Viagem diferentona: 10 melhores destinos pouco convencionais para 2020

ReproduçãoForbes
As agências de luxo mais experientes estão tornando os destinos remotos acessíveis aos viajantes

Sempre houve motivos para viagem a lugares pouco convencionais. Geralmente é uma fuga adequada do cotidiano em um mundo cada vez mais homogeneizado. Hoje em dia, apenas encontrar um lugar sem Starbucks ou KFC parece uma grande expedição de aventura.

Mas em 2020, há mais motivos ainda para isso. Os países fechados estão se abrindo. As agências de luxo mais experientes estão tornando os destinos remotos acessíveis aos viajantes que não desejam se arriscar muito. 

VEJA TAMBÉM: 5 melhores lugares para viajar em 2020

“Onde podemos evitar a grande massa de turistas?” esteve entre as perguntas mais comuns que a agência Brown + Hudson recebeu em 2019, segundo Philippe Brown. “Estamos descobrindo maneiras inovadoras de combater o turismo excessivo e responder às crescentes demandas de nossos clientes para ideias de viagens sustentáveis ​​e fora dos roteiros mais conhecidos”. Os guias da empresa aprenderam a dar vida a lugares menos óbvios e pouco explorados, de uma maneira que produz a riqueza de conteúdo que você esperaria de seus equivalentes com excesso de turistas, levando as pessoas para a pequena vila de Asolo em vez de Veneza, por exemplo.

Para identificar lugares distantes do mapa turístico, perguntei a alguns dos meus especialistas favoritos. Abaixo (em ordem alfabética), veja os destinos menos badalados para explorar em 2020.

  • Armênia

    “A Armênia tem uma qualidade autêntica e crua, que é extremamente difícil de encontrar”, diz Tom Marchant, cofundador do Black Tomato. “No início da construção do turismo local, o destino é rico em cultura e tradições antigas, paisagens deslumbrantes das montanhas do Cáucaso e arquitetura original deslumbrante. É ideal para viajantes que buscam uma jornada cultural genuína e impactante, livre de armadilhas para turistas e experiências fabricadas.”

  • Chade

    O Chade conquistou a independência da França em agosto de 1960, o que significa que 2020 é o 60º ano de sua independência, explica Andrea Ross, diretora administrativa da Wild Frontiers. Um aniversário raramente é motivo para visitar um lugar, mas o quinto maior país da África é “enorme, seguro e praticamente intocado pelo turismo”, diz ela. “A nova excursão em grupo da Wild Frontiers reúne algumas das mais antigas obras de arte do Saara, as misteriosas formações rochosas do Maciço Ennedi e os Lagos Ounianga, uma impressionante vista do azul no deserto, que é Patrimônio Mundial da Unesco. Esta é a África em sua forma mais pura, e uma viagem para os verdadeiramente aventureiros, que verão poucas pessoas em seu caminho.

  • China (ecoturismo)

    Sim, isso existe. “O ano de 2020 é de grande importância para o turismo chinês, com a abertura de um novo sistema de parques nacionais projetados para preservar a vida selvagem mais evasiva da China, florestas intocadas e reservas naturais”, diz Marchant. “Para o Black Tomato, isso significa acesso exclusivo a mais oportunidades de ecoturismo. Para viajantes que procuram explorar a China de maneiras únicas, como ajudar nos esforços locais de conservação, oferecendo-se como guardião de pandas em Dujiangyan ou rastreando pandas gigantes na natureza.”

  • Eritreia

    “Com uma nova, ainda que imperfeita, paz entre Eritreia e Etiópia, agora é a hora de visitar este país em desenvolvimento”, diz Kristina Tuohey, diretora-gerente de produtos da GeoEx. “A infraestrutura é limitada, mas para o intrépido viajante, a oportunidade de explorar um país que está se abrindo para o turismo é emocionante.” O lugar tem “influências culturais variadas –italiana, egípcia, otomana– arquitetura art déco requintada, uma rica diversidade de vida selvagem e fauna e paisagens de tirar o fôlego.”

  • Semuc Champey, Guatemala

    “Até agora, essa região remota e de cair o queixo estava no radar apenas de moradores, mochileiros corajosos e pessoas do setor de viagens”, diz Marchant. “Ela era acessível apenas para viagens rápidas devido à falta de acomodações e nunca dava aos visitantes a chance de mergulhar profundamente em sua cultura. Um acampamento de luxo do Black Tomato pode mudar isso. Agora as hospedagens são possíveis e respeitosas com os ambientes pouco explorados que tornam Semuc Champey tão espetacular. ”

  • Mongólia

    “Os viajantes estão buscando mais oportunidades de entrar em contato com a natureza em destinos selvagens”, observa Ross. “Viagens para o Festival Altai Kazakh Eagle, na Mongólia, no extremo oeste do país, têm se tornado particularmente populares. Cerca de 50 caçadores de águias exibem a destreza de seus pássaros, além de corridas de camelos e jogos a cavalo. Em nosso passeio, os hóspedes ficam em acampamentos e passam tempo com famílias nômades. Outros destaques incluem a arte rupestre antiga do Parque Nacional Tavan Bogd e um cenário em constante mudança, incluindo lagos alpinos e geleiras deslumbrantes.”

  • Paquistão

    A Wild Frontiers aponta o Paquistão como o próximo grande destino há alguns anos e agora ainda mais com a recente visita e o selo real de aprovação do duque e da duquesa de Cambridge. “O Paquistão é talvez o melhor destino de viagens de aventura”, diz o fundador Jonny Bealby. “Oferece civilizações antigas do Indo, que remontam a 4.000 anos, e emocionantes cidades como Lahore, com seus fortes, mesquitas e palácios. Mas, acima de tudo, oferece um cenário incrível, principalmente no norte, onde as três maiores cadeias de montanhas estão juntas. O Paquistão é ótimo para caminhadas, mountain bike, rafting ou apenas turismo cultural. A infra-estrutura também melhorou, com estradas remodeladas e novos túneis reduzindo o tempo de viagem, além de hotéis de luxo na região.” A excursão de 16 dias da Wild Frontiers viaja até a fronteira noroeste, contemplando paisagens montanhosas, o povo Kalash, o vale de Hunza e o reino de Chitral.

  • Arábia Saudita

    “A mudança é palpável. É um momento extraordinariamente empolgante para olhar um destino que já foi amplamente fechado para os visitantes”, diz Tina Liadis, diretora de vendas globais da GeoEx. “Existe um espectro espetacular de diversas atrações, desde sítios arqueológicos antigos até cidades modernas, fortes de tijolos de barro, florestas verdejantes e dunas de areia vermelha.” Os turistas do GeoEx podem “estar entre os primeiros de Wadi Hesma, conhecer famílias locais e artesãos em ascensão e desfrutar de acesso exclusivo a casas sauditas particulares, coleções de museus, galerias de arte e coletivos de arte; Ademais, explore os deslumbrantes locais do patrimônio mundial da Uneso e faça tudo isso antes dos outros turistas!”

  • Tunísia e Argélia

    “Com a recente expulsão do ex-líder da Argélia, as viagens estão começando a se abrir neste país fascinante”, diz Tuohey, observando que o destino combina bem com o vizinho do nordeste. “Ambos os países têm mesquitas maravilhosas, mercados e arquitetura únicas e compartilham uma rica história romana, como evidenciado nas ruínas de Cartago, El Djem e Dougga na Tunísia e Timgad e Djemila na Argélia.”

  • Uzbequistão

    O país facilitou a visita de estrangeiros e está se beneficiando da situação do Irã, mas Ross está convencido de que o Uzbequistão não é um prêmio de consolação (é muito mais do que isso). “É realmente um prêmio por si só”, explica ela. “A Rota da Seda foi uma rota migratória por muitos anos, mas o Uzbequistão foi estabelecido no século 6 por pessoas com um estilo de vida menos nômade. Isso levou cidades como Khiva, Bhukara e Samarkand a terem mesquitas incríveis, mercados e uma história literalmente gravada em pedra. Você pode ver a história daqueles que se estabeleceram aqui, mas também as impressões deixadas na arquitetura, cultura e crenças religiosas, de Alexandre, o Grande, aos peregrinos da Rota da Seda. Fazemos nossos passeios fora do caminho batido para as paisagens e pessoas além das cidades. Ficando nas montanhas de Nuratau, vemos a vida da vila e as tradições e cultura além dos muros urbanos.”

Armênia

“A Armênia tem uma qualidade autêntica e crua, que é extremamente difícil de encontrar”, diz Tom Marchant, cofundador do Black Tomato. “No início da construção do turismo local, o destino é rico em cultura e tradições antigas, paisagens deslumbrantes das montanhas do Cáucaso e arquitetura original deslumbrante. É ideal para viajantes que buscam uma jornada cultural genuína e impactante, livre de armadilhas para turistas e experiências fabricadas.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).