Apresentado por       

Cidade do México usa energia solar para limpar água de canais da era asteca

Pesquisadores utilizam a fonte renovável para acionar uma bomba que envia "nanobolhas" para realizar a limpeza.

Redação
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Toya Sarno Jordan/Reuters
Toya Sarno Jordan/Reuters

Cientistas mexicanos implantam nanotecnologia para limpar canais de Xochimilco, na Cidade do México

Acessibilidade


Cientistas mexicanos desenvolveram um sistema único de “nanobolhas” usando energia solar para melhorar a qualidade da água nos canais da zona ecológica de Xochimilco, na Cidade do México, uma atração turística popular.

As autoridades da Cidade do México vêm tentando limpar as águas há muito poluídas de Xochimilco, um Patrimônio Mundial da Unesco e uma das poucas áreas da capital que ainda possui redes de canais que datam da época dos astecas.

LEIA TAMBÉM: Revolução em Wall Street: como o ESG está transformando o mercado financeiro

Uma equipe de pesquisadores do Cinvestav (Centro de Pesquisas e Estudos Avançados) desenvolveu um método que usa a energia solar para acionar uma bomba que envia “nanobolhas” de limpeza para a água.

As bolhas ajudam a oxigenar a água, eliminando poluentes nocivos e reduzindo as emissões de gases de efeito estufa, o que leva a uma flora e fauna mais saudáveis, de acordo com Refugio Rodríguez Vázquez, pesquisador da Cinvestav.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Nos locais que temos borbulhado, temos visto uma boa proliferação da rã Moctezuma”, disse Rodriguez, referindo-se a uma das espécies de anfíbios nativas do México.

Xochimilco é conhecido pelas suas “chinampas”, canteiros flutuantes de produtos agrícolas cultivados pelos astecas no século XIV para alimentar a população da cidade pré-hispânica.

O sistema de nanobolhas permite que os agricultores locais “possam trabalhar em suas chinampas e torná-las produtivas por meio de um ambiente e condições mais limpos”, disse Rodríguez.

A equipe do Cinvestav disse que o sistema de nanobolhas também está sendo aplicado em duas estações de tratamento de água e poderia ser replicado em outras hidrovias na Cidade do México, onde a qualidade da água é considerada ruim e o abastecimento muitas vezes está à mercê de secas.

Os painéis solares que alimentam a tecnologia de nanobolhas são colocados em cima das famosas “trajineras” de Xochimilco, barcos semelhantes a barcaças que transportam turistas pelos canais. Eles também fornecem eletricidade a bordo.

“Pode trazer-nos mais benefícios, tanto ao turismo nacional como internacional”, disse Miguel Poblano Lugo, prestador de serviços da trajinera. “Quem traz o celular e não tem bateria pode recarregá-lo ali mesmo.” (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: