Muito além do R$ 1,5 milhão: 11 participantes que fizeram muito dinheiro sem ter vencido o BBB

Juliette Freire se tornou um fenômeno nas redes sociais e, caso não ganhe o programa, tem potencial para conquistar valor equivalente em poucos meses.

Rebecca Silva
Compartilhe esta publicação:
Reprodução
Reprodução

Grazi Massafera e Sabrina Sato eram vistas como as poucas ex-BBBs com carreiras bem-sucedidas, mas o BBB 20, do qual participou Manu Gavassi, serviu como ponto de virada no uso das redes sociais e do marketing pessoal

Acessibilidade


O Big Brother Brasil 21 consagrará mais um milionário no fim deste mês, após a edição mais longa da história: três meses de duração e um recorde de patrocinadores, que, juntos, renderam R$ 530 milhões em cotas publicitárias comercializadas pela emissora.

O reality show, que desembarcou no Brasil em 2002, vive agora uma nova fase, alimentada pela força da internet. O programa ultrapassa os limites da televisão e do pay per view do Globoplay e ganha vida nas redes sociais, principalmente no Twitter e no Instagram.

VEJA TAMBÉM: Quem é o empresário que está apostando no “Big Brother” para faturar R$ 1 bilhão

Uma participante em particular tem se destacando entre o elenco: Juliette Freire, advogada e maquiadora paraibana, está redefinindo a forma de jogar o Big Brother com o batalhão que se movimenta em seu favor fora da casa.

No último fim de semana, ela alcançou a marca de 20 milhões de seguidores no Instagram, superando até mesmo a participante Viih Tube, influenciadora digital que já começou o jogo em vantagem, com 16 milhões de seguidores. Com pouco menos de um mês para o fim do reality e o padrão de crescimento dos seguidores de Juliette, a participante deve bater ainda os números de ex-BBBs que fizeram sucesso na carreira artística, como Grazi Massafera (23 milhões) e Sabrina Sato (29 milhões).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

E se engana quem pensa que são seguidores comprados. Prova do desempenho orgânico é o engajamento dos seguidores da paraibana. Ela já bateu a performance de nomes como Anitta, Beyoncé e Manu Gavassi, quebrando o recorde da cantora norte-americana Billie Eilish ao superar 1 milhão de curtidas em uma publicação em menos tempo na rede social. “Não existe marca ou pessoa que tenha se sustentado organicamente com seguidores falsos e automações. O que os números da Juliette mostram de engajamento não se consegue com robôs ou publicações patrocinadas. O conteúdo é humanizado, existe estratégia por trás, além do timing”, explica Fabrício Macias, CBDO (chief business development officer) da agência de marketing digital Macfor.

O especialista ressalta que a televisão ainda é uma grande vitrine – o principal meio de comunicação de massa -, e que a exposição em horário nobre é valiosa. “Quanto custam os segundos de exposição na Globo? Ao entrar no programa, o participante pode sair com R$ 1,5 milhão ou, pelo menos, uma exposição de meses na maior emissora do país. Se houver visão e souber monetizar, é uma fórmula de sucesso”, afirma o especialista.

A cada edição, os participantes se especializam e se organizam mais antes de entrar na casa. O BBB deixou de ser um programa de televisão e virou um negócio. Se a edição de 2020 foi marcada pelo crescimento do uso do marketing digital com a chegada dos participantes já famosos, como Manu Gavassi e Bianca Andrade, o BBB 21 será lembrado pela profissionalização dos ADMs, como são chamados os administradores das redes sociais dos participantes, que trabalham arduamente na criação da imagem e na mobilização do público aqui do mundo real, enquanto o jogo rola na casa mais vigiada do país.

Lara Imperiano
Lara Imperiano

Juliette Freire, participante do BBB 21, se tornou um fenômeno nas redes sociais, ganhando 20 milhões de seguidores e batendo recordes de engajamento no Instagram

A equipe de Juliette é a maior desta edição: a participante conta com 20 pessoas cuidando de suas redes sociais, entre amigos e voluntários que auxiliam na gestão dos perfis e na coleta de material para publicação. Antes de entrar no jogo, Juliette deixou com a amiga Deborah a senha da única rede que usava, o Instagram, na época com cerca de 3 mil seguidores e um único pedido: “façam o que for preciso”.

VEJA MAIS: Estratégia para reality show transforma Manu Gavassi num case de marketing

O time é dividido por núcleos e, em sua maioria, formado por profissionais de marketing digital de João Pessoa, onde Juliette morava antes do confinamento. Alguns chegaram a deixar clientes que atendiam para poder se dedicar 100% ao trabalho das redes da participante, que hoje gera conteúdo para Twitter, Facebook, Instagram, TikTok e Spotify, além de grupos no Telegram e WhatsApp. “Cerca de 50% do sucesso da Juliette vem dela. Conseguimos desenvolver um bom trabalho multiplataforma por causa de sua personalidade. Tudo que ela faz gera conteúdo e repercute”, explica Rallyson Chaves, head de conteúdo do TikTok da participante.

Boa parte da equipe principal já tinha trabalhado em campanhas políticas anteriormente e acabou replicando o método bem-sucedido nas redes da sister. A head de conteúdo para o Instagram de Juliette, Maria Tereza Falcão, afirma que o foco foi humanizar a participante, mostrando quem ela era antes do programa com imagens de acervo do próprio Instagram, além de caprichar na identidade visual e no contato com o público, que acaba trazendo muitas pautas para a equipe.

Antes mesmo de a participante deixar a casa, marcas – inclusive patrocinadoras – já começam a surfar na onda do seu sucesso. Juliette engaja sem nem saber e vende – algo que causa um frenesi nas empresas. Para a equipe, quanto mais, melhor: grandes marcas, como Seara e Avon, dão credibilidade à imagem de Juliette, fortalecendo o posicionamento da jovem no mercado. “É um teste que já estamos fazendo agora, sem ter sido planejado. Para nós foi positivo para testar o público, ver o quanto o nome dela engaja mais que os outros”, pontua Candy Ferraz, head do Twitter de Juliette.

A participante já está sendo procurada para campanhas pós-BBB por marcas de diferentes tamanhos, e todas as propostas estão sendo avaliadas pela equipe. A própria Juliette vai se encarregar de bater o martelo sobre o que fará no futuro. Para Fabrício Macias, caso não ganhe o programa, ela não demorará muito para somar R$ 1,5 milhão na conta. “Fazendo uma previsão conservadora, em meio ano ela consegue ultrapassar esse valor, cobrando no mínimo R$ 150 mil por uma publicação no feed do Instagram”, estima o especialista em marketing digital com base no engajamento e relevância da participante.

Com a profissionalização dos participantes do BBB e de suas equipes, é provável que cada vez mais vejamos milionários depois do programa. O que antes ficava limitado aos ganhadores do reality e aos poucos que seguiram carreiras bem-sucedidas, nem sempre ligadas ao entretenimento, agora tende a se potencializar com as comunidades criadas nas redes sociais e o dinheiro que roda nesse ambiente virtual. “A taxa de sucesso de pessoas depois do BBB vai crescer a partir de agora. O participante mostra quem é no programa e depois, nas redes, é fácil de encontrar, acompanhar. Muda-se a dinâmica do jogo com o poder da massa”, finaliza Macias.

Veja, na galeria a seguir, outros participantes que não ganharam a competição, mas faturaram alto – alguns até muito mais que o prêmio – após o programa:

  • Grazi Massafera

    Grazi já trabalhava como modelo e tinha participado do Miss Brasil, representando o Paraná, quando entrou para a quinta edição do programa. Ela ficou em segundo lugar, perdendo para Jean Wyllys, e recebeu o prêmio de R$ 50 mil.

    O programa foi um grande salto na carreira de Grazi que, logo após a participação, entrou para a Oficina de Atores da Rede Globo. Sua primeira novela foi “Páginas da Vida”, a convite do autor Manoel Carlos, e desde então atuou nos folhetins “Desejo Proibido”, “Negócio da China”, “Tempos Modernos”, “Aquele Beijo”, “Flor do Caribe”, “Verdades Secretas”, “A Lei do Amor”, “O Outro Lado do Paraíso” e “Bom Sucesso”.

    Grazi é vista como uma das participantes que mais deu certo após o programa: transformou sua imagem, é reconhecida como atriz e chegou até a ser indicada ao Emmy Internacional, na categoria “Melhor Atriz”.

    Além do trabalho nas telas, Grazi participa de campanhas publicitárias e reúne 23 milhões de seguidores no Instagram. A artista também é dona de uma grife de óculos de grau e de sol. Entre as marcas para as quais fez propaganda na rede social nos últimos meses estão Dell, Monte Carlo Joias, Heineken e Via Uno.

    Reprodução/Instagram
  • Sabrina Sato

    Sabrina participou da terceira edição do BBB, onde permaneceu até a oitava semana. Pelo carisma apresentado durante o programa, foi contratada pelo “Pânico”, participando das edições em rádio e na televisão. A artista fez parte do elenco do humorístico por uma década, até que saiu para apresentar seu programa solo na RecordTV.

    Estimativas indicam que o salário mensal da ex-BBB na emissora é de R$ 900 mil. Apesar de seu programa semanal ter chegado ao fim em 2019, ela apresenta os realities “Game dos Clones”, que também faz parte do catálogo do Amazon Prime Video, e “A Ilha”.

    Assim como Grazi Massafera, Sabrina é constantemente citada como uma das participantes que mais deu certo depois do programa e que conseguiu se desapegar da imagem de ex-BBB. Nas redes sociais, acumula 29 milhões de seguidores no Instagram e 1,2 milhão no YouTube.

    Reprodução/Instagram
  • Manu Gavassi

    A jovem atriz e cantora participou da edição 20 do programa, a primeira a contar com artistas no elenco. Conhecida de um nicho mais jovem desde a adolescência, Manu viu no programa uma oportunidade para expandir seu público.

    Antes de entrar na casa, já acumulava milhões de seguidores no Instagram e tinha em seu currículo passagens por novelas da Globo, alguns papéis no cinema e um contrato com a gravadora Universal Music.

    A jovem deixou gravados mais de 100 vídeos para quando estivesse confinada na casa, antecipando todas as possíveis situações que pudesse passar lá dentro. Ela criou uma estratégia de marketing que marcou a sua passagem pelo programa, sendo replicada pelos participantes da edição atual.

    Manu acabou chegando até a final, mas ficou no terceiro lugar, levando do programa o prêmio de R$ 50 mil. Após sua participação, porém, fechou contratos milionários com marcas como O Boticário e Redken, atuando também como diretora criativa e garota propaganda para Tanqueray e Anacapri, além dos publiposts para PicPay, Lacta, Paco Rabanne e Acuvue que impactam seus 15 milhões de seguidores no Instagram.

    Rodolfo Magalhães
  • Fernando Fernandes

    O atleta participou da segunda edição do programa, em 2002, sendo eliminado na terceira semana. Após o BBB, ele seguiu a carreira que já tinha como modelo, chegando a fotografar com Mario Testino e estrelar campanha para a Dolce & Gabbana ao lado de Naomi Campbell e Claudia Schiffer.

    Em 2009, sofreu um acidente automotivo e ficou paraplégico. Quando estava internado em Brasília, para se recuperar do acidente, Fernando começou a treinar paracanoagem. Ele se tornou tetracampeão mundial na modalidade, com patrocínio da Nike e da Gol.

    Fernando também é apresentador, tendo comandado quadros no “Esporte Espetacular” e o programa “Além dos Limites”, do canal OFF. Nas redes sociais, ele cria conteúdo para marcas como Volkswagen e Gillette e acumula 500 mil seguidores no Instagram.

    Reprodução/Instagram
  • Marcela McGowan

    A médica Marcela McGowan integrou o elenco da 20ª edição do BBB, junto com Manu Gavassi, mas entrou no grupo batizado de pipoca, formado apenas por participantes anônimos. Durante seu tempo de confinamento, Marcela chamou a atenção do público desde a primeira semana por seus posicionamentos progressistas.

    Enquanto ainda estava confinada, o curso online ministrado pela médica sobre autoconhecimento e sexualidade feminina vendeu cerca de R$ 1,1 milhão para 2.000 interessadas. Marcela foi a 12ª eliminada, mas saiu da casa com um valor muito próximo do prêmio só com sua ferramenta de educação.

    Depois que deixou o programa, Marcela continuou a falar sobre sexualidade feminina no seu Instagram, que hoje reúne 6 milhões de seguidores, além de fazer publicidade para marcas como L’Oréal, Old Parr e Natura. Ela também se tornou apresentadora do GNT.

    Reprodução/Instagram
  • Bianca Andrade

    Mais conhecida pelo nome artístico Boca Rosa, Bianca também integrou o elenco do BBB 20, como parte do grupo camarote. Assim como Manu Gavassi, ela entrou para o programa com milhões de seguidores no Instagram e no YouTube, e já tinha uma carreira consolidada, mas queria expandir seu público para fora da internet.

    Dona das marcas Boca Rosa Beauty e Boca Rosa Hair, Bianca aproveitou o programa para divulgar seus produtos. Sua participação no BBB não durou muito, já que ela foi a quinta eliminada. Mas seu objetivo foi cumprido: as vendas dos produtos triplicaram e a marca teve faturamento de R$ 120 milhões, mesmo em ano de pandemia.

    Um ano após sua participação, Bianca está grávida do primeiro filho, Cris, e pretende internacionalizar a sua empresa.

    Gabriel Bertoncel
  • Rodrigão e Adriana Sant’Anna

    Rodrigão e Adriana se conheceram na 11ª edição do programa e engataram um romance. Adriana foi a oitava eliminada e Rodrigão quase chegou à final, sendo o 14º eliminado. Após deixarem a casa, fizeram trabalhos como modelos.

    Quatro anos depois, veio o casamento. Na época em que participaram do reality show, as redes sociais ainda não eram tão fortes como hoje. Adriana se especializou na área de marketing digital e criou o Midas (Método de Influência Digital Adriana Sant’Anna), comercializando cursos online sobre o tema, com lista de espera para novas turmas. Rodrigão também faz parte da equipe do método Midas, além de dar dicas sobre finanças e relacionamento em seu Instagram para mais de 2 milhões de seguidores. Adriana reúne quase 5 milhões de seguidores na rede.

    Atualmente, o casal mora nos Estados Unidos, em uma mansão comprada em Orlando, Flórida. Em novembro do ano passado, Adriana falou com seus seguidores sobre ter conquistado seu primeiro milhão.

    Reprodução/Instagram
  • Jonas Sulzbach

    Jonas começou a carreira como modelo, trabalhando para marcas como Lupo, Pioneer e Chevrolet. Foi o vencedor do Mister Brasil 2010, mas tornou-se conhecido do público ao integrar o elenco do BBB 12.

    Jonas terminou em 3º lugar no programa, levando para casa R$ 50 mil e um carro. Após a saída, continuou trabalhando como modelo e, com o advento das redes sociais, como influenciador digital.

    Há cerca de oito anos, Jonas toca o projeto fitness Mahamudra, que fundou ao lado de amigos, seguindo o método criado por Cesar Curti, também modelo.

    No Instagram, reúne 3 milhões de seguidores e, além de divulgar o trabalho como instrutor físico, também faz publiposts para marcas como O Boticário, Mizuno e Paco Rabanne.

    Reprodução/Instagram
  • Babu Santana

    Também integrante do grupo camarote no BBB 20, o ator Babu Santana já tinha vivido Tim Maia nos cinemas e feito parte do elenco das novelas e séries da TV Globo. Ao entrar para o programa, porém, afirmou estar endividado e sofrendo pela falta de oportunidades na carreira.

    Babu dividiu as opiniões dos espectadores do reality show por sua personalidade forte e acabou em quarto lugar na competição. Após a participação no programa, assinou contrato com a TV Globo e protagonizará o filme biográfico sobre Maguila.

    No último ano, estrelou campanhas na televisão para Estomazil e Omo, além de fazer publicidade em seu Instagram, onde reúne 6 milhões de seguidores, para Seara, Americanas, PicPay, Gillette, FIat, Wizard e iFood.

    Reprodução/Instagram
  • Pyong Lee

    Outro participante do grupo camarote do BBB 20, Pyong Lee entrou para o programa já conhecido pelo público da internet pelo seu trabalho como hipnólogo. Ele, inclusive, já tinha integrado a lista Under 30 de 2018 da Forbes.

    Visto como um dos grandes favoritos ao prêmio por sua forma analítica de jogar no reality, Pyong foi o oitavo eliminado. Assim que saiu da casa, retomou seu trabalho como criador de conteúdo e acumula, atualmente, 8 milhões de seguidores no Instagram e mais do que isso no YouTube.

    Fundou o Instituto Quasar, que oferece formação em hipnoterapia avançada e neurociência aplicada e também trabalha prestando mentorias para empreendedores no Instituto Êxito, do qual é sócio.

    Reprodução/Instagram

Grazi Massafera

Grazi já trabalhava como modelo e tinha participado do Miss Brasil, representando o Paraná, quando entrou para a quinta edição do programa. Ela ficou em segundo lugar, perdendo para Jean Wyllys, e recebeu o prêmio de R$ 50 mil.

O programa foi um grande salto na carreira de Grazi que, logo após a participação, entrou para a Oficina de Atores da Rede Globo. Sua primeira novela foi “Páginas da Vida”, a convite do autor Manoel Carlos, e desde então atuou nos folhetins “Desejo Proibido”, “Negócio da China”, “Tempos Modernos”, “Aquele Beijo”, “Flor do Caribe”, “Verdades Secretas”, “A Lei do Amor”, “O Outro Lado do Paraíso” e “Bom Sucesso”.

Grazi é vista como uma das participantes que mais deu certo após o programa: transformou sua imagem, é reconhecida como atriz e chegou até a ser indicada ao Emmy Internacional, na categoria “Melhor Atriz”.

Além do trabalho nas telas, Grazi participa de campanhas publicitárias e reúne 23 milhões de seguidores no Instagram. A artista também é dona de uma grife de óculos de grau e de sol. Entre as marcas para as quais fez propaganda na rede social nos últimos meses estão Dell, Monte Carlo Joias, Heineken e Via Uno.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: