Apple cria fundo para florestas produtivas e amplia o esforço de reduzir carbono

No ano passado, a companhia estabeleceu a meta de neutralizar suas próprias emissões de carbono e a de seus fornecedores até 2030.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Stephan Lam/Reuters
Stephan Lam/Reuters

Lisa Jackson, vice-presidente de meio ambiente da Apple disse que vê na iniciativa a oportunidade de mostrar que há um modelo de economia sustentável que combina com a preservação das florestas

Acessibilidade


A Apple criou um fundo de US$ 200 milhões para investir em propriedades florestais produtoras de madeira que serão gerenciadas para ajudar a remover o carbono da atmosfera e de forma lucrativa, disse a empresa hoje (15).

No ano passado, a companhia estabeleceu a meta de neutralizar suas próprias emissões de carbono e a de seus fornecedores até 2030. Ela disse que 75% da redução virá da eliminação de emissões por meio de iniciativas como uso de energia solar.

LEIA MAIS: Apple quer iniciar produção de carro elétrico até 2024

A Apple e a organização sem fins lucrativos Conservation International serão parceiras no chamado Fundo de Restauranção, no valor de US$ 200 milhões, e o Goldman Sachs atuará como parceiro geral para gerenciá-lo. A Apple confirmou que será o maior investidor do fundo, que tem como meta gerar lucro investindo em propriedades florestais gerenciadas para produzir madeira comercial e aumentar a remoção de carbono. O objetivo é retirar cerca de 1 milhão de toneladas métricas de dióxido de carbono por ano.

“Nossa ideia aqui é que se você mostra que é lucrativo e faz o que precisa ser feito em termos de redução de risco climático, então pode aumentar os investimentos em restauração e gestão florestal, que é o que realmente importa”, disse Lisa Jackson, vice-presidente de meio ambiente, políticas e iniciativas sociais da Apple à Reuters.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Jackson se recusou a dizer qual seria a meta de retorno para o fundo, mas disse que provavelmente levará em conta os retornos atuais sobre os investimentos financeiros em florestas, como um meio de demonstrar que a remoção de carbono pode ser lucrativa.

“As florestas produtivas geram dinheiro porque fornecem os produtos de que a nossa economia necessita”, disse Jackson. “E então há uma oportunidade aqui, assim como com a energia limpa, de mostrar que há um modelo de economia sustentável que combina com a preservação das florestas”. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: