Fortuna do Príncipe Harry e de Meghan Markle é surpreendentemente pequena; veja os valores

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Após deixaram seus deveres reais, o duque e a duquesa de Sussex contam com o status de celebridades para ganharem dinheiro

O Príncipe Harry e Meghan Markle completaram sua transição para Hollywood e estão iniciando um novo capítulo ainda desconhecido em suas vidas. Eles não são mais considerados membros ativos e em tempo integral da família real britânica e não precisam seguir formalidades diplomáticas. Eles também não têm acesso a equipe de segurança do governo e não recebem patrocínio real.

Até o ano passado, o príncipe de Gales era quem cobria a maioria das despesas associadas aos deveres reais do príncipe Harry, incluindo funcionários e viagens, através do Ducado da Cornualha, que segundo a Forbes são avaliadas em cerca de US$ 800 mil por ano. A Coroa pagou mais de US$ 3 milhões pelas reformas no Frogmore Cottage, que se tornou a casa do casal no Reino Unido. Eles voluntariamente reembolsaram a quantia em setembro com uma contribuição para o Fundo Soberano.

VEJA TAMBÉM: Deixei o Reino Unido para fugir de imprensa tóxica, diz príncipe Harry

Isso os levou à nova vida progressista que queriam, mas também a uma espécie de incerteza financeira, em uma versão da realeza de recém-formados que acabaram de sair de casa para embarcar na independência da idade adulta. Seu irmão mais velho e futuro rei, Príncipe William, cobre suas despesas com a ajuda do Ducado da Cornualha, que no último ano fiscal gastou cerca de US$ 8 milhões para apoiar atividades públicas, beneficentes e pessoais do Príncipe Charles e sua família.

O príncipe Harry falou sobre o fim de suas obrigações reais oficiais com James Corden no “The Late Late Show” da semana passada, dias após o Palácio de Buckingham divulgar um comunicado. Harry questionou a descrição de Corden de que ele estaria “se afastando” da família. “Eu nunca fui embora, estava apenas me distanciando em vez de renunciar meus deveres”, afirmou o príncipe, dizendo que decidiu partir para escapar de uma imprensa implacável. “Todos nós sabemos como a imprensa britânica pode ser, e isso estava destruindo minha saúde mental. Isso é tóxico. Eu fiz o que qualquer marido e pai faria. Eu preciso tirar minha família daqui.”

Sua falecida mãe, a princesa Diana, que morreu em um acidente de carro depois de ser perseguida por paparazzi, tornou a mudança possível. Com o apoio financeiro da Coroa interrompido abruptamente, os membros da realeza contam em grande parte com a herança de US$ 10 milhões que Harry recebeu dos bens de sua mãe. Ao contrário dos relatórios publicados, um representante confirma que ele não foi beneficiário de nenhum dos quase US$ 100 milhões da fortuna deixada por sua bisavó, a Rainha-Mãe. Meghan Markle contribuiu com cerca de US$ 2 milhões, com os ganhos de seus trabalhos em filmes e programas de televisão, mais notavelmente a série de televisão “Suits”.

Em agosto de 2020, eles compraram uma propriedade de US$ 14,7 milhões em Montecito, uma propriedade à beira-mar em Santa Bárbara (Califórnia), que é o lar de celebridades de Hollywood, como Oprah Winfrey e Ellen DeGeneres. Eles gastaram US$ 5 milhões e agora têm cerca de US$ 10 milhões em hipotecas. O duque e a duquesa também reembolsaram o Fundo Soberano pelos US$ 3 milhões gastos para reformar Frogmore, que continua sendo a casa da família no Reino Unido. Isso deixa o Príncipe Harry e Meghan com uma fortuna surpreendentemente modesta de cerca de US$ 5 milhões. O patrimônio líquido estimado do casal, incluindo a casa em Montecito, é de aproximadamente US$ 10 milhões. A Rainha tem um patrimônio líquido de US$ 500 milhões, de acordo com a última contagem da Forbes em 2019. O valor combinado das participações da monarca britânica com o Crown Estate e o Ducado de Lancaster (um fundo imobiliário) valiam cerca de US$ 25 bilhões.

O príncipe e sua esposa norte-americana desejam dedicar suas vidas a ajudar os outros e a melhorar o mundo. “Minha vida sempre será sobre serviço público, e Meghan quer ser parte disso”, disse o príncipe Harry a Corden. Mas eles também precisam pagar contas e graças a seu prestígio global, Hollywood ficará feliz em capitalizar o casal, o que os ajudará a amortecer o golpe financeiro.

LEIA TAMBÉM: “O amor vence”, dizem Harry e Meghan em reflexões sobre 2020 de 1º podcast

No início da semana passada, eles divulgaram uma parceria com o Spotify durante um evento transmitido ao vivo que contou com Justin Bieber, Billie Eilish, Bruce Springsteen, Barack Obama e Ava DuVernay. O duque e a duquesa planejam produzir podcasts e programas que “elevam vozes que talvez não estejam sendo ouvidas” exclusivamente para os 320 milhões de usuários mensais do serviço de streaming em todo o mundo.

O acordo de três anos com o Spotify é avaliado entre US$ 15 milhões e US$ 18 milhões, segundo fontes da indústria. Ainda não se sabe se Harry e Meghan estão recebendo com a parceria, já que o primeiro podcast da Archewell Audio deve levar pelo menos um ano para ser desenvolvido. Mas quando isso acontecer, o podcast renderá cerca de US$ 3,5 milhões por ano, depois de impostos.

O casal começou a aparecer no tapete vermelho de Hollywood muito antes da mudança para a Califórnia. O príncipe Harry e Oprah Winfrey anunciaram em abril de 2019 que seriam os produtores executivos de uma série de saúde mental para a Apple TV+. A série, que enfrentou atrasos de produção durante a pandemia, é uma extensão do trabalho de longa data do duque, em que ele compartilhou abertamente detalhes de suas próprias experiências. Os termos do acordo não foram determinados.

Palestras são outra via potencial para o casal. O príncipe Harry falou em uma cúpula privada do JPMorgan em Miami em fevereiro de 2020, que supostamente arrecadou US$ 1 milhão. No ano passado, eles contrataram a Harry Walker Agency, com sede em Nova York, para angariar palestras. É a mesma agência que representa os Obama, Bill e Hillary Clinton, Lin-Manuel Miranda e Stacey Abrams.

Talvez o maior potencial de gerar dinheiro para o duque e a duquesa seja um contrato lucrativo de cinco anos e US$ 100 milhões com a Netflix, assinado em setembro de 2020, para produzir documentários, longas-metragens, programas com roteiro e programação infantil. Não está claro se o Príncipe Harry e Meghan receberam um adiantamento do acordo, o que provavelmente contribuirá com o patrimônio líquido do casal no futuro. O serviço de streaming reconhece o fascínio de seus assinantes pela família real britânica. A Netflix renovou “The Crown”, um drama de sucesso sobre o reinado da Rainha Elizabeth 2ª, para a sexta e última temporada no ano passado.

O duque e a duquesa de Sussex também tiveram uma entrevista estendida com Oprah Winfrey, que irá ao ar no próximo domingo (7) na CBS. No programa, Meghan discute tópicos como “entrar na vida da realeza”, o que pode despertar desconforto no Palácio de Buckingham. O Príncipe Harry também participou para discutir a mudança para os Estados Unidos e suas esperanças para a expansão da família.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).