Dá para conhecer a mágica Giverny, de Monet, em um tour virtual

ReproduçãoForbes
ReproduçãoForbes

Giverny, onde o famoso pintor impressionista francês Claude Monet viveu de 1883 até sua morte em 1926

“Além da pintura e da jardinagem, sou inútil”, escreveu Claude Monet. Dado esse sentimento, não é de admirar que Giverny –onde o artista criou os jardins que inspiraram cerca de 250 pinturas da sua série “Nenúfares”— tenha sido tão querido por ele. Visitar a casa e os jardins é uma experiência inesquecível, que está no topo de muitas listas de viajantes e amantes da arte. Mas, se você não conseguiu conhecer o lugar pessoalmente ainda, o tour virtual da Fundação Claude Monet é uma ótima coisa a se fazer.

Provavelmente, você conhece Giverny, mas não sabe como Monet estava envolvido na criação de seu próprio éden pessoal. Quando visitou Giverny em 1883, o mestre impressionista tropeçou na fazenda abandonada que se tornaria sua propriedade. A terra continha uma casa de estuque negligenciada, pintada de rosa (uma cor bastante incomum para a época e o local), com uma humilde horta, vários canteiros de flores e pomares de maçã que precisavam desesperadamente de cuidados. Mas Monet viu o potencial e se mudou para Giverny com sua segunda esposa, Alice Hoschedé, e os oito filhos que eles tiveram.

Pouco a pouco, à medida que ganhou fama e dinheiro, Monet transformou a propriedade. Do lado de fora da casa, ele arrancou árvores que bloqueavam a luz e ergueu arcadas de metal pingando trepadeiras em seu lugar. Pegou o pomar e o substituiu por cerejeiras e damascos japoneses. Também criou um jardim repleto de milhares de tulipas, narcisos, íris, peônias, rosas e papoulas, dependendo da estação.

VEJA TAMBÉM: Viagem sem sair de casa: sete patrimônios mundiais para visitar remotamente

Eventualmente, ele também comprou um pedaço de terra ao lado de sua propriedade e continuou seu oásis pessoal. Monet era um grande admirador da estética japonesa, então se inspirou em uma gravura da cultura asiática e construiu uma ponte de meia-lua de madeira sobre o lago, a qual pintou de verde em vez do vermelho tradicional.

Monet também levou o tema japonês para a flora que cultivava dentro e ao redor da lagoa, incluindo bambus, ginkgo e ácer e lírios. Depois disso, ele nunca mais quis ir embora: “Demorei algum tempo para entender meus nenúfares… eu os cultivei sem pensar em pintá-los… Não se aprecia totalmente uma paisagem em um só dia, e então, de repente, tive uma revelação da magia da minha lagoa. Peguei minha paleta. A partir deste momento, quase não tenho outro modelo”. Monet viveu em Giverny, sua musa inspiradora, até sua morte em 1926.

Após que ele morreu, a propriedade permaneceu na posse da família de Monet por várias décadas, mas caiu em desuso. Finalmente, em 1980, a Fundação Claude Monet foi criada e, após extensas reformas, a casa e o terreno foram abertos ao público. O tour virtual leva os visitantes a cada cômodo da casa, que ainda é pintada de rosa pastel com persianas verdes alegres. Passeie pelo primeiro estúdio do artista e pela cozinha de azulejos azuis e brancos com dezenas de panelas de cobre polido. Veja os quartos da família, uma ensolarada sala de jantar amarela com cabanas cheias de cerâmica pintadas e salões onde quase cada centímetro quadrado de parede é coberto pela vasta coleção de estampas asiáticas de Monet. Existem mais de 200 gravuras japonesas em tudo o que Monet coletou, estudou e usou como inspiração para seu próprio trabalho.

Os vídeos online passeiam pelos extensos jardins de Monet em todas as estações do ano. Mas é claro que são especialmente lindos na primavera e no verão, quando as flores que inspiraram muitas das obras mais famosas do artista estão florescendo.

Veja na galeria de imagens a seguir um pouco da propriedade:

  • A casa de Giverny durante a primavera.

    ReproduçãoForbes
  • Do lado de fora da casa,Monet arrancou árvores que bloqueavam a luz e ergueu arcadas de metal pingando trepadeiras em seu lugar.

    ReproduçãoForbes
  • A cozinha de azulejos azuis e brancos com dezenas de panelas de cobre polido.

    ReproduçãoForbes
  • Sua ponte verde de madeira sobre o lago foi a inspiração para a obra “Lago com Nenúfares”.

    ReproduçãoForbes
  • A famosa obra “Lago com Nenúfares”, de 1899.

    ReproduçãoForbes

A casa de Giverny durante a primavera.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).