7 coisas que você não sabe sobre vinícolas e vinhedos na China

Getty Images / FangXia Nuo
A China é agora o terceiro maior mercado do mundo em consumo de vinho (de acordo com valor e não volume) e conta com a segunda área mais cultivada com vinhas no planeta

Resumo:

 

  • Embora a China não seja tão conhecida por suas regiões centradas no cultivo de vinho, a menção mais antiga de vinhedos no país data da Dinastia Han, nos registros de Zhang Qian, no século 2;
  • Ningxia é uma das áreas mais promissoras para a atividade, e se localiza no vale entre o rio Amarelo e a base da montanha Helan;
  • A China apresenta o sexto maior mercado de produção e conta com a segunda área mais cultivada com vinhas em todo o mundo.

“Acabei de desembarcar em Pequim a caminho de Ningxia para passar o fim de semana e visitar vinícolas por lá.”

Eu tuitei essa frase há algumas semanas após a chegada à China, ciente de que nunca mais poderia juntar essa sequência específica de palavras. Não se tratava de pousar em São Francisco, a caminho de Sonoma, ou em Paris, rumo a Champagne, ou mesmo em Cape Town, em direção a Stellenbosch.

VEJA MAIS: 4 vinhedos para visitar na Califórnia

Era China e Pequim, rumo a Ningxia, e eu estava pronto para analisar semelhanças e contrastes entre essas vinícolas e outras em regiões que conheço ou entendo melhor. Era garantido que a visita seria reveladora, e eu estava longe de me decepcionar.

Embora seja um desafio capturar esta experiência em sete itens importantes, tentei aqui orientar o que vi em torno de “temas comuns”  consistentes com qualquer região vinícola.

  • 1. História mais antiga

    A menção mais antiga de vinhedos na China data da Dinastia Han, nos registros de Zhang Qian, no século 2.

  • 2. Pegada Atual

    A China é agora o terceiro maior mercado do mundo em consumo de vinho, de acordo com valor e não volume. É o sexto maior mercado de produção e conta com a segunda área mais cultivada com vinhas em todo o mundo.

    Uvas para vinho são cultivadas em muitas localidades da China, e Ningxia é uma das mais promissoras. Embora, como um todo, a região cubra cerca de 66.400 km², a maior parte da viticultura se situa em um vale de rio de 160 quilômetros no norte da região.

  • 3. Quem colhe as uvas?

    É uma pergunta que faço em todos os lugares onde vou, e as respostas em Ningxia refletem a maioria das que ouvi em outras áreas de cultivo de vinho do mundo. No Château Zhihui Yuanshi, por exemplo, os dez trabalhadores do vinhedo viviam em uma área muito pobre no sul de Ningxia, antes de se mudarem para o norte, a fim de trabalhar. Todavia, suas famílias também migraram e hoje se estabelecem perto da vinícola. Já no vinhedo Château Moser, também em Ningxia, que opera de forma totalmente diferente, são contratados aproximadamente 500 famílias diferentes para comprar uvas. O tamanho da vinha de cada uma é inferior a 20 hectares, e os contratos geralmente são de cinco anos. Enquanto o vinhedo de Tiansai, localizado no noroeste da China, na região de Xinjiang, emprega 30 famílias (cerca de 70 pessoas) compostas por agricultores que vieram de regiões altamente populosas, como Hunan.

  • 4. Desafios climáticos e trabalhistas

    Ningxia sofre um inverno longo e frio para complementar sua curta estação de crescimento. Para proteger as videiras durante o inverno, um monte isolante de terra é empilhado ao redor da base da planta. (Uma técnica semelhante é praticada em vinhedos com clima semelhante, como os de Vermont.) É um processo caro, demorado e trabalhoso, mas necessário, que é completado pela abundante força de trabalho da região.

    Imagine a massa terrestre da China dividida por uma linha que segue leste-oeste, com dois terços do país ao norte, e um terço ao sul. Quaisquer videiras ao norte da linha precisariam ser enterradas durante o inverno para protegê-las e garantir sua sobrevivência.

  • 5. Localização

    Ningxia se localiza na região centro-norte da China, no vale entre o rio Amarelo e a base da montanha Helan. O curso de água é uma fonte de irrigação e a sub-região montanhosa é particularmente bem vista para o cultivo de vinho. Ningxia se situa ao sudoeste de Pequim, a cerca de duas horas de voo da capital.

  • 6. Uvas comuns

    A maioria dos vinhos é feita a partir de uvas internacionais, como cabernet sauvignon, cabernet franc e chardonnay. As menos familiares incluem cabernet gernischt e marselan.

  • 7. Padrões de consumo por estilo e origem do vinho

    O ano de 1996 foi um marco de virada para o vinho na China. Antes disso, a maior parte do consumo era representada por vinho branco; após essa data, passou a ser principalmente de vinho tinto.

    A linha de tendência do consumo doméstico desta bebida na China está caindo, mas a quantidade de vinho importado para a o país persiste em crescimento. Os cinco principais importadores da China são, em ordem, França, Austrália (cujos números positivos foram os mais consistentes de todos), Espanha, Chile e Itália.

1. História mais antiga

A menção mais antiga de vinhedos na China data da Dinastia Han, nos registros de Zhang Qian, no século 2.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).