Como “Cruella” aproxima Hollywood ainda mais do domínio total das franquias

Reprodução/Disney
Reprodução/Disney

Filme de origem de Cruella De Vil será lançado em maio pela Disney, com Emma Stone no papel da vilã

Se ninguém seguir o meu conselho e antecipar um de seus maiores filmes para antes do feriado de Memorial Day (comemorado em 31 de maio nos Estados Unidos), então, por padrão, os primeiros grandes longas do verão norte-americano serão “Um Lugar Silencioso 2”, da Paramount, e “Cruella”, da Disney. O estúdio lançou um trailer final de “Cruella” nesta semana. É mais do mesmo, com Emma Stone fazendo cosplay de uma espécie de híbrido de Arthur Fleck com Louis Bloom e, eventualmente, se tornando a vilã que todos nós conhecemos e amamos. O novo trailer apresenta um duelo entre Emma e a baronesa von Hellman (vivida pela atriz Emma Thompson) e oferece garantias de que os cães não serão massacrados.

Assim como “Malévola” de Angelina Jolie, o gancho principal por trás desse filme de origem é a mera ideia de Emma Stone sendo Cruella de Vil. Verdade seja dita, o filme parece adequadamente estiloso, com Emma tendo uma explosão exagerada e excêntrica. Só posso esperar que isso possa ser uma visão distorcida do feminismo recente de “girl boss” da Disney. “Eu, Tonya”, de Craig Gillespie, apresentou algo semelhante em termos de vilania simpática. O fato de o filme estar sendo vendido como o “Coringa” da Disney e, francamente, parecer estar se desenrolando como o clássico moderno de David Gilroy, “O Abutre”, torna “Cruella” um exemplo potencialmente poderoso do cinema moderno de Hollywood.

VEJA TAMBÉM: 10 filmes mais caros de todos os tempos

Não é apenas um filme infantil usando um filme adulto como modelo, mas sim suplantando esse subgênero para todos os públicos. Adaptar livremente um filme adulto é uma boa maneira de começar seu filme voltado para crianças com uma base sólida. Pense, de imediato, em “Carros” (“Dr. Hollywood – Uma Receita de Amor”), “Gigantes de Aço” (“Falcão – O Campeão dos Campeões”), “Pedro Coelho” (“Três é Demais”), “Meu Amigo, O Dragão” (“Mama”) e “Logan” (“Filhos da Esperança” e “Herança de Sangue”). Mas esse tipo de apropriação parece diferente, porque a intenção parece diferente. Walt Disney prefere que o público assista a “Cruella” não junto com, mas em vez de “O Abutre”.

Não é nenhum segredo que os filmes de super-heróis de histórias em quadrinhos desbancaram os filmes de gênero convencionais, oferecendo prazeres específicos do gênero, juntamente com comédia específica do personagem, ação em grande escala e personagens marcantes, tudo em um pacote para não haver necessidade de procurar mais em outro lugar. O que antes era único com “O Cavaleiro das Trevas” de Chris Nolan (ainda indiscutivelmente uma das únicas apropriações de gênero que parece um filme de gênero primeiro e um filme de super-herói de quadrinhos depois) é agora precisamente como os filmes da Marvel e da DC se diferenciam e arrasam a competição. Filmes como “Coringa” e “Cruella” podem estar tentando dominar os estudos diretos de personagens também.

Ninguém assistindo a “Meu Amigo, o Dragão” (que ainda é o melhor dos recentes remakes/reformulações de live-action da Disney) vai abandonar um filme de terror como “Mama”. Ninguém vai assistir a “Pedro Coelho” e decidir nunca mais assistir a “Três é Demais” novamente. Mas esses mergulhos recentes no cinema especificamente “adulto” parecem menos uma aproximação e mais uma replicação para sufocar o original. Já vimos isso com gêneros específicos de ação: o público ligado em “O Mandaloriano” em vez de “Relatos do Mundo”, a audiência aprovando “Homem-Aranha: De Volta ao Lar”, mas não “Quase 18”, ou o público preferindo “Aquaman” a “O Menino que Queria Ser Rei”.

A questão é se franquias específicas de personagens e propriedades intelectuais relacionadas podem de fato suplantar não apenas os filmes convencionais de ação/suspense/fantasia, mas essencialmente tudo. Eu diria que a batalha já está meio perdida, já que pelo menos parte da excitação por “Coringa” e “Logan” eram de espectadores saturados de franquias que não tinham visto muito do “artigo original”. Todos nós afirmamos querer lançamentos cinematográficos para adultos, inclusivos e não-franqueados, mas ignoramos “As Viúvas” e “Operação Overlord” em favor de “Halloween”, “Venom”, “O Grinch” e “Animais Fantásticos 2”. Isso só soma à minha teoria de que as pessoas não ligam sobre inclusão quando se aplica a filmes e programas de TV que elas já queriam assistir.

Cruella parece uma diversão perversa, com sensibilidades aparentemente mais próximas da maluca “Malévola: Dona do Mal” do que da “respeitosa demais” “Mulan”. O fato de seu personagem-título ser apresentado não como alguém inocente que se tornou mau pelas circunstâncias, mas como uma maçã podre desde o início, quase se qualifica como um progresso para uma Disney que recentemente parece relutante em se comprometer com a vilania total em suas personagens. E sim, estou morrendo de vontade de ver como “Cruella” não ganhou a classificação etária livre, como se esperava. Vamos descobrir em 28 de maio de 2021. Lembre-se, você pode e deve assistir “Cruella” e “O Abutre”, “Coringa” e “O Policial Fora de Controle” ou “Halloween” e “Operação Overlord”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]forbes.com.br).