Ter um jato particular hackeado é mais fácil do que parece; saiba por quê

Getty Images
Para se proteger, não basta que os aparelhos e tripulantes a bordo estejam seguros virtualmente

Resumo:

  • Em 2018, 81% dos jatos particulares que usam os serviços da Satcom Direct sofreram pelo menos uma tentativa de invasão;
  • Visitantes que abrirem um e-mail de phishing no avião podem comprometer a segurança da aeronave e permitir o ataque virtual;
  • O diretor de cibersegurança da empresa afirma que CEOs com patrimônios altos são os principais alvos dos hackers.

Quando você estiver dentro de seu próprio jato, com seus próprios pilotos e comissários de bordo que passaram por todo tipo de verificação de antecedentes, você estará seguro. Hora de começar um negócio ou simplesmente relaxar e conversar com seus convidados.

LEIA MAIS: Bombardier revela modelo renovado de jato executivo

Josh Wheeler, diretor de soluções de segurança cibernética da Satcom Direct, diz que não é bem assim. Ele ressalta que, no ano passado, 81% dos 600 jatos particulares que usam seus serviços de proteção sofreram pelo menos uma tentativa de invasão.

Se só isso não te assusta, ele reforça que as chances de estar vulnerável são maiores do que se imagina. As empresas trabalham arduamente para proteger laptops e celulares empresariais, mas um hóspede ou funcionário usando smartphone ou computador pessoal que faz login no wi-fi do seu jato particular e abre um e-mail de phishing, pode comprometer a segurança.

Wheeler diz que, para a maioria dos CEOs de alto patrimônio, os jatos devem ter desempenho e conforto. Para o departamento de voos corporativos, o foco está na segurança relacionada à aviação e na excelência operacional.

Em muitas empresas, segurança corporativa não vê necessariamente intromissões no jato do chefe como parte de seu escopo, principalmente porque eles provavelmente estão sobrecarregados tentando acompanhar ciberterroristas cada vez mais sofisticados.

Sobre o portfólio de serviços de segurança cibernética da SD, Wheeler diz que são necessárias mais de duas décadas de experiência em conectividade para auditar seu jato e descobrir pontos fracos em suas defesas e conectá-los.

Os clientes da empresa incluem de aviação comercial, militar, governo e chefes de Estado. Sediada em Melbourne, Flórida, a Satcom Direct possui escritórios no Canadá, Reino Unido, Emirados Árabes Unidos, Suíça, Hong Kong, Austrália, Rússia, Brasil e África do Sul.

“Independentemente de você estar no chão ou no ar, se você pode ver a internet, os hackers podem vê-lo”, diz o diretor.

Ainda não está convencido?

Wheeler reforça que as tentativas de invadir jatos particulares não são necessariamente acidentais, estão no lugar errado na hora errada, mas são especificamente direcionadas aos alvos.

Ameaças críticas e de alto nível aumentaram 54% no ano passado, aponta. Ambos podem causar o que ele descreve como “sérios danos a longo prazo às redes corporativas”.

Os serviços da Satcom Direct começam com a avaliação de riscos e incluem monitoramento de ameaças, indo até a capacidade de rotear a conexão do seu jato por meio de uma rede privada SD. Eles também oferecem treinamento para membros do seu departamento de voo.

Os programas tem valor inicial de US$ 795 mensais, e outros serviços variam entre US$ 20 mil e US$ 30 mil por ano.

Ele cita uma fala do CEO da IBM, Ginni Rometty, que disse: “O crime cibernético, por definição, é a maior ameaça para todas as profissões, todos os setores, todas as empresas do mundo”.

VEJA TAMBÉM: Como o E195-E2 da Embraer pode enfrentar os gigantes da aviação mundial

Para Wheeler, o maior desafio é que CEOs, proprietários de jatos e pessoas com alto patrimônio assumem que seu escritório já oferece proteção suficiente para hackers ou eles ainda não sabem que isso é um problema. Em termos de custo, ele observa: “É menos do que os proprietários de jatos gastam em manutenção”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).