Caviar, champanhe e nada de máscara: os jantares VIP clandestinos em Paris que estão causando revolta no país

Imprensa local revelou que restaurantes estão promovendo eventos secretos a integrantes da alta sociedade e políticos durante a pandemia.

Cecilia Rodriguez
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Os ursos de pelúcia se sentam em mesas dentro da icônica brasserie Les Deux Magots em Paris, enquanto os espaços públicos, incluindo cafés e bares, permanecem fechados para conter a disseminação do coronavírus

Acessibilidade


Na França, como em grande parte da Europa, restaurantes e cafés estão fechados há mais de cinco meses e, apesar do descontentamento público e da exaustão com o confinamento, o governo decidiu reforçar o bloqueio para lidar com o aumento das infecções por Covid-19.

Então, quando um vídeo filmado por repórteres da emissora de televisão “M6” usando câmeras escondidas em um restaurante de um bairro sofisticado de Paris como parte de uma investigação sobre a abertura de restaurantes clandestinos para clientes “huppé” (elite) (supostamente incluindo ministros do governo), ocorreu um grande alvoroço em todo o país.

LEIA TAMBÉM: Christie’s leiloará “mais valiosa obra de arte asiática” por até US$ 58 milhões

A história surgiu com os relatos crescentes na mídia sobre restaurantes que oferecem experiências secretas de jantar durante a pandemia do coronavírus.

 

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Quem está falando a verdade?

O furor público sobre as alegações de que a elite política do país estava descaradamente ignorando as regras que eles próprios estabeleceram explodiu nas redes sociais, gerando mais de três milhões de comentários e aumentando a especulação sobre quem compareceu aos jantares secretos (com menus custando mais de € 150 por pessoa – e onde nem funcionários nem convidados usavam máscaras.

Um dos participantes, Pierre-Jean-Chalençon, identificado pelo “The Local” como socialite e colecionador de antiguidades napoleônicas, teria dito que ministros e outros membros do governo frequentemente participavam.

Uma investigação imediata foi ordenada pelo promotor público e Chalençon – alegando que tinha feito apenas uma piada – foi detido brevemente ao lado do “chef das estrelas”, Christophe Leroy.

Chalençon, acrescenta a revista “Le Point”, “explicou ainda que as imagens veiculadas no ‘M6’ das salas privadas, com decoração imperial, convidados sentados e mesas postas foram um ensaio, uma noite de teste para tirar fotos publicitárias, a fim de organizar recepções uma vez que a contenção as medições forem abolidas.”

O governo negou a participação de seus funcionários e o público continua se perguntando quem mais da elite francesa será exposto.

VEJA MAIS: Maison d’Etto patrocina torneio de polo em Miami Beach

Caça às bruxas

Uma “caça às bruxas” da mídia francesa também está em andamento e “qualquer nome famoso que tenha comido em um restaurante clandestino, provavelmente, será vítima de delação”, escreve o “The Local”.

“Neste estágio da investigação, não há evidências que indiquem que algum membro do governo tenha participado dos jantares investigados”, disseram os promotores.

“O vídeo mostra as pessoas zombando com champanhe e caviar a € 200 a cabeça em um restaurante secreto perto do Louvre, no coração de Paris”, escreve o “The Local” em um artigo de opinião sobre como esse escândalo atinge duas das obsessões da França: comida e elitismo.

“Na França, as pessoas se estressam com suspeitas de que as classes altas estão trapaceando e assuntos relacionados com comida. Junte essas duas coisas e o país enlouquecerá.”

 

Condenação nas redes sociais

Para o jornal “L’Opinion”, os “promotores da internet” já deram seu veredito contra as elites que ignoram as regras do coronavírus enquanto o resto do país tem que obedecer e os outros restaurantes permanecem fechados.

“A rápida acusação é sem apelação contra esta elite francesa, acusada de tirar proveito da situação e desprezar os pequenos que estão sofrendo apesar dos bilhões despejados pelo Estado”, escreve Olivier Baccuzat em um artigo editorial intitulado “Os jantares subterrâneos e a panela de pressão. ”

LEIA TAMBÉM: Lionel Messi adiciona estação de esqui de luxo a seu crescente império hoteleiro

“Mas eles devem ser levados muito a sério”, escreveu ele. “Porque, além da desconfiança e suspeita quase permanente nutrida contra os líderes políticos, eles testemunham a panela de pressão que a França se tornou um ano após o início desta crise sanitária.”

John Lichfield, do “The Local”, defende essa visão: “Uma grande parte da população francesa está convencida e continuará convencida de que os ministros – como os porcos na última cena da ‘Fazenda dos Animais’ de George Orwell – estão sempre festejando enquanto as pessoas comuns não têm um croque monsieur (conhecido lanche francês com queijo e presunto) no Bar de Commerce.”

Sua conclusão é inquietante: “A França não é paciente com seus líderes nos melhores momentos. Estes são os piores tempos. ”

 

Membros ‘clandestinos’ do governo?

O canal “M6” mantém suas reportagens, com a Sociedade de Jornalistas de Notícias de TV dizendo que uma fonte anônima confirmou “que pelo menos um membro do governo estava participando de um desses jantares”.

Uma tentativa de Marlène Schiappa, ministra da cidadania, para defender o porta-voz do governo Gabriel Attal, cujo nome foi citado como um dos convidados de um jantar clandestino, saiu pela culatra.

Ela disse que sabia “de uma fonte confiável que realmente havia um convite e que Gabriel Attal o recusou firmemente, dizendo que havia medidas sanitárias”.

LEIA TAMBÉM: Por dentro das fortunas de Alex Rodriguez e Jennifer Lopez: como a separação irá afetar o patrimônio do casal

A declaração de Marlène parece sugerir que Attal estava ciente dos eventos secretos e não as relatou ao promotor público.

Oficialmente, foi anunciado que 200 suspeitos foram identificados e enfrentariam “punições pesadas”, enquanto os membros do governo insistiram que nenhum deles participou dos jantares clandestinos.

 

Ataques e multas pela cidade

A polícia tem conduzido batidas em restaurantes como parte da investigação sobre possíveis acusações de perigo e trabalho não declarado e para identificar os organizadores e participantes dos encontros.

Os detetives também revistaram as casas do chef que criou menus especiais que custam até € 490 por pessoa e do proprietário de um restaurante em um dos bairros chiques de Paris.

O “Le Parisien” informou que mais de 110 pessoas reunidas em um restaurante ‘secreto’ no 19º arrondissement de Paris na semana passada foram multadas “por não conformidade com as medidas sanitárias”, enquanto o organizador e o gerente do restaurante foram levados sob custódia policial por “colocarem em perigo a vida de outras pessoas e o trabalho não declarado.”

Posteriormente, eles foram soltos enquanto aguardavam “mais investigações”.

VEJA MAIS: BTS, Ariana Grande e Justin Bieber: a máquina de sucesso da Hybe

O “Le Point” escreve que “outros 62 participantes foram presos almoçando em outro restaurante ilegal no sofisticado subúrbio de Saint-Ouen em Paris”.

A polícia também recebeu a solicitação para reprimir grandes reuniões ao ar livre que desrespeitam as restrições da Covid-19, de acordo com a “AFP”: “Por exemplo, 150 se reuniram para uma festa em um hangar desativado em Fuveau, no sul da França, perto de Aix- en-Provence. A polícia dispersou a festa e aplicou multas. A polícia também foi chamada para separar um grupo de 200 a 300 pessoas reunidas na margem do rio em Lyon, a maioria estudantes com idades entre 15 e 25 anos ”.

Os organizadores de tais eventos são esperados em audiências judiciais e podem pegar até um ano de prisão e multa de € 15 mil. Os participantes poderão receber duas multas de € 135 cada por não respeitarem o toque de recolher e não usarem máscara.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: