos se qualificam como um ativo de estoque porque os ingredientes são matérias-primas. Da maneira como é baixado, há um custo do alimento para qualquer período contábil. Esse custo é baseado no que resta no estoque e na quantidade de alimentos que foi usado. Esse é o valor deduzido do estoque como tendo sido consumido.

“É terrificante, se você seguir os dólares”, diz Andrew Shakman, CEO e cofundador da LeanPath, que cobre o desperdício de alimentos nos setores de restaurantes e serviços de alimentação. “Em nenhum lugar há desperdício de alimentos um item despercebido. Ele cai como um ajuste de estoque. Se essa comida foi utilizada, foi para um cliente ou foi para o lixo, isso não é algo que você veria.”

Shankman diz que foi pioneiro na medição do desperdício de alimentos. Sua plataforma usa dados para reduzir o desperdício de alimentos no nível pré-consumidor pela metade ou mais, o que “retorna dólares significativos aos resultados”. O sistema é utilizado em cozinhas industriais em 40 países.

Em 2021, mais de US$ 2 bilhões (R$ 10,8 bilhões) foram investidos em “soluções” de desperdício de alimentos, conforme rastreado pelo grupo de defesa Refed. Esse foi o maior dinheiro já dedicado ao problema em todos os anos em que a Refed monitorou os dados.

Há também um custo ambiental para o desperdício de alimentos. Enviá-lo para aterros cria metano, um potente gás de efeito estufa, que produz mais emissões que estão aquecendo o planeta. A EPA (Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos) estima que a cada ano, a perda e o desperdício de alimentos no país responda por 170 milhões de toneladas métricas de emissões de gases de efeito estufa equivalentes a dióxido de carbono, o que equivale às emissões anuais de dióxido de carbono de 42 usinas a carvão. Globalmente, o desperdício de alimentos é responsável por 8% de todas as emissões de gases de efeito estufa.

Nos EUA, se um supermercado ou fornecedor de alimentos doar alimentos desperdiçados e rastreá-los, a empresa também poderá solicitar um subsídio fiscal que dobra o valor da dedução fiscal. Ainda assim, muitas empresas não aceitam a redução aprimorada, diz Dana Gunders, diretora executiva da Refed. É muito complicado e há outros créditos que são mais fáceis de obter melhores resultados.
“O ponto principal é que não faz sentido em sua estratégia tributária usar essa redução de impostos aprimorada”, diz Gunders. E, embora não esteja claro quantas empresas tiram proveito do subsídio, ou quantos impostos totais são reduzidos por meio dele, Gunders diz: “Está subscrito pelo que você pensa”. O crédito fiscal, de acordo com Gunders, “não é o que está impulsionando as doações”.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: