5 livros recomendados por Bill Gates para 2020

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Bill Gates faz lista de livros que reflete os momentos difíceis de 2020

Bill Gates manteve a tradição anual de recomendar seus livros favoritos do ano. O bilionário escreveu no GatesNotes, seu blog pessoal, que 2020 foi “um ano péssimo” e, por isso, escolheu suas obras favoritas para que os leitores possam fechar o ano de uma maneira mais leve.

“Em tempos difíceis, aqueles que gostam de ler acabam indo atrás de todo o tipo de livro”, escreveu Gates. “Neste ano, eu decidi explorar assuntos complexos mais a fundo, como as injustiças que permeiam os protestos Black Lives Matter. Em outros momentos, precisei diminuir o ritmo e acabei escolhendo histórias mais tranquilas.”

LEIA TAMBÉM: Bill Gates indica 5 livros para a quarentena

Todas as escolhas de Gates são de não-ficção e focam em ciência, racismo estrutural e como a história se relaciona com o que a humanidade vai enfrentar em 2021. Veja na galeria de imagens a seguir:

  • “A Nova Segregação: Racismo e Encarceramento em Massa”, de Michelle Alexander

    Essa complexa avaliação sobre o sistema desigual de encarceramento na América é reveladora. Mesmo que o livro tenha sido escrito há mais de dez anos, o conteúdo é mais relevante do que nunca, principalmente após os protestos relacionados às mortes de George Floyd e Breonna Taylor. Gates diz que o livro “coloca o movimento BLM em destaque” e completa falando que “precisamos de outras abordagens e de mais investimentos em comunidades onde vivem pessoas negras.”

    Reprodução
  • “Por que os generalistas vencem em um mundo de especialistas”, de David Epstein

    Baseado em seu TedX Talk de 2014, Epstein explora mais a fundo o seu argumento sobre como o mundo precisa de pessoas generalistas com “uma grande variedade de experiências”, embora prefira especialistas. Gates destaca que os leitores podem terminar a leitura achando que Epstein critica demais os especialistas, mas recomenda que “caso você seja um entusiasta de biologia molecular ou física quântica, vá fundo na leitura”, enquanto reserva um tempo para explorar outros temas.

    Reprodução
  • “O Esplêndido e o Vil: uma Saga Sobre Churchill, Família e Resistência”, de Erik Larson

    Esse relato histórico da Inglaterra de 1940 e 1941 foca na Blitz, a noite em que Londres foi bombardeada pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Gates considera o livro relevante mesmo que não tenha relação com a pandemia e estabelece um elo entre a forma como os britânicos se refugiavam em seus porões e o isolamento que as pessoas vivenciaram em 2020. Larson deixa claro que o estilo de liderança do primeiro-ministro Winston Churchill foi o que colocou os britânicos naquela situação. Gates elogia a análise, mas diz que “a abordagem é muito rasa para ser o único livro sobre Segunda Guerra Mundial que você deveria ler.”

    Reprodução
  • “O Espião e o Traidor: A Maior História de Espionagem da Guerra Fria”, de Ben Macintyre

    Relato real sobre como Oleg Gordievsky, um oficial da KGB, tornou-se um agente duplo no Reino Unido e ajudou a impedir a União Soviética de travar uma terra nuclear contra os Estados Unidos em 1983. Gates escreve que o livro “é empolgante como suas histórias de espiões preferidas.” Dois anos depois, um agente da CIA desmascarou Gordievsky aos soviéticos, o que obrigou o oficial da KGB a fugir. Gates diz que essa passagem é “emocionante”. Uma boa explicação para contextualizar a obra de Macintyre é “entender a cultura profissional na qual Vladimir Putin foi criado.” Gates comparou a suposta interferência de Putin durantes as eleições presidenciais de 2016 às artimanhas utilizadas contra a primeira-ministra britânica Margaret Thatcher nos anos 1980.

    Reprodução
  • “Breath From Salt: A Deadly Genetic Disease, a New Era in Science, and the Patients and Families Who Changed Medicine” (“Uma Doença Genética Mortal, Uma Nova Era na Ciência, e os Pacientes e Famílias que Transformaram a Medicina”, em tradução livre e sem edição em português), de Bijal P. Trivedi

    Essa obra “animadora” sobre fibrose cística conta a história de como inovações científicas levam a descobertas revolucionárias na medicina e como isso se relaciona com o trabalho filantrópico de Gates. Em 1999, um colega da Microsoft sugeriu que o empresário investisse no desenvolvimento de novos remédios para fibrose cística, explicando que dois de seus filhos tinham a doença e temia que eles tivessem pouco tempo de vida. Gates investiu US$ 20 milhões no projeto que desenvolveu três novos medicamentos eficientes contra a doença. Os remédios são mencionados no livro e Gates diz que “é especialmente importante para mim, porque eu conheço as famílias que foram beneficiadas por esse projeto.”

    Reprodução

“A Nova Segregação: Racismo e Encarceramento em Massa”, de Michelle Alexander

Essa complexa avaliação sobre o sistema desigual de encarceramento na América é reveladora. Mesmo que o livro tenha sido escrito há mais de dez anos, o conteúdo é mais relevante do que nunca, principalmente após os protestos relacionados às mortes de George Floyd e Breonna Taylor. Gates diz que o livro “coloca o movimento BLM em destaque” e completa falando que “precisamos de outras abordagens e de mais investimentos em comunidades onde vivem pessoas negras.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).