Cativeiro na Flórida garante a produção de caviar Beluga

Mark Zaslavsky, um imigrante ucraniano que vive na Flórida, tem trabalhado nos últimos 35 anos na importação e distribuição de caviar. Ele é proprietário do Sturgeon Aquafarms, um negócio de aquicultura de ovas de esturjão que trabalha, entre suas ofertas, com a rara espécie beluga.

LEIA MAIS: 3 deliciosos pratos para comer com caviar

Zaslavsky começou no negócio de caviar como importador, quando abriu o que se tornou uma operação altamente bem-sucedida de alimentos importados em Miami. Mas, com a crise do antigo regime soviético, o empreendedor começou a se preocupar com o suprimento de caviar selvagem proveniente da Rússia.

Seu pressentimento estava certo, pois o excesso de pesca e a caça ilegal dizimaram a população de esturjões, e os estoques nunca mais se recuperaram totalmente.

O esturjão-beluga é um dos peixes mais antigos que existem, com mais de 250 milhões de anos. Atualmente, a espécie está em extinção. Em 2005, o Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA declarou oficialmente a espécie ameaçada e proibiu sua importação para o país.

A produção de esturjão permanece, em grande parte, ameaçada ainda hoje, então a maior parte do caviar colhido vem de espécies criadas em cativeiros, muitos deles nos Estados Unidos.

Ao trabalhar em colaboração com os biólogos, Zaslavsky e seus parceiros decidiram abrir suas próprias instalações de aquicultura, recriando “O Mar Cáspio na Flórida”. A Sturgeon Aquafarms é a única empresa legalmente autorizada a cultivar e colher a rara variedade de caviar de Belugas nos Estados Unidos. O negócio até teve seu caviar geneticamente testado para provar que seus estoques são idênticos aos da Beluga do Mar Cáspio, apesar de seu habitat na Flórida.

Zaslavsky diz que a Flórida ajudou a acelerar esse processo. “Temos que agradecer ao meio ambiente da região”, ele brinca, explicando que por lá os peixes crescem mais rápido do que em seu habitat natural.

“Demorou alguns anos para trazer a espécie para cá”, disse o empreendedor sobre a operação. “Trouxemos reprodutores de diferentes famílias e gerações para que pudéssemos ter uma reserva genética por muitos anos.” Os carregamentos de peixes vivos exigiu 13 voos transatlânticos da Europa para Miami. “Nós trouxemos peixes no estágio juvenil, então levamos quase dez anos para cultivar peixes de dois a 100 quilos”, explica. A empresa também teve que reconstruir algumas de suas estruturas após o Furacão Michael. Mas Zaslavsky afirma que eles estão, atualmente, bem preparados para o futuro. “Nos próximos 50 anos já não precisaremos mais de peixes selvagens.”

SAIBA TAMBÉM: Bolinho coberto com caviar custa R$ 393

A Sturgeon Farms é uma empresa de 4.856.23 metros quadrados, construída no aquífero Bascom, na parte da Flórida que fronteira com o Alabama e a Geórgia. Alguns moradores se opuseram ao negócio quando ele foi construído, mas Zaslavsky acabou conseguindo persuadir os vizinhos de que sua operação respeitaria os canais locais.

A empresa pretende ser uma operação sustentável, que oferece não apenas uma alternativa comercial ao caviar, mas também ajuda a aumentar a presença da espécie na Rússia. A Strugeon Aquafarms ofereceu recentemente cerca de 80 mil óvulos fertilizados para serem devolvidos ao Mar Cáspio, e espera fornecer ainda mais no futuro.

Veja, na galeria abaixo, algumas fotos da Sturgeon Aquafarms:

  • A rara espécie beluga da Sturgeon Aquafarms.

  • O excesso de pesca e a caça ilegal dizimaram a população de esturjões.

  • Ao trabalhar em colaboração com os biólogos, Zaslavsky e seus parceiros decidiram abrir suas próprias instalações de aquicultura, recriando “O Mar Cáspio na Flórida”.

  • O esturjão-beluga é um dos peixes mais antigos que existem, com mais de 250 milhões de anos.

  • A Sturgeon Farms é uma empresa de 4.856.23 metros quadrados, construída no aquífero Bascom.

A rara espécie beluga da Sturgeon Aquafarms.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).