Como a arqueologia pode ajudar a combater as mudanças climáticas

Getty Images/Stevica Mrdja-EyeEm-
Stevica Mrdja-EyeEm/Getty Images

A arqueologia poderia oferecer aos seres humanos algo diferente da desgraça e da tristeza em face das crescentes crises climáticas

Os efeitos das mudanças climáticas causadas pelo homem estão devastando comunidades no mundo inteiro, e cientistas alertam que esses eventos extremos irão piorar com o aquecimento global. Mas será que podemos usar as lições do passado para reunir pistas vitais sobre nosso futuro? Uma equipe de antropólogos e estudiosos acredita que sim.

Liderado pela antropóloga da Universidade de Montreal Ariane Burke, um grupo de arqueólogos, geógrafos e cientistas do Canadá, dos Estados Unidos e da França destacou, na última semana, a importância de uma disciplina relativamente nova: a arqueologia das mudanças climáticas.

LEIA MAIS: Em arte feita com pó de café, Nespresso e Kobra divulgam parceria em prol da sustentabilidade

A disciplina usa dados de escavações arqueológicas e registros climáticos para descobrir como os seres humanos lidavam com o meio ambiente no passado. Ao escrever no PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences) – publicação oficial da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos -, Ariane e seus colegas observaram que, embora a transformação ambiental esteja ocorrendo em um ritmo nunca visto, os humanos já superaram desafios semelhantes no passado. Segundo eles, a arqueologia “oferece oportunidades para identificar os fatores que promoveram a resiliência humana no passado e aplicar o conhecimento adquirido até o presente, contribuindo com uma perspectiva de longo prazo muito necessária para a pesquisa climática”.

No entanto, a disciplina se concentra não na biodiversidade, mas na diversidade cultural. Ariane, que é diretora científica do Hominin Dispersals Research Group e do Laboratório de Ecomorfologia e Paleoantropologia da Universidade de Montreal, explicou para a Forbes o que isso significa.

“Falamos muito sobre a importância da diversidade biológica, mas também devemos estar cientes de como nós, como espécie, adotamos uma ampla variedade de estratégias diferentes para viver neste planeta”, diz. “A mudança climática global não afeta a todos da mesma forma. O mesmo evento terá impactos diferentes em escalas regionais e locais. Isso significa que a arqueologia das mudanças climáticas é uma fonte potencialmente rica de informações sobre como eventos em escala global podem afetar regiões menores e uma fonte de estratégia para lidar com as mudanças climáticas no futuro.”

Exemplos disso podem ser encontrados em certas práticas agrícolas tradicionais, que possuem a capacidade de oferecer alternativas válidas para ajudar a tornar a agricultura industrial mais sustentável. Um caso notável sobre o assunto é a recente readoção de alimentos antigos como a quinoa, alimento básico dos incas por cerca de 5.000 anos, que tem “uma adaptabilidade extraordinária a diferentes regiões agroecológicas”, incluindo ambientes áridos.

Enquanto isso, os agricultores modernos da América do Norte reinstituíram as técnicas de agricultura multicultural dos nativos norte-americanos em torno das safras das “três irmãs” – milho, abóbora e feijão -, que, quando plantadas juntas, formam uma relação simbiótica mutuamente benéfica. Nossos ancestrais distantes reconheceram que “o cultivo de uma variedade de culturas significa que, se as condições climáticas limitarem o crescimento de alguma delas, isso pode, na verdade, favorecer a outra plantação”, observa Ariane.

E não é apenas na agricultura que a arqueologia pode nos ensinar sobre estratégias de adaptação ao clima. Grupos indígenas da Austrália mostraram como as estratégias tradicionais de manejo do fogo podem reduzir enormemente o risco de incêndios florestais catastróficos, como os que estão devastando o oeste dos Estados Unidos e o  Canadá.

Em outro lugar, arqueólogos como Jennifer Pournelle, da Universidade da Carolina do Sul, argumentaram que eventos climáticos catastróficos, como o aumento do nível do mar na Mesopotâmia, podem ter sido catalisadores para uma reorganização completa da sociedade, levando a trabalhos de irrigação em grande escala que possibilitaram o nascimento das primeiras cidades. Outros estudos demonstraram o papel da mudança climática no colapso de alguns dos grandes impérios do mundo, como o Império Khmer, no Sudeste Asiático.

VEJA TAMBÉM: Presidência do G20 diz que ministros não chegaram a acordo para comunicado sobre clima

Em uma sessão de perguntas e respostas que coincidiu com o lançamento do artigo, Ariane ressaltou que a razão pela qual a arqueologia pode se provar uma ferramenta tão importante é o fato de que ela revela uma diversidade de soluções para as mudanças climáticas.

“É a variedade de estratégias que funcionaram no passado que é interessante, pois nos fornece uma gama de soluções possíveis para os problemas que enfrentamos atualmente”, explicou. “Os modeladores climáticos também usam o passado como um campo de testes, onde podem tentar modelar sistemas climáticos muito diferentes dos de hoje, como o rápido aquecimento que ocorreu entre 14.700 e 12.700 anos atrás. Isso os ajuda a modelar possíveis resultados das mudanças climáticas no futuro.”

Ariane concluiu dizendo que a arqueologia poderia oferecer aos seres humanos algo diferente da desgraça e da tristeza em face das crescentes crises climáticas. Ainda há esperança”, disse ela. “As pessoas têm experimentado soluções para as mudanças climáticas há milênios. Algumas delas enfrentaram condições muito piores do que hoje, mas sobreviveram e até floresceram. Podemos olhar para o passado em busca de inspiração e soluções práticas para tomar decisões informadas para o futuro.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).